website page counter
Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de incesto » DUAS FILHAS CUIDANDO DO PAI…

DUAS FILHAS CUIDANDO DO PAI…

Publicado em janeiro 3, 2023 por ANGEL

Atualmente estou com 41 anos, casada e mãe de um belo rapaz de 16 anos com quem tenho uma relação bastante ativa, principalmente na cama. Mas resolvi escrever sobre acontecimentos de quase 28 anos atrás. Vou usar o nome de Renata e da minha irmã de Kátia. Morávamos em uma vila operária de uma cidade do interior do Rio de Janeiro, e depois que ficamos sem nossa mãe com o tempo aprendemos a nos virar sozinhas e até a cuidar da casa e do nosso pai. Tínhamos também a casa dos nossos avós que moravam praticamente em frente a nossa, já que meu avô também trabalhava na mesma fábrica que nosso pai. Nessa época Kátia estava com praticamente 18 anos e eu com 5 anos mais nova. Muitas vezes eu gostava de dormir na casa dos meus avós, pois era onde eu podia ficar acordada até de madrugada vendo TV e ser muito paparicada com deliciosas guloseimas. Acho que foi num sábado, depois de jantarmos na casa da vovó resolvi dormir na casa deles e Kátia e meu pai foram embora.

Uma hora depois mudei de ideia e decidi dormir em casa. Entrando em casa, não vendo meu pai e nem minha irmã fui caminhando até entrar no quarto suíte do meu pai e parar ouvindo vozes dos dois vindo do banheiro. Vendo a porta meio aberta fui me aproximando e de repente fiquei paralisada vendo meu pai sentado dentro da banheira e minha irmã completamente pelada, do lado da banheira, beijando na boca dele e com a mão dentro da banheira na altura de onde sabia que devia estar o pinto do meu pai. Assustada esbarrei na porta fazendo-a abrir mais um pouco e vendo que eles me olhavam também assustados corri pro meu quarto. Minutos depois Kátia bateu no meu quarto e entrando sentou na minha cama me pedindo pra nunca contar nada pra ninguém do que tinha visto. Perguntei se eles estavam transando, e ela confirmou dizendo que fazia aquilo pra evitar do nosso pai casar e colocar outra mulher dentro da nossa casa.

Prometi que ia guardar segredo e no dia seguinte foi o pai quem me chamou pra também me pedir pra não contar pra ninguém. Com isso passou a ser normal ver de vez em quando minha irmã ir pro quarto do meu pai e eles tomarem banho juntos e até ficar trancados no quarto. Tempos depois Katia começou a namorar um rapaz e eu passei a ficar mais tempo sozinha com meu pai, pois ela passou a sair praticamente todos os finais de semana. Muitas vezes passei ao lado do quarto do meu pai e dava pra perceber que ele estava tomando banho, mas ficava com receio de entrar. Mas um dia tomei coragem e entrei, e vendo que a porta do banheiro também estava aberta cheguei na porta vendo meu pai deitado dentro da banheira bebendo algo em um copo (cerveja). Ele me vendo não se abalou e ainda me chamou pra chegar mais perto. Cheguei bem perto e fui logo olhando pra dentro da banheira vendo o pinto do meu pai um pouco desfocado pela água. Ele me entregou uma garrafa de cerveja vazia e pediu pra pegar outra na geladeira da cozinha.

Fui, e ao voltar pude ver que o pinto do meu pai tinha crescido e tinha boa parte aparecendo fora do nível da água. Parecia ser grande, grosso e tinha uma cabeça avermelhada um pouco mais grossa do que o resto. Já ia sair quando ele me perguntou se eu não gostaria de ficar mais um pouco. Claro que fiquei e sentei num banquinho de plástico bem ao lado da banheira, com ele passando a conversar sobre várias coisas; principalmente sobre colégio e tomando cerveja. Ele conversando ficava mexendo no seu pinto, e depois de uns 10 minutos ele levantou pegando a toalha pra se enxugar, ficando bem perto de mim com aquele pintão duro e reto. Sempre que Katia saia com o namorado, eu aproveitava pra entrar no quarto do meu pai e vê-lo simplesmente deitado na cama pelado, ou tomando seu banho. Um sábado, ele deitado pelado assistindo TV, entrei e ele me chamou pra deitar do seu lado. Tirei o chinelo e subi na cama com ele logo me puxando num abraço fazendo meu corpo encostar no dele. Fiquei olhando seu pinto começar a se mexer sozinho, ir crescendo até ficar reto apontando pro teto. Ele me beijando lembrei de quando vi minha irmã beijando na boca dele.

– Você beija a Kátia na boca, né?…

– Beijo sim; por quê? Quer que eu te beije na boca também?…

– Eu quero!…

Eu que era virgem até na boca fui sentindo seus lábios encostando no meu, e ele pegando minha mão fazendo segurar seu pinto. Depois do beijo, ele foi levantando minha blusa, e sem sutiã meus peitinhos logo ficaram aparecendo com ele começando a chupar. Adorando, senti ele colocando a mão no meu short e ir puxando até me deixar só de calcinha. Voltou a beijar minha boca, chupar mais um pouco meus peitinhos e descendo beijando minha barriga foi tirando minha calcinha. Completamente peladinha ele abriu minhas pernas e ficou olhando pra minha bucetinha que começava a querer nascer pentelhos. Ele abrindo minha bucetinha com os dedos.

– Que perereca linda!…

Primeiro passou o dedo na minha racha, pra deitar com a cara no meio das minhas pernas e começar a passar a língua me fazendo ir nas nuvens. Sentindo algo delicioso percorrer todo meu corpo, foi o meu primeiro orgasmo que minha bucetinha ficou toda encharcada com meu pai tendo que me limpar usando minha própria calcinha. Depois dando alguns tapinhas na minha bunda me mandou tomar um banho antes da gente fazer um lanche que ele ia preparar. Saí do quarto deixando meu pai ainda de pau duro. Estávamos fazendo um lanche quando Kátia chegou. Meia hora depois vi Kátia entrando e ficando trancada com meu pai no quarto. Sabia que eles iam transar. No domingo a tarde, estava no meu quarto deitada lendo uma revista quando meu pai entrou dizendo que minha irmã tinha acabado de sair com o namorado. Deixei a revista de lado e ele vindo me beijar me perguntou se eu gostaria de assistir um pouco de televisão no quarto dele. Disse que sim e rapidamente chegamos no seu quarto onde ele voltando a me beijar foi aos poucos tirando toda minha roupa. Subi na cama e fiquei vendo ele também ficar pelado, vindo chupar meus peitinhos e ficar passando o dedo na minha xana… Já andava doidinha pra que ele transasse comigo, como sabia que ele fazia com minha irmã. Me fez ficar de bruços e apalpando minha bunda, abriu minhas nádegas e ficou passando a ponta do dedo no meu cuzinho. Eu que já sabia sobre sexo anal, empinei a bundinha.

– Vai colocar ele aí pai?…

– Você deixa?…

– Deixo sim!…

Vi ele pegando uma bisnaga sobre o criado mudo, passando o conteúdo no seu pinto e depois passando bem sobre meu cuzinho, inclusive enfiando a ponta do dedo. Colocando um travesseiro sob meu corpo, deixando minha bundinha bastante empinada veio se posicionando e colocando seu pinto no meu buraquinho. Senti aquele pintão entrando me fazendo sentir apenas um pouquinho de dor, devido aquela pomada deixar tudo um pouco anestesiado. Depois senti ele fazendo movimentos de vai-e-vem até ficar parado e gozando dentro de mim. Depois de dar a bundinha pro meu pai durante mais de um mês e deixando chupar minha xana, sabendo que Kátia estava no quarto com ele me aproximei e vendo a porta aberta fui entrando e me deparando com os dois pelados na cama, com minha irmã chupando o pau do meu pai. Acho que os dois tinham combinado de deixar eu vê-los fazendo putarias. Kátia parou de chupar, me olhando e sorrindo.

– Quer brincar também?…

Ia sair do quarto quando meu pai desceu da cama e me puxando foi tirando toda minha roupa me fazendo subir também na cama. Deitou pedindo pra Kátia voltar a chupar seu pau, o que ela fez e menos de um minuto parou.

– Quer chupar também Renata?….

Resolvi experimentar, e logo estávamos revezando chupando a piroca do nosso pai até ele começar a gozar e Kátia engolir até a última gota. Kátia foi rapidamente no banheiro lavar a boca e voltou deitando e deixando nosso pai no meio de nós duas. Ele me beijava na boca e depois puxava Kátia e também a beijava. Mamava nos meus peitinhos e depois ia mamar nos peitos volumosos de Kátia. Não demorou muito pra ele ficar novamente com o pau duro, mandando Kátia ficar de quatro foi alisando sua bunda e chegando com seu pau foi colocando na buceta da Kátia. Eu ajoelhada do lado dos dois passei a ver a piroca do pai ficar indo e vindo na buceta da minha irmã que gemia muito, rebolava e pedia pro pai socar com mais força… Vi nitidamente Kátia tendo um orgasmo e meu pai ficar parado com o pinto dentro dela gozando. Durante a semana notei que eles transaram pelo menos umas duas vezes, mas só que com a porta do quarto trancada. No sábado, Kátia nem saiu com o namorado e assim que o pai chegou na rua e foi tomar banho, ela foi junto e eu entrei pegando novamente os dois pelados no banheiro na maior pegação. O pai me vendo resolveu terminar o banho me mandando esperar no quarto. Logo os dois saíram pelados e novamente meu pai foi me despindo até me deixar completamente nua. Me beijou e vindo por cima de mim começou a esfregar seu pinto na minha xana.

– Deixa o papai enfiar hoje, deixa?…

Como a muito tempo eu já vinha sentindo vontade de sentir a piroca do meu pai na minha bucetinha, fui logo dizendo que deixava. Ele pegou aquela mesma bisnaga e passou um pouco daquela pomada na minha xana e passou também no seu pinto… Kátia ficava somente olhando ajoelhada sobre a cama no nosso lado. Ele voltou ficando entre minhas pernas foi colocando seu pau duro na minha racha e forçando comecei a sentir minha bucetinha abrindo e aquela coisa dura ir entrando. Mesmo com minha bucetinha meio anestesiada senti quando meu cabacinho foi rompido e uma pequena ardência lá dentro da minha xana. Percebi que ele teve um pouco de dificuldade pra enfiar tudo, e assim que ele começou a puxar pra trás e voltar a enfiar até o fundo, fui sentindo uma coisa tão gostosa que rapidamente tive um delicioso orgasmo antes dele tirar seu pinto sujo de sangue e gozar sobre meu corpo. Eu e minha irmã passamos a transar constantemente com nosso pai, juntas ou mesmo separadas. Kátia dois anos depois ficou noiva e mais um ano casou me deixando sozinha com nosso pai. Mesmo assim ela sempre vinha pra gente ficar juntas na cama com ele. Pra quem possa pensar diferente, tenho a dizer que fui muito feliz junto com meu pai e não me arrependo de nada do que aconteceu. E como minha irmã, mesmo noiva e também casada, nunca deixei de ir visitar nosso pai e ir pra cama com ele pra matar a saudade daquele piroca delicioso, principalmente na minha bundinha.

Leia outros Contos de incesto bem excitantes abaixo:

Aprendendo a chupar (e muito mais) com a minha irmã

O Dia Que Comi Minha Filha Novinha

46371 views

Contos Eróticos relacionados

Vítimas do Desejo

Olá, meu nome é Gustavo Costa Real, tenho 22 anos. Tenho um corpo esguio, sou branco e tenho cabelos e olhos castanho-claros. Era 9:35 am quando cheguei na Ilha, eu tava muito empolgado. A porta...

LER CONTO

Tio , fazendo com meu lindo tio .

Como sempre fazíamos todo ano fomos a família toda para praia no carnaval . Foi uma semana inteira na muvuca , quase 30 pessoas numa enorme casa com piscina e tudo. Luis e casado com a irmã de...

LER CONTO

Comi a prima favorita

De: Goiano Olá , vou contar uma história real mas vou mudar os nomes pra não expor as pessoas. A prima da minha esposa é uma linda morena clara, alta, bocona com lábios carnudos, cabelos...

LER CONTO

De Noite meu Primo se Aproveitou de mim Parte 2

Continuando de onde parei do outro conto, eu estava passando 2 quase 3 meses de ferias na casa da minha tia e fiquei de dormir na quarto do meu primo mais velho, e ele já tinha se aproveitado dessa...

LER CONTO

1 - Comentário(s)

  • Zetoff 05/01/2023 02:50

    Delícia hein Re......algum email pra trocarmos confissões.......era doido pra comer minha irmã......e tia também

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 4 + 4 = ?
ContosAdultos.Club - O seu site de Contos Eróticos
Se você gosta de ler contos eróticos ou contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.
© 2023 - Contos adultos