website page counter
Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de putaria » Tia da creche

Tia da creche

Publicado em janeiro 23, 2024 por Fernando Moreno

Meu nome é Fernando, sou moreno, olhos castanhos, lábios carnudos, tenho 1,83alt e 95kls, digamos “gordinho”. O relato que contarei aqui, já digo desde início, não é de uma criança com a tia da creche. Cresci na cidade de Presidente Prudente, e como toda criança, frequentou a chamada creche, e minha mãe fez amizade com uma das tias que na época era jovem de tudo, assim fui crescendo e sempre chamei essa mulher de tia da creche.

Nos percalços da vida, cresci, fiquei adulto, ela da mesma maneira, ela casou e foi embora para outra cidade, eu tive toda a fase adolescência, rebeldia e casei cedo, com a primeira namorada. Aos 18, estava casado e acabei me mudando da cidade de Presidente Prudente e vim para Maringá. Meu casamento não durou muito, entre brigas e vindas, optamos por nos separar. Mas acabei ficando aqui no Parana mesmo, como já estava trabalhando em uma empresa e estava com alguns objetivos, acabei ficando por aqui. Após anos, andando nas ruas de Maringá, indo para o shopping com os amigos, quem eu reencontro? Isso mesmo, um rosto conhecido e familiar, ela tia Roberta, que parece que foi conservada no formol. É, o tempo foi generoso com ela. Roberta, uma morena, magra, corpo atlético, talvez aí esteja o segredo de se manter jovem aos seus 42 anos, seus olhos castanhos, aparelho na boca, bundinha rebitadinha, porém com tudo cima, peito tamanho médio, enfim uma mulher muito atraente.

Nesse encontro eu já estava com meus 26 anos, uma diferença de 16 anos entre mim e ela, começamos a conversar, ela perguntou da minha mãe, pois minha mãe, realmente pegou uma boa amizade com a tia que cuidava de mim na creche, acabamos trocando WhatsApp, rimos muito, literalmente jogamos conversa fora, ela me contou dos ocorrido da vida, da separação. Acabei falando da minha vida, como vim parar aqui em Maringá, do trabalho, enfim, conversamos muito. Ao chegar em casa, começamos a trocar mensagens, foram praticamente uns meses trocando mensagens e acabamos marcando de nos encontrar novamente para conversar e tomar alguma coisa.

Eu nunca fui de me relacionar com mulheres mais jovens, sempre preferi mulheres mais velhas e experientes, e ela realmente era uma mulher linda que não aparentava ter a idade que dizia ter.
Marcamos de passar uma tarde no Parque Alfredo Werner Nyffeler (Buracão). Chegando no domingo, busquei na casa dela e fomos para o buracão, rimos, caminhamos. Mas, como possamos dizer, estava tudo ótimo até vir uma pancada de chuva, que veio repentinamente, arrumamos tudo rapidamente e fomos para o carro, mas a rapidez com que arrumamos as coisas não foram o suficiente para não nos molharmos.

Acabamos indo para minha casa, que era o lugar mais perto, pois a chuva realmente estava muito forte, e aqui em Maringá infelizmente tem um certo problema com quedas de árvores em dias de chuva. Chegando em casa, estávamos encharcados. Falei para ela tomar um banho, ela riu e me disse: “Está doido? Minha roupa está toda molhada, vou ficar pelada?”

Acabei brincando: “Boa ideia.” Ri, o que fez ela me olhar assustada, mas sugeri para ela colocar uma roupa minha até as roupas dela, a dela dar uma secada. Ela acabou aceitando. Se retirou e foi tomar banho, arrumei uma toalha para ela e uma camiseta minha. Como sou gordinho, a minha camiseta, que era pouca coisa mais baixinha, iria ficar praticamente um vestido.
Ao sair do banheiro, ela colocou a minha camiseta, porém o meu short era bem largo e iria ficar caindo. Ficamos na sala conversando, como ela não estava com nada por baixo, dei uma manta para cobrir as pernas. Sentamos no sofá um ao lado do outro e começamos a conversar sobre as lembranças que tínhamos em dias chuvosos.

Quando menos percebemos, o assunto virou para o lado de sexo, confesso a vocês que leram meus contos anteriores. Fazia quase um ano que eu tinha transado. É! A última transa minha foi com a Sil e a Evelyn. Mas não contei a ela que tinha transado com duas, na última vez que transei, só acabamos falando que fazia um pouco mais de um ano que tinha transado, e que tinha medo de que, quando fosse transar com alguma mulher, não desse conta, pela questão de tempo. Ela, por sua vez, declarou que também fazia tempo que tinha transado, que a última vez ela ainda estava casada, e que nas últimas vezes o sexo com o ex-marido já não era frequente e nem tão gostoso, quanto no início. Já deixo aqui uma pergunta para você, meu querido leitor: no final de algum relacionamento de vocês, como era o sexo? 1)Frequente? 2) Bem escasso, mas tinha um pouco, 3) Não tinha mais sexo.

Acabamos falando das preferências em posição, e o que não poderia faltar no sexo. Roberta me pediu água para beber, o que logo respondi que não poderia buscar. Ela estranhou o porquê, disse estar meio acesso. Ela riu e colocou a mão na minha perna, e já olhou para minha perna, acabei tirando o braço de cima do meu pau que estava escondendo. Quando ela viu, ela soltou um “eita, porra” e tampou a boca logo em seguida. Ri e perguntei se queria água ainda? Ela jogou a manta para o lado e veio para cima de mim, olhando nos meus olhos, disse que sim. Mas sentou-se em cima de mim e veio com sua boca perto da minha e me disse: “Estou com sede, pega água para mim, pega.” Apertei a bunda dela, puxando-a para cima de mim e fazendo ela roçar o corpo dela contra o meu. Começamos a nos beijar e ainda brinquei com ela, dizendo que não conseguiria pegar água para ela, pois ela estava em cima de mim. O que ela já me disse é que teria que tirar ela de cima de mim, se quisesse. O que logo disse que não queria tirar ela de cima de mim. Muito pelo contrário. Nos beijamos calorosamente e comecei a passar a mão sobre a bunda dela. Como ela estava sem calcinha, foi uma delícia sentir a pele dela sobre a minha.

 

Ela me beijou, tirou minha camiseta e não esperei muito e já tirei a camiseta dela (quero dizer, a minha camiseta que ela estava vestida). Já apalpei os peitos dela e comecei a chupar os peitos dela. Ela forçou minha cabeça contra os peitos dela, o que a fazia gemer gostoso. De repente, ela abaixou entre as minhas pernas e tirou a minha calça, o que fez ele já pular para fora. Quando ela viu, ela já segurou ele com uma das mãos e começou a me chupar. E que chupada gostosa, o que comecei a curtir.

Só como estava há um tempo sem, puxei-a para me beijar. Como tive uma experiência há quase um ano, lembrei-me de que havia comprado um gel retardante e um gel lubrificante e algumas camisinhas especiais. Não sei quanto tempo eles estavam lá, mais nem pensei duas vezes, fui lá no quarto e peguei elas, cheguei já ajoelhei no meio das pernas dela e comecei a chupar elas, só que enquanto chupava ela passava o gel sobre o meu pau, e fiquei ali me deliciando naquela buceta gostosa, que, estava todas raspadinhas. O que amei, comecei a chupar ela, ora passando a língua sobre a xoxota dela e ora beijando a coxa dela. Enquanto chupava ela, percebi ela apertando os peitos e sua respiração ofegante.

Com uma das mãos, ela começou a apertar meu rosto contra sua xoxota. Após perceber que ela estava bem molhada, coloquei a camisinha e sentei sobre o sofá. Ela já entendeu o recado e começou a sentar sobre mim, tivemos um pouco de dificuldade para entrar, mas ela viu o lubrificante do lado e já espalhou sobre o meu pau e massageou ele, terminou de limpar a mão sobre a buceta dela, o que na hora dela sentou entrou com muita mais facilidade.

Ela foi sentando no meu pau, rebolando, e com as mãos sobre meu peito, ela foi quicando gostoso sobre meu pau, e me beijando. Ela parou um pouco com o meu pau dentro da sua buceta. Comecei beijando o pescoço dela e apertava os peitos dela, fui um pouco para frente, quase que deitado sobre o sofá, o que facilitou para ela galopar sobre o meu pau, e ela fazia isso com gosto, como se alguém estivesse realmente precisando disso.

Depois de alguns minutos, tirei ela de cima de mim, o que já a coloquei de 4 no sofá, coloquei mais lubrificante. Mirei na entrada da buceta dela, enquanto meu pau estava na entrada da xoxota dela, comecei a beijar o pescoço dela, descendo pelas costas dela, o que fazia ela gemer gostoso. Depois, enfiei, terminei de enfiar o meu pau na buceta dela e comecei a bombar na xoxota dela, o que aproveitei para apertar a bunda dela, fazendo ela bater a bunda dela contra meu corpo. Mais ora e outra, dava uma pequena parada para poder beijar o pescoço dela, segurei o cabelo dela como rabo de cavalo, e com a outra mão na bunda dela, coloquei uma perna sobre o sofá e fazia uma pressão contra a bunda dela.

Dei um pequeno tempo tapa na bunda dela, o que percebi que a Roberta soltou um gemido gostoso. E assim fiquei bombando na xoxota dela. Percebi que o gel anestésico já tinha feito efeito, aproveitei para bombar sem dar pausa o que ela começou a dizer: “Que gostoso, não para”. Obedeci, é claro, e fiquei bombando. Quando percebi que poderia gozar, parei e comecei a passar a mão sobre as costas dela, e passando a mão sobre os peitos dela. Ela, por sua vez, começou a se tocar enquanto meu pau estava dentro da xoxota dela. Falei para ela que estava próximo de gozar, o que ela me disse que não tinha problema, que depois nós continuamos. Isso para mim foi como um convite para gozar.

Mesmo assim tentei segurar um pouco, o que percebi que gozei um pouco, mais não total, e o que me fez meter naquela buceta com mais gosto, e dessa vez com a certeza que agora não iria gozar tão rápido, mais acabei me enganando e gozei, mais mesmo gozando continuei metendo até ter a certeza que não iria conseguir mais. Sentei no sofá e ela do meu lado, o que ficamos ali, nos beijando por um tempo. Sinceramente, nunca imaginei que comeria a tia da creche.

Leia outros Contos de putaria bem excitantes abaixo:

Questão de Oportunidade - Parte 06

Lê e Amélie, duas sapatas que não negam rola

18418 views

Contos Eróticos relacionados

Pervertido da escada rolante

Oiie sou a Mandy Bom vou começar me apresentando acabei de completar 18 anos tenho a pele branquinha, sou flexível pois faço ginástica tenho uma bunda que é considera grande, sou magrinha,...

LER CONTO

Negão da Piola

Negão da Piola Haviam três jovens mulheres, que iam todos os fins de semanas em bailes funk e elas disputavam entre si, para ver quem pegava mais caras, claro, as três iam bem sensuais e as...

LER CONTO

Minha Mãe Me Mamou

Minha Mãe Me Mamou

LER CONTO
  • Enviado por: Admin
  • ADS

Leitinho Pra Novinha

Leitinho Pra Novinha

LER CONTO
  • Enviado por: Admin
  • ADS

Brincando Com Minha Irmã

Brincando Com Minha Irmã

LER CONTO
  • Enviado por: Admin
  • ADS

No cu é mais gostoso

Mais uma puta na coleção. Conheci uma mulher em 2014 em uma festa e passamos a nos ver com frequência, até que em um momento acabei levando ela ao meu apartamento. No início não éramos tão...

LER CONTO

Iniciando o casal de Curitiba no Menage

Enviado por: Bruno Já fazia um tempo que não publicava uma aventura, mas esta o marido fez questão que eu escrevesse para ele ler junto com a esposa. Bom, sou de Curitiba e através de outro...

LER CONTO

EU LAURA ( 08 ) fatos reais nomes trocados

..... segue do ( o7 ) ............. Sergio continuou aprontando comigo, confesso que eu estava gostando, era bom, mas o Sergio caiu na besteira de de envolver com drogas, entrou em uma "rua" sem...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 3 + 4 = ?
ContosAdultos.Club - O seu site de Contos Eróticos
Se você gosta de ler contos eróticos ou contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.
© 2024 - Contos adultos