Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos eróticos de travesti » Minha Primeira Vez Com Uma Trans

Minha Primeira Vez Com Uma Trans

Publicado em janeiro 14, 2021 por J. R. King

Olá a todos. Eu me chamo Marcelo. A história que eu vou contar hoje é quando eu tive a minha primeira experiência sexual com uma garota trans.

Isso aconteceu há uns 5 anos. Eu estudava em uma universidade em Botafogo, e toda sexta-feira eu e meus amigos íamos resenhar após a aula na mureta da Urca, onde reuniam jovens de todas as universidades lá.

Continua depois da publicidade

Estava eu e mais um grupo de 5 amigos meus conversando lá, quando chegou uma amiga minha, a Fê, acompanhada de outra amiga que eu ainda não conhecia: Karol. Karol era linda. Tinha um rosto com feições, mas lábios bem carnudos que já me chamavam pra beija-los assim que eu a vi. Tinha o cabelo loiro na raíz e pintado de rosa. Pele branquinha, cerca de 1,61m, 54 kgs, bem magrinha, com peitinhos bem pequenos e uma bunda empinadinha. Ela usava uma calça de moletom bem soltinha e uma camisa baby-look rosa. Além disso, ela também usava uma linda maquiagem, com longos lápis de olho que realçavam os seus olhos verdes.

Eu já havia me gamado nela no momento em que eu a vi. Depois que Fê apresentou Karol pra todo mundo eu já cheguei nela. Ofereci um copo de cerveja e ela aceitou. Ficamos conversando bastante lá e eu fui conhecendo um pouco sobre Karol. Até que ela me contou que era trans.

Quando ela me contou, eu fiquei bastante animado. Eu sempre tive curiosidade em relação a garotas trans, já até me masturbei algumas vezes assistindo alguns vídeos trans. Mas Karol era a primeira que eu havia conhecido e trocado uma ideia. E além disso, já estava rolando um clima entre a gente antes dela me contar.

Continua depois da publicidade

“Sério?” Disse a ela quando ela contou o seu “segredinho”. “Puxa, que legal. Eu nunca havia conhecido uma garota trans antes.”

“Ah, para com isso. Aposto que já conheceu sim, só não sabia.” Ela respondeu.

“Sei não. Assim tão bonita como você? Com certeza nunca.”

Ela adorou o meu elogio. Ficou toda vermelha. Continuamos bebendo e conversando ali. Até que uma hora eu falei que tinha um pouco de erva no meu carro. E convidei ela pra ir até ele comigo pegar.

Fomos andando até o meu carro, que estava ali perto, mas em uma área um pouco deserta. Entrei no carro e peguei o saquinho que eu deixava em um fundo falso no porta-luvas.

“Você não vai entrar?” Perguntei.

“Ué, achei que você ia levar pra lá.”

“Não. Tem só um pouco, não dá pra compartilhar com todo mundo. Mas com você eu posso.”

“Ai. Obrigada, vou entrar então.”

Ela se sentou no banco do carona enquanto eu enrolava o baseado. Acendi e ficamos fumando ali. Eu tava louco pra ficar com ela, mas ao mesmo tempo nervoso.

“Ei, sabia que eu sempre tive vontade de ficar com uma garota trans?” Perguntei.

“Ah, é, porquê?”

“Ah, seila, acho que por curiosidade mesmo.”

Coloquei o meu braço no encosto do banco do carona e ajeitei o meu pau (que já estava duro dentro da minha calça) com a outra mão. Eu a vi olhando para o meu pau e mordendo de leve os lábios.

“Aposto que quando você matar a sua curiosidade, você não vai querer mais parar.” Disse Karol, fazendo uma cara bem safada.

“Porque você não mata pra mim?”

Coloquei a minha mão na coxa dela e comecei a subir. Ela se aproximou de mim e me beijou. Começamos a nos beijar intensamente ali no carro. Fui subindo a minha mão pela sua perna e fui direto na virilha. Senti o pacote dela, não parecia muito grande, mas mesmo assim me deixou muito excitado.

Ela tirou a camisa e mostrou aqueles peitinhos de aréola rosadinha deliciosos. Comecei a lambe-los e enquanto acariciava o seu pai por cima da calça e já ouvia ela gemendo baixinho.

Depois, coloquei a minha mão por dentro da sua calça e peguei em seu pênis. Ela, toda assanhada, já abaixou a calça de moletom cinza e ficou só de calcinha. Ela vestia uma calcinha rosa e o pau dela fazia um volume nela. Coloquei ele pra fora e comecei a bater uma punheta, enquanto beijava ela novamente.

Meu pau já tava enorme dentro da minha calça. Botei ele pra fora e falei pra ela chupar. Ela já chegou toda fogosa caindo de boca no meu pau. Sua boca era deliciosa. Fazia um boquete como ninguém. Ela chupava o meu pau enquanto se tocava, e eu só empurrava a cabeça dela, pra cima e pra baixo. Ela gemia enquanto me chupava e isso me deixava com mais tesão ainda.

Depois de cerca de cinco minutos me chupando. Ela saltou pro banco de trás. Empinou a bunda dela pra mim e falou:

“Pode vir, pode me comer no pelo, eu tô limpinha. Eu quero sentir a sua piroca no meu cuzinho.”

Fiz o que ela mandou sem pestanejar. Pulei pro banco de trás também e já fui metendo o meu pau nela. Ele até entrou com facilidade. Aquela piranha passiva já tava acostumada a receber no cuzinho.

Comecei a fuder intensamente com ela, socava forte dentro daquele rabo enquanto eu segurava o seu cabelo. Ela só gemia pedindo por mais enquanto se masturbava. Soquei dentro daquele cu por um bom tempo, alternando entre bombadas mais rápidas e outras mais devagar, mas com pressão.

Depois, eu mandei ela se levantar. Sentei no banco e ela começou a sentar no meu pau. Primeiro foi de costas. Ela rebolava com a sua bunda na minha pica enquanto eu acariciava os seus seios, beliscava eles e fazia tudo mais o que podia. Depois, ela se virou de frente pra mim e começou a sentar mais forte ainda.

O pau dela, que duro devia ter uns 15cm, fino e com a cabeça bem rosada, batia em mim quando ela quicava no meu pau. Era algo que eu nunca achei que de fato eu faria. Ela continuava a se punhetar enquanto sentava. Eu beijava ela e os seus peitos.

Por fim. Deitei ela no banco, levantei os seus pés bem no alto e continuei metendo lá dentro. Ela tava com o pau dela virado pra própria cara, e continuava se masturbando. Até que ela gozou, jorrou tudo na própria cara e nem ligou. Limpou o leitinho da cara e engoliu tudinho. Eu já não tava me aguentando mais.

Ela mandou que eu gozasse dentro do seu cuzinho, e assim eu o fiz. Soltei todo o jato dentro dela. Fui uma sensação deliciosa sentir o cuzinho dela sendo preenchido com o meu leite quentinho. Quando eu tirei o meu pau, minha porra escorrida pelas suas pernas.

“E aí, safado, o que achou?” Ela perguntou.

“Nossa, foi maravilhoso. Matar essa curiosidade tão bem com uma gostosa como você fez o meu dia.”

Ela ficou toda sem jeito com o meu elogio. Se limpou com uns lenços umidecidos que eu tinha guardado. Colocamos a roupa e voltamos pra nossa resenha.

Eu continuei vendo a Karolzinha algumas outras vezes, e tivemos várias outras experiências sexuais juntos. Se você quiser saber mais, comente aí pra ver se vocês querem que eu continue as minhas aventuras com as garotas trans. Valeu!

1167 views

Contos relacionados

Minha segunda experiência como CD

Olá, antes de mais nada quero avisar que minhas histórias são verdadeiras e que eu me descrevi na minha primeira história, por isso não o farei novamente. Minha segunda experiência aconteceu 6...

LER CONTO

Minha primeira vez com travesti gostosa

Bom dia, boa tarde, boa noite minha gente, meu nome é Robson, tenho 33 anos e hoje conto para vocês como foi minha primeira vez com travesti . Sou casado e sempre quis comer um cuzinho apertado...

LER CONTO

Minha primeira experiencia CD REAL

Não é uma ficção, essa é a minha história de verdade. Primeiramente, como toda história desse tipo, vou me descrever. Sou branquinha, 1,73 de altura, 60kg, magrelinha, meu corpo e rosto são...

LER CONTO

Comi um travesti na casa abandonada

Tudo bem pessoal? Meu nome é Marcelo, tenho 40 anos, moro em Blumenau e vou relatar para vocês como foi o dia em que eu comi um travesti na casa abandonada perto do meu trabalho. No horário de...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 5 + 1 = ?

Se você gosta de ler contos eróticos o contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.

© 2021 - Contos adultos