website page counter
Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos eróticos de travesti » O prazer de ser fêmea

O prazer de ser fêmea

Publicado em janeiro 18, 2023 por William

Meu nome é William, tenho 22 anos, 1,70m e 65 kgs, pratico musculação e muay thai, tenho um corpo bacana e gosto muito de sexo. Namoro firme há três anos, mas isso não me impede de dar umas puladas de cerca, até porque o curso que estou terminando, de arquitetura, tem uma presença feminina muito grande, e isso facilita muito na hora da farra, ainda mais porque minha namorada está começando um curso de pós-graduação em uma cidade aqui perto, e duas vezes por semana me deixa com a agenda livre.

Além disso, tem um pessoal da faculdade, meus amigos, que curte uma zoeira, e volta e meia estamos visitando um puteiro que existe aqui em minha cidade (Campinas), para dar uma extravasada. E nesse puteiro, que fica em um bairro dedicado ao sexo pago (quem conhece, sabe), tem sempre um rodízio grande de meninas. Mas algo que sempre me deu tesão lá foram as travestis que trabalham no local; sempre me intrigou esse misto de feminino e masculino que elas representam, garotas, algumas muito bonitas, mas com uma arma igual à minha no meio das pernas.

Comecei a trabalhar a ideia de ter uma experiência com uma boneca. De repente, trocar de papeis e experimentar o papel da mulher… Meu pau endurecia só de imaginar essa possibilidade. Opa, será que estava virando gay? Revirava meu íntimo e não encontrava, em hipótese alguma, o desejo de me relacionar afetivamente com homens; de fato, não era isso que me atraía definitivamente. Porém, o lance da experiência me fazia pensar cada vez mais… como seria isso?

Bom, a vida é curta e não é bom passar vontade. Decidi ver o que podia rolar; na pior das hipóteses, pagaria o programa e pularia fora, caso percebesse, na hora, que não seria uma boa ideia se aventurar nessa praia. Fui, então, à busca da parceira que iria me conduzir nesse momento.

Impressionante a quantidade de bonecas acompanhantes, há para todos os gostos mesmo. Mas tinha comigo que, se era para experimentar, teria de ser uma experiência realmente marcante. E aí encontrei em um site a acompanhante ideal para aquilo que idealizava: Bárbara, boneca negra, 1,84m de altura, com um dote de 26 cm; as fotos faziam jus à descrição. Foi minha escolha.

Liguei. Uma voz rouca combinou de me encontrar em um motel. Aproveitei o compromisso de minha namorada com sua pós-graduação e fui ao local marcado. Confesso que, na hora H, tudo parecia uma tremenda loucura; sentia o coração aos pulos, e um suor frio nas palmas das mãos denunciava meu nervosismo. Será que eu precisava fazer aquilo, mesmo? Será que não era hora de deixar a putaria e amadurecer? Bom, não ainda.

Cheguei ao motel primeiro, e Bárbara chegou pouco menos de 10 minutos depois. Ela realmente impressionava: era uma verdadeira “cavala”, alta, com um rosto não muito bonito, mas exótico, pernas longas, coxas grossas e uma bunda farta, realçadas pelo jeans; seria uma mulata do Sargentelli ideal. Beijamo-nos, tomamos uma cerveja para quebrar o gelo e ela, percebendo-me nervoso, veio me descontrair, perguntando-me:

– E você, gostosinho, está perdido na arte?

Contei-lhe, então, as minhas ideias, enquanto tomávamos outra cerveja. E ela, com aquela voz rouca e um sorrisinho bem sem vergonha, me disse:

– Você vai adorar descobrir a fêmea que existe aí dentro, eu garanto. Sabe, eu já peguei muitos boyzinhos como você que achavam que eram machos, até descobrirem que tinham uma fêmea dentro deles. E como eles gostaram disso…

E de repente, ela me puxou e me deu um beijo que tirou meu fôlego. Um calor diferente começou a subir pelo meu corpo, e então percebi como suas mãos eram grandes. É curioso, as travestis, embora com a aparência feminina que possuem, escondem verdadeiros machos em seu interior, e alguns detalhes não permitiam esquecer essa conclusão. Resumindo, estava prestes a me entregar a uma boneca negra, que, na verdade, era um macho negro que, no papel masculino da relação, iria me ensinar a assumir o papel feminino.

Tirei minhas roupas, tomei um banho e fui ao seu encontro na cama. E a partir daí começamos a nos beijar e acariciar, ela de lingerie branca e calcinha, aquelas coxas enormes, seios fartos, e que bunda! Ela me acariciava com aquelas mãos enormes, até tirar minha cueca e pegar meu pau, e começar uma punheta bem devagar; se abaixando até ele, chupou-o delicadamente, dizendo com um sorriso:

– Hoje você vai aprender a gozar sem usar seu pau, vai ver que não precisa usar ele para gozar muito… você quer aprender isso?

Antes que pudesse responder, outro beijo de tirar o fôlego, suas mãos me segurando de um jeito que me começou a me amolecer. Será que era isso que uma mulher sente ao transar, esse sentimento de entrega?, pensava.

Um calor me dominava, estava arrepiado com os toques que a língua da Bárbara dava em minha pele, meu pescoço, minha orelha… queria chupar aqueles seios, mas ela suave e decididamente me forçava para trás, e mordiscava e lambia meu corpo inteiro, beijando meus mamilos ao mesmo tempo que suas mãos acariciavam minhas nádegas. Já tinha transado muitas vezes, mas confesso que nunca havia sentido aquelas sensações. E o que é pior, confesso também que estava adorando-as…

– Você quer ser mulher, né? Dizia ela, e me beijava com força, enfiando sua língua em minha garganta. Você vai adorar…

Nisso ela me virou de bruços e começou a brincar com meu rabo, passando suavemente seus dedos pelo meu rego e pelo meu cu.

– Ai que delícia, que cuzinho rosinha, adoro…

Ouvir aquilo me endoidou de tesão. Mas então ela começou a chupar meu cu, e isso me levou às nuvens! Nunca me tinham feito isso antes, que tesão que isso dá. Comecei a me contorcer e a gemer sem controle, ela já me controlava só com sua língua.

Aí ela se colocou de lado, e sua calcinha revelou um volume descomunal. Pus minha mão sobre sua calcinha, alisando aquele volume, e Bárbara me disse:

– Ele é que vai trazer sua fêmea para fora… você vai aguentar?

Só pude suspirar, quando puxei a peça de lado, liberando aquela tora. Uau! Que sensação indescritível ter um pênis bem ali, ao meu alcance e à minha disposição. Incrível como aquele pau era ameaçador e, ao mesmo tempo, bonito; o membro negro, com uma cabeça vermelha enorme, passava uma imagem de força e masculinidade que imagino que meu pau nunca passou. Ao mesmo tempo, um receio me apareceu; aquele pau era grande demais, poderia fazer um baita estrago. Peguei aquela tora, e ela sobrava em minha mão: pela primeira vez, segurava uma pica que não era a minha; nem podia acreditar.

– Agora é hora da fêmea dar prazer ao seu macho… Bárbara, com um sorriso malicioso, me incitava a chupá-lo. Mas nem precisava disso; aquele pênis tinha um efeito magnético, e logo caí de boca, tentando engoli-lo ao máximo, em um boquete permeado com meus suspiros.

Que delícia! Nunca me imaginei chupando um pau, mas como aquela rola era gostosa… O cheiro forte, o gosto do pré-gozo, tudo me fazia não querer mais tirar aquela rola da boca. Tentava repetir com Bárbara o que eu gostava que me fizessem: fazia um vai e vem bem molhado e segurava sua glande com meus lábios, puxando-o de volta à minha boca com a língua. E o prazer que comecei a sentir ao ver que ela estava gostando me acendeu algo novo; caramba, estava conseguindo excitar um macho! Sentir sua pica endurecer na minha boca deixou meu pau explodindo de duro, sem nem encostar a mão nele.

Depois de algum tempo mamando aquela tora, ela me puxou e me beijou, conduzindo-me com uma firmeza que me fazia sentir uma menina completamente à mercê de seu homem. Ela tinha toda iniciativa. Sentia sua urgência em me levar para a cama, em possuir sua nova presa. Ainda tinha alguns lampejos de receio, pelo passo que estava prestes a dar; era como se algum ponto da consciência me alertasse para não seguir adiante, com receio do que poderia acontecer depois. Mas esses lampejos não duraram muito… cada abraço, cada pegada da Bárbara me deixava mais entregue, mais sem resistência, de uma forma tal que me sentia embriagado sem ter bebido, me sentia em um mundo totalmente diferente, como se eu já não fosse mais eu mesmo, e, por isso, tudo estava valendo!

E entre esses beijos e carícias, a pressão que me fazia fez com que, quando me dei conta, me visse deitado na cama, com ela por cima de mim, seu vulto enorme me dominando, fazendo-me sentir frágil diante dela. Mais um beijo, ao mesmo tempo em que, com uma mão, ela fazia-me levantar o quadril, a fim de colocar um travesseiro por debaixo de mim, empinando minha bunda. Ela não queria perder tempo em me comer, e foi me conduzindo de um jeito que, quando vi, o bote já estava armado.

– Você está pronta, branquinha?

– Não sei… ainda estava atordoado, minha cabeça girava e não fazia ideia do que iria encontrar; tudo aquilo estava me assustando um pouco. De repente, um contato frio no meu rego indicava seus dedos lambuzados com gel lubrificando meu anel, me chamando à realidade do momento:

– Eu vou entrar em você, tá? Relaxa, que, depois que se acostumar, você não vai querer que eu pare mais, eu te garanto…

Logo percebi que ela não me esperaria superar minhas indecisões. O quarto estava à meia-luz, um ambiente aconchegante, mas que não me permitia perceber nitidamente todos os detalhes. Busquei acariciar seus seios, e, quando ela se afastou um pouco para buscar a melhor posição para se colocar, posicionando-se entre minhas pernas entreabertas, pude ver seu pau vergado levemente para cima, imenso, duro como um poste, o que indicava que ela estava gostando de tudo também. E como se estivesse marcando território, ela repousou seu pau por cima do meu, duraço naquela hora, como a me mostrar porque eu tinha de ser a fêmea naquela relação; era impressionante como meu pau ficava pequeno perto daquele mastro, era o dobro do meu! Aquele contraste mostrava uma outra dimensão de masculinidade, e o que estava por vir me deixava cada vez mais atordoado de tesão.

E nisso ela encaixou a glande de seu pau em meu rabo já lubrificado. Não tinha mais como fugir. Suspirei meu receio para ela:

– Vai doer…

Ao que ela respondeu:

– Você não veio aqui para dar esse cuzinho para mim? Então relaxa, que toda menina passa por isso…

Bárbara então começou a esfregar de leve a glande de seu pau em meu anel, brincando em meu rego. Aí se curvou sobre mim, me beijando, e depois sussurrou:

– Eu vou entrar, tá…

De repente, uma dor começou a se intensificar, cada vez mais, e era uma dor incrível. Gemi forte, mas suas mãos seguraram minhas coxas abertas, ao mesmo tempo em que jogava o peso de seu corpo com mais força.

– Aiii… Para, tá doendo, é muito grande… minha voz estava chorosa, pois a dor era realmente grande. Como doía! Mas Bárbara não ligava muito para meus gemidos, preocupada que estava em vencer a resistência de meu anel até então virgem. Era a vontade do macho de foder sua presa.

– Aguenta, branquinha, que já vai passar…

Até que, com um sorriso, me avisou:

– A cabeça já entrou; quer que eu tire?

Ali já não queria mais outra coisa. A dor era muito forte, mas ouvir dela que a cabeça daquele pau havia entrado em meu rabo me deu um prazer indescritível. Não queria mais voltar atrás.

– Não…

Ela foi avançando pouco a pouco, e cada milímetro me rasgava ainda mais, o que fazia que a dor fosse muito forte mesmo. DOR! Até que de repente senti suas bolas em minhas nádegas; tinha entrado tudo dentro de mim. Estava deflorado!

Bárbara ficou um tempo parada, para que meu rabo se acostumasse com aquele volume. Podia sentir seu pau pulsando, e a dor continuava muito grande, como se estivesse literalmente rasgado ao meio. Ao mesmo tempo, ela me pegou pela nuca e me beijou, enfiando sua língua em minha garganta, enquanto seu peso se apoiava todo sobre mim.

– Viu, estou toda dentro de você, branquinha… você agora é mulher, minha menina…

Meu fôlego encurtou; sentia-me preenchido de um jeito que nunca senti. Meu corpo tremia de arrepios, um misto de dor e prazer que não conhecia; cada centímetro de minha pele parecia de repente dotado de uma sensibilidade extrema. Fechei os olhos sentido aquelas sensações variadas, uma mais prazerosa do que a outra, ao mesmo tempo em que pensamentos conflitantes vinham em minha mente: eu, homem, com um pau atolado em minha bunda, e gostando disso! Mas Bárbara logo impôs:

– Olha para o macho que está te fazendo mulher, branquinha…

Olhei para ela, sem respirar, sentindo aquele mastro que começou a entrar e sair de mim devagar, queimando meu anel, rasgando-me cada vez mais a cada estocada, enquanto eu tentava acomodar aquela jeba dentro de meu rabo até então virgem. Cada movimento daquele pau entrando e saindo de mim doía demais, mas ao mesmo tempo era algo que, nunca pensei que diria, era muito gostoso. Seus movimentos eram ritmados, sem pressa, mas firmes e inalteráveis; ela deve ter percebido o prazer em meus olhos, e sorria enquanto me comia. Ela tirava o pau até quase sair a cabeça, para depois enfiá-lo novamente, devagar, o que me fazia quase perder os sentidos de tanto tesão. Quantas vezes fiz isso com minhas namoradas; agora, contudo, era eu quem estava recebendo aquela tora, eu que era penetrado como uma fêmea.

Isso começou a me fazer sentir-me como uma mulher gostosa, dando prazer ao seu macho; tanto que, embora gemendo naquela tora, enlacei sua cintura com minhas pernas enquanto a abraçava, o que acabou permitindo que seu pau afundasse totalmente dentro de mim.

– Tá gostando, né?

Estava desvairado de tesão, não conseguia mais disfarçar isso.

– Ah que bumbunzinho guloso, vou comer muito esse rabinho hoje…

E o pau começou a entrar e sair com mais velocidade, me penetrando, me alargando, me submetendo à virilidade de Bárbara. Que delícia! Nunca poderia imaginar que seria tão gostosa essa sensação, que mistura o prazer físico – o pau entrando e saindo, sua fricção, o toque nas partes sensíveis de meu reto – com o prazer emocional, pois só a sensação de submissão, de ser a fêmea já me fazia tremer de prazer.

De repente, Bárbara tirou seu pau de mim, e me fez virar sobre a cama, me deixando de bruços; de novo, o travesseiro veio por debaixo de mim, desta vez de modo a deixar minha bunda bem empinada e indefesa, totalmente exposta.

– Você vai adorar dar pra mim desse jeito…

Eu já não falava mais nada, só obedecia e gemia, completamente desvairado de prazer. Agora já me sentia uma verdadeira puta, e só queria ser cada vez mais puta nesse momento. Então ela veio por cima de mim novamente, e, com suas pernas, forçava as minhas a ficarem fechadas. E foi assim que me penetrou de novo, enfiando tudo de uma vez só.

Gritei de dor quando aquele mastro forçou seu caminho para dentro de mim, o que a fez comentar com malícia:

– Ah, que rabinho apertado… geme no pau de seu macho, branquinha, que eu não vou parar de foder essa bundinha não…

E ela começou a bombar com mais intensidade, enquanto eu ficava completamente imóvel debaixo daquele corpanzil. Dava pra sentir bem o instinto de macho que ainda existia na Bárbara, a única coisa que a interessava era minha bunda, que ela fodia sem dó. Mas também, a única coisa que me interessava naquela hora era aquela rola dura entrando e saindo de mim.

– Você está gostando, né? Você gosta de rola, não gosta? Bárbara sabia provocar enquanto metia, e eu estava adorando ouvir aquilo tudo.

– Ai, que pau gostoso… me come, não para…

Como resposta às suas provocações, comecei a empinar ainda mais a minha bunda, deixando-a bem oferecida à Bárbara. Ela percebeu que já tinha me dominado, e continuou a enfiar seu pau cada vez mais fundo dentro de mim, agarrando e separando minhas nádegas com aquelas mãos enormes. E que pegada ela tinha! Ela realmente me dominava, a foda tinha que ser do jeito dela.

– Dá essa bunda pra mim, branquinha, dá…

– Me fode, mais… aiii…

Nessa hora meu corpo começou a ter reações que eu não conhecia, era um tesão indescritível. E nesse momento, sem me tocar, comecei a sentir uma sensação que não saberia explicar com precisão: de repente, um calor subiu em mim, e a sensibilidade de meu corpo ficou tão aflorada que qualquer toque que sentia me fazia estremecer. Ao mesmo tempo, uma pressão em meu ventre e em meus testículos começou a aumentar, e percebi que era o maior orgasmo que já havia tido até então. Meu pau estava explodindo de duro, e, sem encostar a mão nele, gozei de um jeito que nunca tinha gozado antes. Gritei muito alto, sem me conter:

– Aiii, estou gozando, aiiiii…!!!

Bárbara bufou, bombando com mais força, enquanto dizia:

– Goza, puta, goza com meu pau, goza…

Eu não sei explicar como, mas aquele orgasmo não terminava. Talvez fosse um orgasmo múltiplo de que as mulheres tanto costumam comentar, não sei, mas era um orgasmo anal! Que delícia! E saber que estava gozando com um pau atolado em mim, como uma mulher, foi o passo final para perder todas as estribeiras; rebolava, jogando minha bunda contra o pau de Bárbara, enquanto mordia os lençóis para tentar me conter. Queria chorar e gritar, mas só conseguia gemer e me contorcer. Minhas pernas tremiam, e cada toque de Bárbara disparava nova onda de tremores e de prazer, ao mesmo tempo em que meu pau não parava de verter porra. Simplesmente não controlava mais o meu corpo.

Ali descobri o que era desfalecer de prazer. Mas nem tive tempo de me recompor, pois Bárbara, de forma rude, agarrou com força meus quadris, acelerou seus movimentos e, enterrando fundo seu pau, gozou dentro de mim. Recebendo os jatos de seu esperma no fundo de meu rabo, de novo senti-me amolecer da cabeça aos pés, sem conseguir articular palavras; gemia, enquanto meu pau ainda vazava porra em um orgasmo que não parecia mais ter fim. Aquele líquido quente dentro de mim, preenchendo meu ser, explodiu com os últimos sinais de racionalidade e controle que ainda tinha.

Bárbara desabou por cima de mim, envolvendo-me com seu peso, enquanto seu pau permanecia em meu rabo, imóvel. Sentia seu leite espalhando-se por minhas entranhas, sua semente plantada em mim. Eu só conseguia ofegar, aconchegado debaixo daquele corpo enorme, sem parar de tremer.

Caralho, o que tinha sido aquilo? Sabia que carregava o sêmen de outro homem dentro de mim, algo que nunca havia sequer cogitado em minha vida, mas a única coisa que eu não queria naquele momento era que aquela rola saísse de mim. Como ia imaginar que ficaria tão derretido por causa daquele pau imenso? O fato é que nunca podia imaginar que o sexo possibilitava tanto prazer como eu havia sentido naquela noite. Será que era assim que as mulheres se sentiam? Não sei, mas para mim bastou perceber que tinha sido o melhor e mais intenso sexo de minha vida, a melhor foda que já tive, e isso sendo a fêmea da relação. Rebolar naquela rola foi tudo de bom!

– Não falei que você ia gozar sem usar seu pau?

Não conseguia falar nada; apenas virei-me de frente para Bárbara, com seu pau ainda dentro de mim, envolvi sua cintura com minhas pernas, a abracei com força e puxei seu rosto com minhas mãos, beijando-a com sofreguidão, como faria uma menina apaixonada pelo homem que a desvirginou. De repente, senti uma necessidade urgente de fazê-la perceber o quanto havia adorado seu sexo, de mostrá-la como seu pau havia me conquistado, o quanto queria retribuir todo o prazer e tesão que ela me deu.

Ela me abraçou fortemente, nossas línguas se enroscavam em um beijo sem fôlego e sem fim, estávamos tão unidos que parecíamos um corpo só.

De repente, ela riu baixinho:

– Você vai contar para sua namorada que aprendeu a gozar igual a uma mulher? Traz ela aqui para dividir isso com ela…

Com meu peito e minha barriga ainda melados com minha porra, me lembrando como havia gozado gostoso sendo enrabado sem dó, ouvi a sugestão e pensei: sabe que não seria má ideia?

Leia outros Contos eróticos de travesti bem excitantes abaixo:

Travesti me comeu depois de eu comer ela

Como eu perdi a virgindade com uma trans

11818 views

Contos Eróticos relacionados

Minha surpreendente madrasta trans

Meus pais estavam se separando, meu pai tinha traído minha mãe, os dois se separaram, não entendia muito a história, até mais ou menos no final de 2019 ele começar a namorar outra mulher, uma...

LER CONTO

Comendo a magrela

Talita eh uma morena magrela muito tímida e comportada, ela vai visitar a prima em cascavel pra se divertir Talita chega no sábado e Karina e ela passam o dia se arrumando e falando besteira. ...

LER CONTO

Meu melhor amigo travesti (Parte 1)

Me chamo Alesandro e tudo aconteceu em janeiro de 2019, nas férias da faculdade e, até então, com meu melhor amigo, o Eduardo que é 4 meses mais velho que eu, ele nasceu em em junho de 2000 e eu...

LER CONTO

Acabei transando, ele me viu de calcinha e me curtiu!

Eu sou CD e resido em uma casa em uma pequena cidade da região metropolitana da capital do meu Estado,  eu moro sozinho porque alugo a casa, sou cabeleireiro e barbeiro. O portão da frente da...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 3 + 3 = ?
ContosAdultos.Club - O seu site de Contos Eróticos
Se você gosta de ler contos eróticos ou contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.
© 2023 - Contos adultos