Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos eróticos verídicos » O EMPRÉSTIMO – PARTE VIII

O EMPRÉSTIMO – PARTE VIII

Publicado em abril 4, 2021 por Ricardo

VIII
27/01
Essa semana tinha compromisso e seria no fim de semana, não aguentei, na quarta-feira passei um zap dizendo que iria jantar na casa deles, e levaria o jantar. E contaria a má notícia a ela. Antes das 20 horas estava lá. O Fabrício me recebeu, entrei e entreguei duas sacolas e uma garrafa de vinho a ele. Ele diz que a Soraia estava terminando de se arrumar. Não demorou nem dois minutos e a porta do quarto abre. Soraia saí com um shortinho de couro e top negro, cabo de cavalo e salto alto. Caminha sensualmente em minha direção, me dá um beijo delicioso e demorado, nos abraçamos.

O Fabrício pergunta quando iremos comer. Paramos o beijo e disse para ele abrir o vinho e arrumar a mesa, que então iriamos lá na cozinha. Voltamos a nos beijar e ele foi arrumar a mesa para nós. Quando ele voltou estávamos no mesmo lugar, só o top dela que estava levantado e eu mamando seus peitos. Paramos e fomos jantar. Eu fiquei na ponta da mesa, a Soraia do meu lado esquerdo e o Fabrício do lado direito, não falou nada durante o jantar. Expliquei a ela que teria de ir a um encontro com empresários, tentaria fechar um contrato com eles. Viajo no sábado de manhã e o retorno será segunda ou terça-feira.

Continua depois da publicidade

Ela não gostou. Terminamos o jantar, o Fabrício disse que lava a louça, e fomos nós dois para a sala namorar. Logo o Fabrício chega, senta na poltrona, próxima do sofá onde estamos namorando. Liga a tv, desliga a luz e faz de conta que não está nos vendo. Ela está deitada sobre mim, beijando e esfregando em mim. Os peitos estão de fora a mundo tempo, agora seu short está aberto e minha mão acaricia sua buceta. Ela excita meu cacete com a perna enquanto passa sua mão em meu corpo. Ela não aguentando desce e tira minha bermuda deixando o mastro em pé, segurando com as duas mãos e passa a língua pelo cacete todo.

Engole a cabeça e faz pressão com a boca e passa a língua. Vai engolindo pouco a pouco, sobe e desce várias vezes. Tira da boca, levanta, tira o short, deita sobre mim num 69. Minha buceta preferida está na minha boca. Maravilha, a Soraia deitada sobre mim mamando meu cacete, e chupando aquela bucetinha branquinha, e todo seu corpo para sentir seu calor. O Fabrício ao lado assistindo tudo a cores e ao vivo, em silêncio. Quando ela pôs meu cacete no ponto, trocou de posição comigo. Deitou de barriga no sofá, levantou a bundinha. meti a cabeça, segurei sua cintura e entrei rasgando, entra, saí, entra, saí. Ela gemendo e pedindo mais. Acalmei um pouco, ela olha para mim, já entendi o que ela queria. Fiz sinal para ela e voltei a meter. Ela com voz manhosa chama e estica o braço para o marido. Ele segura sua mão e ela puxa ele, pede para ele chegar perto dela, levanta e se aproxima dela. Ela segura sua bermuda e abre, tirando o pinto meia bomba dele.

Até que hoje se mostrou mais animado. Ela começa a punhetar o pinto dele e depois mama. Ele olhando eu meter na buceta da Soraia, sua esposa. Ela é demais, conseguiu levantar o pinto do marido. Ela para, tira da boca, olha para o pinto, vira para mim e pede se ele pode comer ela hoje. Paro de meter, faço cara de contrariado e digo só se for de camisinha. Ele vai pegar, volta, encapa e vai atrás dela. Começa a meter, mas o pinto dele é bem menor que o meu. Eu de sacanagem fico atrás dele e começo a falar que ela gosta mais forte, para ele fazer mais força. Começo a passar as mãos sobre suas costas, falando para ir forte. E ele tentando. Encosto meu corpo ao dele, passo meus braços sob os deles, aperto seus bicos e falo em seu ouvido para enterrar tudo.

Continua depois da publicidade

Passo a língua em sua orelha, é quando ele força e goza. O Soraia solta um gemidinho xoxo. Passo as mãos em seus braços e falo em seu ouvido você conseguiu. Ele dá um sorriso, saí de trás dela, que continua de quatro, passa a mão boba no meu cacete ainda duro. Volto a brincar naquela buceta molhada que tanto prazer me dá. Fabrício tira a camisinha e joga no banheiro. Voltei a meter na bucetinha deliciosa da Soraia. O Fabrício volta e avisa que amanhã é quinta-feira, que é melhor irmos para o quarto. A Soraia, sorridente, saí do meu cacete, levanta num pulinho pega meu cacete e me leva para o quarto.

Entramos nos beijando, ele me empurra para a cama e sobe em cima, engata, ela está por cima. Seu corpo ereto, seus braços segurando o cabelo, a felicidade estampada em seu rosto, enquanto sobe e desce no cacete. Ela gozou duas vezes no meu cacete, mas não deixou eu gozar. Ela saí de cima meu cacete está em 220v. Ela olha para ele segura firme e olha para mim toda poderosa. Cai de beijos em minha boca, grudamos, ficamos nos apertando e beijando bastante tempo. Ela deita ao meu lado, bundinha me chamando, vou chupar a buceta e o cu que tanto amo. Deixo sua buceta como uma lagoa de bom tamanho, meto o cacete, só para molhar.

Depois de umas quatro e cinco metidas tiro o cacete, ela empina um pouco mais e, com as mãos, mostra o cuzinho piscando. Enfio a cabeça e paro. Ela assopra, respira fundo e recua. Começa a engolir o cacete pelo cu. Fico parado só parado, vendo ela puxando para dentro. Ela se contorce e puxa meu cacete para preenchê-la. Decido ajudá-la, deito sobre ela, aperto seus seios e começo a socar, entra e saí, vai e vem, cada vez mais forte e mais fundo. Ela morde o travesseiro, segura firme nos pés da cama, geme entrecortado. E eu metendo até o talo. De repente a porta do quarto abre e o Fabrício entra falando que estamos fazendo muito barulho, já é tarde. Estávamos balançando a cama fazendo ela bater na parede. Sem falar nada descemos da cama, e continuamos no chão. Ela de cara no chão e bunda levantada, eu montado nela com o cacete fodendo seu cu, e o Fabrício assistindo da porta. Não demorou muito, gozamos juntos. E ela fala junto comigo:
– Gozei.

Demos muitas risadas. deitamos na cama, agarradinhos. Disse para o Fabrício que hoje tinha um lugar para ele dormir conosco. Ele agradeceu, pegou um lençol e deitou num canto da cama e nós dois dormimos, gozados, de conchinha. Acordamos primeiro e começamos a namorar, depois de uns quinze minutos o Fabrício acordou. A Soraia disse para ele preparar o café da manhã que iríamos tomar banho, ela saiu da cama, agarrou meu cacete e me levou para o banheiro. Lá a rotina, ela sentou no sanitário, enquanto fez xixi fiquei em pé a sua para ele mamar meu cacete. depois me levou para o chuveiro, tomou meu leite matinal e toda elétrica, quando ela começa a menstruar.

Enquanto tomamos café o Fabrício tomou banho. Então disse para ela que essa menstruação venho a calar, já que não estarei por aqui. E fomos trabalhar, saímos de mãos dadas, esperando o Fabrício tirar o seu carro, então demos um beijo e ela entrou no carro deles e foram para trabalhar e eu fui trabalhar no meu. Ao entrar no carro que tinha duas vizinhas com vassouras na mão conversando e olhando para nós.

844 views

Contos relacionados

A nossa segunda experiência!

Antes de iniciar esse conto, recomendo que leiam o conto anterior chamado “ A nossa primeira experiência”, disponível nesse site, o que seria bom para que pudessem compreender a essência da...

LER CONTO

Casal Safado – Apresentação

Casal Safado- Apresentação Eu tive muita sorte em encontrar a mulher com quem eu casei. Ela é linda, divertida, companheira. Toda meiga, delicada e educada, mas na hora da cama ela gosta de...

LER CONTO

Como presente de aniversário, ganhei uma noitada com dois.

Olá, meu nome e Ligia, tenho 27 anos, 1.65 de altura, sou morena de pele clara, seios e quadril grandes, minha aventura de hoje aconteceu no dia do meu aniversário, minhas amigas queriam sair para...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 1 + 1 = ?

Se você gosta de ler contos eróticos o contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.

© 2021 - Contos adultos