website page counter
Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos eróticos gay » JOGADOR PROFISSIONAL E CORNO

JOGADOR PROFISSIONAL E CORNO

Publicado em novembro 13, 2022 por LINARDO

Hoje sou um jogador profissional de um time que vou ser obrigado a ocultar o nome. Sou casado, sei que sou chifrudo devido as minhas constantes viagens, mas também ainda gosto de me relacionar com outros homens. Muito novo, comecei a ter experiência sexual com meu primo fazendo troca-troca. Pra poder comer o cuzinho dele, também tinha que deixá-lo comer o meu… Mas era doido pra comer uma prima, mas nunca rolava. Viciado em jogar bola acabei sendo aprovado pra fazer parte do time sub-17. E como morava no interior, passei praticamente a morar; junto com outros garotos, no alojamento do clube e matriculado em um colégio estadual próximo do clube. Depois de treinos e jogos, no vestiário eu acabava admirando algumas bundinhas e algumas pirocas dos meus colegas, mas fui aprendendo a me controlar pra não ficar excitado. No alojamento os quartos eram duplos, e normalmente era normal trocarmos de roupas um na frente do outro. Meu companheiro de quarto foi trocado e passei a ficar junto com um dos goleiros: Jairo que era o maior de todos; magro com 1,75m. Logo nos primeiros dias, como no quarto o banheiro era apenas vaso e uma pequena pia, fomos tomar banho antes de dormir (banheiro pra banho era coletivo) e chegamos juntos no quarto enrolados em toalhas. Jairo tirou a toalha e deitou na sua cama peladão e começou a mexer no seu pau com a mão.

– Porra Vitor, ando sentindo falta da minha ex-namorada!

 

Olhei pro seu pau que começava a crescer.

– Como assim, ex?

– Terminamos antes de eu vir pra cá!

Fiquei quieto e ele me perguntou se eu tinha namorada. Resolvi mentir dizendo que também tinha terminado com uma namorada. Foi quando ele me perguntou se a gente chegou a fazer sexo. Lembrando das troca-trocas que eu fazia com meu primo, disse que só na bundinha. Ele já estava com o pau bastante duro… uns 18cm.

– A minha também gostava de dar a bundinha, e quando eu vejo a sua, me lembro muito dela.

– A minha bunda?

– É Vitor, você tem uma bundinha muito parecida com a dela.

Eu já estava de short de pijama e sem camisa, também comecei a ficar de pau duro. Jairo percebendo.

– Também tá sentindo falta, não é?

Não podia dizer que era meu primo e não nenhuma namorada. Confirmei e ele acabou me fazendo um pedido muito estranho. Me perguntou se eu não queria deitar com ele, pra pelo menos a gente ter o prazer de sentir o contato de outro corpo e imaginar nossas ex-namoradas.

– Mas isso é muito estranho Jairo!

– É só pra gente ficar um pouco abraçadinhos… Ninguém precisa ficar sabendo!

De repente comecei realmente a sentir falta do meu primo, e custei a aceitar aquele pedido. Mas quando fui me deitar.

– Não quer ficar pelado também?

– Epa! Não sou viado não!…

– Eu também não… É só um pouco de carinho, não quer?

Tirei meu short e com o pau também duríssimo, deitei do seu lado e ele logo foi passando o braço por baixo do meu pescoço, me puxando num abraço. Nisso, por eu ser mais baixo que ele, meu pau duro ficou encostando na sua barriga e o dele ficou encostando na minha perna. Ele com o rosto muito próximo do meu.

– Eu gostava de ficar abraçadinho assim com ela.

– É? Os dois pelados?…

Ele me deu um beijo rápido no rosto.

– Peladinhos! Ela só não ficava encostando um pau duro em mim…. KKkkkkkk!

Meu coração batia acelerado, e acabei levando a mão e segurando seu pau.

– Mas você também está encostando seu pau em mim!…

– Que tal a gente beijar na boca? – Me perguntou.

– Que isso Jairo? Tá louco é?

– Queria poder matar a saudade dos beijos dela.

– Tá bom, mas só encostar, ok?

Ele encostou seus lábios nos meus bem de leve, me perguntando depois.

– Que tal?

– É estranho, mas não é ruim não!…

Deu mais um beijinho, mais outro e por fim segurando-me pela nuca lascou um beijo na minha boca tão ardente que voltei a segurar seu pau duro, e ele parando de me beijar pra sussurrar no meu ouvido.

– Deixa eu botar na sua bunda, deixa?

– Mas eu não sou gay, só fiz troca-troca com outro garoto.

Mas como eu continuava segurando seu pau, Jairo aproveitou daquela situação me mandando ficar de quatro. Obedeci, e ele botou a boca sobre meu cuzinho, passou um pouco a ponta da língua salivou bastante pra em seguida encostar seu pau e começar a forçar. Quando senti entrando comecei a gemer baixinho pra ninguém ouvir. Ardeu um pouco, e quando senti seus pentelhos encostando na minha bunda ele rapidamente começou a bombar fazendo sua virilha bater na minha bunda.

– Que bunda gostosa Vitor… Hhhhhaaaaaa! Hhhhhaaaaaa!!!!…

Estava tão gostoso dar a bunda que comecei a sentir que ia gozar sem nem mesmo colocar a mão no meu pau. Puxei rapidamente uma toalha colocando embaixo do meu corpo e voltei a curtir aquele pau indo e vindo dentro do meu cuzinho, até ele me abraçar arriando seu corpo sobre minhas costas e com seu pau todo dentro.

– Vou gozar Vitor! Huuuuummmmm! Huuuummmmm!…

Assim que senti ele despejando sua porra dentro do meu rabo, comecei também a gozar sobre a toalha. Corri pro pequeno banheiro sentando no vaso e depois lavei a bunda ali mesmo na pia. Como Jairo não quis fazer troca-troca, só era ativo, me disse que ia tentar resolver o meu problema. Dois dias depois veio me falar que o Romeu, o ponta direita do nosso time também curtia dar a bundinha e que ele a noite ia aparecer no nosso quarto. Romeu era bem baixinho e logo me veio a figura dele pelado no vestiário… Ele tinha uma bundinha bem interessante. Romeu já chegou sabendo de tudo e assim que Jairo ficou pelado foi logo mamando na pica dele, e Jairo me autorizou meter na bundinha do Romeu. Romeu chupando a pica do Jairo e eu socando bem gostoso no seu cuzinho. Mas quando Romeu voltou pro quarto dele, Jairo novamente de pau duro meteu também bem gostoso no meu cuzinho. Eu e Jairo, muitas vezes ficávamos deitados a noite em apenas uma das camas, pelados e acariciando um ao outro até ele meter no meu rabo, quase sempre de quatro. Muitas vezes Romeu aparecia e a gente chegava até a fazer trenzinho: eu metendo no cu do Romeu e Jairo no meu. Muitas vezes deitava junto com Jairo e ficava fazendo carinho no seu pau até deixa-lo duro pra ele me foder. Mais uma vez pelados em uma das camas com Jairo beijando minha boca e eu segurando seu pau, lembrando de como Romeu gostava de chupar a pica do Jairo, de repente senti vontade de experimentar e fui até encostar minha boca na ponta da pica.

– Quer chupar Vitor?…

– Nunca chupei!…

– Tenta, vai!…

Abri a boca e colocando só a cabeça comecei a chupar e lamber como via o Romeu fazendo… Rapidamente já estava engolindo um bom pedaço e deslisando minha boca pra baixo e pra cima. Jairo gemendo e segurando minha cabeça soltou um jato forte de porra dentro da minha boca que acabei engolindo, e quando ia tirar a boca resolvi não deixar cair nada sobre o lençol e continuei chupando e engolindo cada gota de porra que saia… Além de dar a bunda, passei também a chupar o pau do Jairo. Meses depois Jairo saiu do time pra ir tentar a sorte em outra cidade, e, pra minha sorte veio ficar comigo um moreno forte que nem touro. Sozinhos no quarto normalmente procurava ficar pelado e deixando ficar olhando pra minha bunda toda lisinha. Até o dia que vendo o volume no seu short.

– Ei Carlinhos; tá de pau duro, é?

– Desculpa Vitor, é que assim sozinho com você não estou conseguindo me controlar.

Era a deixa pra eu conseguir o que queria. De costas fui aproximando minha bunda perto dele.

– Quer passar a mão na minha bunda, quer?

– Posso mesmo?

– É só não contar pra ninguém, combinado?

Ele passando a mão nas minhas nádegas, virei meu rosto.

– Deixa eu ver como está seu pau, deixa?

Carlinhos baixou o short deixando eu ver seu bilau que já tinha visto algumas vezes no vestiário, mas nunca duro daquele jeito. Me ajoelhei entre seus pernas e segurando aquele bilau que era um pouco grosso… Dei uma mamada bem rápida, só pra deixar bem molhado e olhando pra cara do Carlos que estava um pouco assustado.

– Se quiser comer minha bunda, eu deixo!…

Fiquei de quatro e logo Carlinho estava socando no meu cuzinho bem gostoso. Depois do Carlinho ainda encontrei outros que topavam troca-troca ou apenas queriam comer uma bunda. Como jogador de futebol tem muita facilidade em arrumar namoradas, acabei engravidando uma menina e nos casamos. Indo pro time profissional e passando a viajar muitas vezes pra longe, autorizei meu irmão que era bem mais velho do que eu, não deixar faltar nada pra minha esposa enquanto eu estivesse ausente. Hoje eu sei que meu irmão transa com minha esposa, mas fico tranquilo já que está tudo entre família. Também sempre estou procurando entre meus companheiros de time, um macho pra me enrabar.

9207 views

Contos Eróticos relacionados

A primeira vez na facul

Olá me chamo Vinícius, tenho 25 anos, 1,75 de altura e branco. Durante minha vida, tive algumas aventuras sexuais diversas, que tentarei contar aqui, mas por agora, falarei um pouco sobre minha...

LER CONTO

Fui pedir um orçamento e acabei cheio de porra – parte 2

Finalmente chegou o tão esperado dia, sábado! No dia anterior o Diego havia me mandado mensagem que chegaria as 9h e pediu para eu providenciar um café e confirmei que tudo bem. As 9h em...

LER CONTO

UM DESCONHECIDO COMEU O MEU CU DENTRO DE UM ÔNIBUS LOTADO

Olá a todos. Esta história que passo a contar agora ACONTECEU QUANDO EU TINHA 18 ANOS e estava retornando de ônibus para casa, vindo da praia. Meu nome é lauro, moro no RJ, sou branco, tenho 55...

LER CONTO

Amizade colorida

O Léo foi o meu primeiro namorado na adolescência, e começamos a ficar mais íntimos quando eu tinha 17 anos e ele 18. Estudávamos na mesma sala no segundo grau, e ele era um dos colegas que eu...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 4 + 4 = ?
ContosAdultos.Club - O seu site de Contos Eróticos
Se você gosta de ler contos eróticos ou contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.
© 2022 - Contos adultos