Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de fetiche » Voyeurismo: Uma gozada exemplar

Voyeurismo: Uma gozada exemplar

Publicado em maio 23, 2020 por Manuella

   Do seu membro rijo escorria uma gota transparente de excitação, iluminando a ponta rosada e grossa. Era assim que Arthur ficava – duro como pedra – ao ver sua amada regozijando-se em volúpia. Maria, nome de santa e assim era até encontrá-lo, fazia doce e negava a fruta quando o clima tornava-se forte, mas agora a santa Maria ficava no passado e dava lugar a sua devassa personalidade, que não impunha de limites para se satisfazer. E ali sentado, com o pau ereto em mãos, Arthur olhava outro homem despir sua amante. O outro beijava com ternura os mamilos entumecidos, massageava os pequenos seios com maestria e ás vezes apertava entre os dedos as mamas escurecidas. Não era apenas o pau de Arthur que salivava, sua boca também. Maria ajoelhava-se para o estranho, acariciava com a face a masculinidade ereta dele e logo se pôs a lamber a glande úmida enquanto ainda olhava nos olhos do seu amor. O gemido rouco ecoou das três pessoas no quarto, ambos extasiados.

   Seu finos lábios deslizaram molhados pelo pau, engolindo-o completamente. Arthur parou de repente o movimento em seu extenso pênis, estava quase chegando ao limite apenas vendo-a, em protesto seu membro pulsou querendo mais da atenção que recebia. Com o outro deitado em sua cama, Maria subiu dando a visão de suas redondas e firmes nádegas para Arthur. Ela se abriu, completamente exposta a um homem desconhecido e isso somente lhe excitou mais. A base dura cutucava sua fenda molhada, a boceta entumecida tinha seu mel escorrendo até as coxas, com lentidão ela sentou fundo no pau do homem. Mordendo seus lábios, Maria tentou reprimir um gemido. O pau dele estava inteiramente enterrado nela, os cabelos castanhos tapava-lhe as costas, com um brilho ferino no olhar, ela olhou para Arthur que a devorava mentalmente.

Continua depois da publicidade

   O quadril de Maria mexia-se como uma onda, o membro grosso deslizava com facilidade dentro da carne molhada. O estranho segurou com força a bunda arrebitada e arreganhou sua nádegas, dando a Arthur a visão do inquieto cuzinho que se contraía a cada estocada. Ela clamava para que ele fosse mais fundo e ele a chamava de putinha gostosa, estavam delirantes no tesão que emanava do quarto. O estranho sabia que logo chegaria ao seu limite, e por isso desejou um nova posição, empurrou Maria de cima do seu pau e puxando-a pela cabeleira a jogou na cama. Sua bundinha logo se empinou, as coxas afastaram-se mostrando a boceta vermelha e inchada. Arthur e ele admiravam o quão bonita Maria ficava de quatro. O membro lustroso entrou sem piedade nela, afundou-se até suas bolas baterem contra a xoxota quente, Maria deixou um urro escapar de seus doces lábios. A bocetinha assanhada, quase gozava quando os testículos cheios batiam em seu ponto mais sensível.

   –Puta. Gostosa. Safada. – esses eram os adjetivos no qual o outro gemia loucamente, sentia seu caralho cada vez mais molhado e quase se derretia quando as paredes dela lhe apertavam.

   Duas estocadas fortes bastaram para Maria ir para os céus, a pressão em seu ventre cresceu e desceu até seu botão inchado, que agora emitia ondas de volúpia para o resto do seu corpo. Estremeceu com a respiração presa, sentindo seu gozo descer sob o pau daquele homem. Não demorou para o desconhecido chegar ao seu clímax, suas pernas tremeram despejando sua semente, e não satisfeito ele empurrou sua porra mais fundo para não desperdiçar uma gota do seu leite. Um pouco flácido agora, ele se retirou e entre a fenda rosada Arthur viu um ponto branco surgir e escorrer até as coxas de pêssego. Farto de esperar e sentindo que seu pau poderia explodir, Arthur levantou abrupto e lambeu a porra da boceta, o gosto dela misturado ao de um estranho era extraordinário, sua língua impiedosa lambuzava-se nos fluídos quentes. Bateu seu membro contra a xoxota, reivindicando o que era seu. Maria ainda ofegava tentando se recuperar do estarrecido orgasmo, contudo não houve piedade e nem descanso. O pau aflito lhe rasgou profundo, ela reconheceu o membro e instintivamente rebolou, “porra” murmurou rouco esforçando-se ao máximo para não gozar. Os gemidos altos dela foram abafados com um pau borrachudo enfiado em sua goela, o estranho precisava de um tempo para se recuperar do forte gozo, mas não se deixou ficar de lado, afinal tinha alguns brinquedos para serem usados.

Continua depois da publicidade

   Observou o ânus piscando de desejo, cuspiu no orifício e retirou seu caralho da boceta para entrar naquele lugar apertado Maria cravou com força suas unhas no lençol até o nós de seus dedos ficarem brancos. O falso falo a sufocava, ela babava como um animal raivoso enquanto suas narinas dilatavam em busca de ar. Seus olhos tornaram-se brancos ao sentir seu cu ser violado. Ainda socando o consolo em sua garganta, o desconhecido beliscou o volumoso clitóris. Logo o pequeno corpo de Maria começou a desmoronar, a boceta se apertou despejando novamente seu deleite, Arthur continuou com as impiedosas estocadas até seu cacete derramar toda a porra contida no cuzinho apertado.

   As aventuras de Maria não acabariam ali.

1774 views

Contos relacionados

Minha primeira fantasia e perdendo a virgindade do meu cuzinho

Olá meu nome é Ariel e venho contar pra vocês como foi usar fantasia com meu marido. Sou loira cabelo grande e enrolado tenho peitos pequenos porém lindos e uma bunda maravilhosa tenho 19 aninhos...

LER CONTO

Trepando com 2 vizinhos e o corno olhando

Olà eu sou karen 19 anos casada com o cara dos meus sonhos, me faz muito feliz e realiza todas as minhas fantasia e eu as dele,não nos rotulamos e nem temos limites quando o assunto é sexo/prazer. ...

LER CONTO

Comi a amiga da minha sogra

Comi a amiga da minha sogra. É tive que comer aquele bucetao e aquele cu . Ju era uma morena de mais o menos 1,70 de altura cabelos pretos um pouquinho cheinha rsss.mas eu queria lhe arregaçar...

LER CONTO

Comi o cu das minhas duas primas juntas

Foi a maior experiência sexual . Agora relato a vocês com detalhe Minhas duas primas moravam em uma cidade vizinha próxima a minha 30 minutos apenas Duas irmãs loiras uma estatura de 1,70...

LER CONTO

Minha vizinha me levou a ser rapariga do asfalto

Eu tenho 40 anos mas ainda sou bem conservada e minha vizinha tem 38 e muito bonita... Ela me chamou para irmos fazer ponto em uma avenida que os garotos e garotas de programa costumam ganhar dinheiro...

LER CONTO

FOTOS VOYEURS DE GOSTOSAS DE PERNAMBUCO.

Bom dia a todos os amigos que adoram fotos e filmes voyeur. Tenho o maior fetiche e o maior tesão quando vejo mulheres simples nas ruas, shoppings e praias daqui do Estado de Pernambuco. As mulheres...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 4 + 3 = ?

Se você gosta de ler contos eróticos o contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.

© 2020 - Contos adultos