Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de fetiche » Velas e Desejo

Velas e Desejo

Publicado em julho 19, 2019 por Carioca

Há coisas que apenas a vida desportiva consegue proporcionar. Costumava ir a uma área de saltos que era uma viagem de hora e meia de onde morava, por conta da distância e da necessidade de acordar cedo para saltar acabava sempre dormindo fora de casa. Acabei conhecendo Isabel e António através de um anúncio procurando pela proximidade das cidades ao redor da área de salto. A primeira vez que nos encontramos convidaram-me para ir jantar a casa deles em um sábado. A casa deles típica linda casa do interior com os espaços externos e piscina. Ao chegar António pediu para parar o carro dentro da garagem da casa para não dar bandeira na rua “sabe como é interior!” disse ele. Ao entrar na casa pude sentir o aroma de velas aromatizadas queimando, luz baixa para que o clima de luz velas fosse intenso. Percebi logo que muito cuidado e pensamento foram colocados naquele ambiente.

Isabel saiu da copa e veio em minha direção me cumprimentar. Ela É uma mulher branca cabelos morenos na altura do pescoço olhos castanhos escuros sorriso contagiante e um corpo lindo. Seus seios de tamanho médio duros a apontar para o céu e suas nádegas bem torneadas no conjunto com a perna nada musculoso mas um conjunto espectacular e muito excitante. Ao vir a minha geração que vinha de avental meias calças e salto alto achei que estava com vestido por baixo. Cumprimentei-a com um beijinho de canto de boca e um abraço apertado pude sentir seu corpo contra o meu. para minha surpresa quando voltou  de costas para a Copa era isso que eu vestia avental, calcinha e soutien rendados e meias calças e sapatos de salto alto.

Meu pau ficou duro instantaneamente aquilo havia sido meticulosamente planejado pelos dois. Percebi quando Isabel antes de passar pela porta olhou para trais e checou que o meu e o pau do António já estavam duros. Minha vontade foi de ir atrás dela e possui-la ali mesmo na Copa mas resolvi entrar no jogo, que claramente tinha sido pensado.  Isabel sentou-se à mesa apenas com sua roupa interior, meia calça e saltos altos. Comecei a entender pelo nervosismo e ansiedade de ambos que se tratava da primeira vez. Mas era lindo e excitante de ver a confiança entre marido e mulher, e que aquilo era desejo de ambos.

A atenção de Antonio se dividia entre prestar atenção em meus olhares desejo para cima de sua mulher semi nua, e a situação de sua mulher a estar-lhe entre dois homens sedentos por ela. A mesa estava linda, tinha vinhos queijos e patês,  mas com a presença enibriante da Isabel em roupa interior era impossível prestar atenção em outra coisa que não ela. Tocava uma música suave um Jazz pouco mais ritmado. Possuido pelo desejo de tocar novamente em Isabel levantei-me e puxei-a para dançar. Juntei seu corpo ao meu e ao movimento da música beijei-a longamente. Senti quando posicionou seu corpo de forma que o meu volume ficasse entre suas pernas. Enquanto nos beijávamos seu corpo foi pressionado contra o meu por António que a abraçava o retrais e beijava sua nuca. Percebi que António estava apenas de cuecas por isso comecei a despir minha roupa também.

Fui ajudado por Isabel quê com vontade como eu sou a desabotoar as calças começando pelo ciente e depois abrindo as calças enquanto eu despia a camisa. voltei a abraçá-la e dançar com ela desta vez já nu. Ela posicionou meu pau já muito duro entre suas pernas e movimentavas não lento vaivém ela posicionou meu pau já muito duro entre suas pernas e movimentavas não lento vaivém, António posicionou seu o membro rijo entre as suas nádegas pude sentir quando a respiração de isabel ficou muito mais ofegante este era o desejo Isabel está entre dois homens, ser possuída dois homens, desejada por dois homens. Comecei a beijar seu pescoço descendo pelo seu peito até chegar aos seus seios que já estavam absolutamente tudo beijei com sofreguidão seus mamilos arrancando suspiros e carinhos desejosos.

Continuei descendo e ela segurou minha cabeça e sussurou “vamos para o quarto”…! Isabel foi me puxando pela mão até o quarto deles que também ja estava devidamente preparado. Velas e uma luz mais tenue, música muito suave e apenas de fundo ouvia-se bem a respiração de todos. Beijei Isabel novamente voltei a beijar todo seu corpo e deitei ia suavemente na cama tirando sua calcinha beijando suas pernas suas coxas e chegando em sua buceta. Nesse momento sua bocetinha já estava completamente encharcada comecei com um beijos suaves chupando levemente os grandes lábios e depois comecei a pena Tral com minha língua chupando seu clítoris. António se aproximou e beijoa longamente enquanto eu a chupava por alguns instantes hoje miúdos foram substituídos pelo som dos beijos amorosos. Continuei chupando-a e comecei levemente a introduzia meus dedos em sua buceta de tão ensopada que estava não ofereceu nenhuma resistência. Em pouco tempo já tinha quatro dedos na sua buceta enquanto chupava seu clítoris.

Quando olhei novamente vi-te agora o som disse hoje miúdos eram abafados pela pique António que entrava quase inteiramente na boca da Isabel em um leve vaivém. Delicadamente com a minha outra mão comecei a introduzir um dedo o em sua bundinha. Tinha ficado com tesão naquele cuzinho no momento que havia de costas voltando para a copa, não podia deixar de tentar arrombar aquele cuzinho. Para minha surpresa e de leite ela se posicionou melhor para que meu dedo entrasse. Em dado momento tinha quatro dedos em sua você tinha três em seu cozinho e continuava chupando seu clítoris enquanto António fugia sua boquinha. Isabel começou a se movimentar mais rápido a ficar mais ofegante e gozou intensamente nesta posição. Me levantei e fui buscar a camisinha porem António apontou para mesa de cabeceira que tinha algumas camisinhas. Coloquei a camisinha segurei as pernas Isabel abrir um pouco mais pincelei minha cabeça em sua buceta e vi que ambos estavam observando aquele momento António estava excitado envia outro macho pena trando sua esposa e Isabel excitadíssima por ser penetrada na frente de seu marido. A cumplicidade 22 era extremamente excitante. Olhei para eles e sem olhar para sua buceta entrei todo de uma vez Isabel só estou um gemido altíssimo agarrou as nádegas de António e posicionou novamente seu pau em sua boca.

António dizia “fode a buceta dessa vadia, fode ela toda“. Aumentei o ritmo e comecei a enfiar com mais força. Em nenhum movimento só tirei o meu pau coloquei-a de quatro e enviei violentamente novamente em sua buceta mais uma vez um gemido intenso e um rebolar inigualável. Ficamos nessa posição algum tempo até de António puxou Isabel para cima de si. Ela sentou em sua pica e continuou rebolando como uma boa V-A-D-I-A os dois se beijavam ardentemente. Voltei a colocar um dedo em seu cozinho para entender se havia desejo de uma dupla penetração. Isabel prontamente encostou seus seios ao peito jantam ano continuou beijando e empinou sua bundinha. Pincelei a cabeça da minha pica no seu cozinho e foi lentamente arrombando sua bundinha. Os dois pararam e ficaram se beijando saboreando este momento que com certeza há muito tinha sido fantasiado. Quando enfiei o meu pau todo em seu cozinho ela olhou para ir e disse “amor ele está arrombando meu cuzinho.” António para ter certeza levou sua mão para o espaço entre a buceta e o cu e percebeu que sua esposa era um  recheio de sandwiche e verdadeiramente estava sendo arrombada por dois machos. Ambos gozaram rapidamente se beijando e assim continuaram enquanto eu fugia o cuzinho de Isabel. Não demorou muito e eu também gozei naquele cuzinho delicioso. Terminamos a noite adormecendo os três na cama com Isabel dormindo entre nós. No dia seguinte Antonio me ligou dizendo que a Isabel estava muito triste porque eu não tinha fodido e gozado na sua boca! Combinamos muitas outras vezes e tudo sempre muito pensado e cuidado.

3855 views

Contos relacionados

Chupando a buceta amanhecida sem lavar, natural com sebo!!!

Eu estava em um dia muito exaustivo. Semana de prova, passava o dia inteiro na biblioteca e sala de estudos. No penúltimo dia de prova estava estudando como sempre das 9h da manhã até 19h. Uma...

LER CONTO

Comi a amiga da minha sogra

Comi a amiga da minha sogra. É tive que comer aquele bucetao e aquele cu . Ju era uma morena de mais o menos 1,70 de altura cabelos pretos um pouquinho cheinha rsss.mas eu queria lhe arregaçar...

LER CONTO

Minha primeira fantasia e perdendo a virgindade do meu cuzinho

Olá meu nome é Ariel e venho contar pra vocês como foi usar fantasia com meu marido. Sou loira cabelo grande e enrolado tenho peitos pequenos porém lindos e uma bunda maravilhosa tenho 19 aninhos...

LER CONTO

Engravidei do meu sogro II

Enviado por: Helga Shagger Meu marido Hanz era o pastor de toda congregação luterana da região sul do Brasil. Viemos para cá logo após a segunda guerra mundial. Nos estabelecemos num vilarejo...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 2 + 3 = ?

Se você gosta de ler contos eróticos o contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.

© 2020 - Contos adultos