website page counter
Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos eróticos gay » Razão e emoção (02)

Razão e emoção (02)

Publicado em novembro 4, 2022 por ANTONIO

Após um merecido descanso para que pudéssemos recuperar nossa energia, Geraldo se recompôs enquanto eu me vestia e descemos até o lobby onde ele me ofereceu um café que aceitei de bom grado. “Quero combinar uma coisa contigo: preciso saber se você gostaria de se divertir sem qualquer compromisso com alguns amigos que conheço …, o que você acha dessa ideia?”, perguntou ele a certa altura sem muitos rodeios, mirando meu rosto com um olhar curioso e também safado. Fiquei estupefato com sua proposta imaginando que ele almejasse me usar como seu objeto de prazer que poderia dividir com amigos e conhecidos quando bem quisesse e quando bem lhe aprouvesse; eu não sabia se ficava apenas irritado com ele ou se deveria mostrar-lhe minha revolta.

-Você quer me transformar na sua putinha de aluguel? – retruquei com tom irônico e um sorrisinho maroto – ou quer apenas me dividir com outros machos?

 

-Na verdade, nem uma coisa, nem outra – ele respondeu com tom indiferente preparando-se para continuar – Quero apenas desfrutar de vê-lo com outros homens ao mesmo tempo em que poderei ou não participar, mas tudo isso sempre dentro dos limites de um prazer irrestrito, mas muito seguro …, não precisa responder agora, apenas reflita …, logo voltaremos a nos falar.

Imediatamente, Geraldo pagou a conta do café e sugeriu que fossemos embora; bem que pensei em declinar da sugestão, mas lembrei-me rapidamente de que estava sem condução dependendo dele para retornar para casa. Depois que ele me deixou em casa, tomei um banho relaxante e comi alguma coisa; no meu pequeno escritório enquanto fazia algumas coisas, pensava na tal proposta de Geraldo que me deixara inquieto e também preocupado; afinal, era uma faca com dois gumes podendo me proporcionar muito prazer, mas também muita decepção e sofrimento. Lembrei-me mais uma vez de Jeremias e de nossa relação impossível que mal durou por uma noite e me vi novamente eivado de tristeza e solidão. E no fim das contas era tudo bem simples: escolher entre razão e emoção; podia ser simples, mas não era fácil.

Para minha sorte, Geraldo tomou outro chá de sumiço deixando-me na saudade e sem a possibilidade de aceitar sua proposta insólita. Segui com minha rotina entediante esquecendo-me do sujeito e suas propostas até que, quase um mês depois, recebo dele a seguinte mensagem: “Um amigo meu chamado Braga ficou interessado em você. Disse a ele que você o esperaria amanhã, por volta das nove naquela praça perto da delegacia do lado onde fica o ponto de táxi. Acho que você vai se divertir! Não se atrase, por favor! Beijos!”. Aquela foi a coisa mais estapafúrdia que li em toda a minha vida; o sujeito me ofereceu para outro sem me consultar a respeito! Fui tomado por uma revolta tão grande que não resisti e liguei para o descarado.

-Você me ofereceu para um desconhecido sem conversar comigo antes? – perguntei com tom agressivo assim que ele atendeu a ligação – Você não acha que passou dos limites? Porque não me consultou? Minha opinião não importa?

-Não te consultei porque sei do que você precisa – respondeu ele com uma calma monástica após eu esgotar meu oxigênio com xingamentos e palavrões.

-Sabe mesmo? E do que eu preciso? – retruquei ainda com tom de ira incontida.

-Assim como eu, você precisa de emoção – ele respondeu de modo firme e taxativo – abandone a razão e deixe que a emoção flua e te conduza …, faça isso amanhã e se no final você achar que foi tudo uma m****, não precisa me procurar nunca mais que eu entenderei …, mas se você gostar …, me liga e conversaremos sobre outras possibilidades.

Geraldo desligou me deixando mais atônito que antes; fiquei por horas pensando sobre o que ele dissera e mesmo achando que tudo não passava de pura loucura, eu precisava abandonar a lembrança de Jeremias, e talvez essa fosse a oportunidade certa para fazê-lo; ademais se o lance com o tal Braga acabasse se mostrando uma roubada, só petisca quem arrisca! No dia seguinte saí de casa um pouco antes das nove e rodei na direção do local combinado; fui de carro não apenas porque a distância era considerável como também caso eu suspeitasse da situação teria como realizar uma fuga rápida.

Estacionei no lado oposto da praça próximo da delegacia e caminhei na direção do ponto de táxi; era um dia quente e por isso estava de bermuda, camiseta e tênis náutico para aproveitar o dia e tudo que ele prometia; a poucos metros do local, notei quando o condutor de um veículo sedan sofisticado abriu a porta saltando de seu interior; tratava-se de um sujeito alto com corpo de formas tipicamente comuns trajando um short estampado largo, camiseta regata branca e tênis modelo esportivo e que afastando-se do veículo veio na minha direção. “Oi! Você deve ser o amigo do Geraldo …, prazer, eu sou o Braga!”, disse ele em tom alegre estendendo a mão para mim.

Nos cumprimentamos e ele apontou para uma pequena lanchonete do outro lado e sugeriu que fossemos até lá para tomar um café. Em uma mesa situada na calçada fomos servidos e começamos um papo descontraído sobre assuntos variados; Braga era um sujeito bem informado com boa conversa e presença agradável. “Ah, isso? …, bom, minha esposa me deixou depois que descobriu minha bissexualidade …, foi difícil para ambos, mas necessário!”, explicou ele quando apontei para o dedo anelar esquerdo onde se via a marca de uma aliança. Pedi perdão por parecer abusivo, mas Braga descontraiu aceitando meu questionamento sem traumas. Conversamos um pouco mais sobre sua descoberta e o assunto pareceu agradar a ambos.

-Me sinto carente …, por isso o Geraldo decidiu nos apresentar – ele respondeu quando lhe perguntei como levava a vida após o divórcio – pelo que ele me disse você parece passar pela mesma situação, não é?

-Sim, é verdade – respondi já com segundas intenções – E se você quiser creio que possamos saciar em termos essa carência, não concorda?

-Eu moro aqui perto – respondeu ele com tom hesitante – Gostaria muito que você conhecesse minha casa …

Entramos no carro dele e rumamos para sua residência que não ficava muito distante de onde estávamos; era uma bela casa térrea cercada por altos muros, com uma garagem lateral e uma piscina nos fundos. Assim que entramos na sala de estar Braga revelou-se despudoradamente, me envolvendo com seus braços e procurando por minha boca; selamos alguns beijos tórridos e ávidos enquanto suas mãos me apalpavam por inteiro; com gestos um pouco atabalhoados, Braga me despiu e depois se pôs e lamber e chupar meus mamilos fazendo-me gemer de tanto tesão, ao mesmo tempo que pegava meu pau com sua mão grande apertando-o até deixá-lo bem duro.

Ele prosseguiu saboreando meus peitos e me punhetando com carinho com mais beijos quentes e molhados; Braga era o tipo de sujeito ávido que sabia aproveitar-se da situação para deixar seu parceiro enlouquecido de desejo. Em dado momento ele me trouxe próximo do sofá e fez que eu me deitasse sobre ele; afastou-se um pouco e começou a se despir lentamente fazendo questão de exibir-se como um macho faz para sua fêmea; observei-o nos detalhes: peito largo e peludo, quase nada de barriga ventre esculpido onde se via uma piroca mediana não muito grossa já enrijecida e pulsante; ele veio sobre mim e tratou de esfregar seu ventre contra o meu provocando um delicioso roçar de membros rijos retomando os beijos lascivos.

Pouco depois ele se colocou de joelhos de tal forma que deixou seu cacete bem próximo de minha boca; é claro que ele não precisou revelar seu anseio, pois não perdi tempo em abocanhar aquela vara suculenta mamando-o com indescritível voracidade e já provocando gemidos e suspiros em meu parceiro que não interferia em minhas ações concedendo-me a liberdade almejada; mamei a rola, lambi o saco e retomava a mamada, dominando meu parceiro que via-se rendido ante minha volúpia. Pensei que ficaríamos apenas nisso, mas Braga tinha outras coisas em mente; me fez ficar de quatro sobre o sofá e depois de separar minhas nádegas com suas mãos, desfrutou do meu selinho com sua língua quente e abusada que chegou a simular uma pequena penetração.

Senti quando cuspiu em meu rego usando sua língua para espalhá-la ao longo da região e dedando meu cuzinho num voluptuoso preparo do que estava por vir. “Ahnnn! Uhhh! Que rego gostoso você tem! E que buraquinho mais lindo é esse?”, comentou ele pouco antes de dar a primeiras cutucadas arrojadas; senti a chapeleta golpear com força controlada até romper a resistência invadindo meu selo forçando as pregas a lacearem; estava eu com tanto desejo que ignorei a dorzinha incômoda relaxando o suficiente para permitir que meu parceiro seguisse com seu intento. Braga era muito carinhoso e a medida em que socava a rola para dentro de mim, mordiscava meu pescoço e beliscava meus mamilos tornando tudo dotado de uma suave excitação que me cativava …, confesso sim que cheguei a pensar em Jeremias, mas logo entreguei-me à doce realidade que me invadia até me preencher por inteiro.

Com o bruto calcado dentro de mim, Braga iniciou uma sequência de movimentos entusiasmados enfiando e sacando seu membro quase ao ponto de retirá-lo por inteiro, impondo que eu suplicasse para que ele tornasse a metê-lo dentro de mim; apoiei minhas mãos sobre o braço do sofá e passei a contragolpear chocando minha bunda contra a piroca de Braga buscando uma sincronia alucinante que impunha que gemêssemos e suspirássemos como se fossemos apenas um. E quando Braga intensificou seus golpes anunciando o início do fim eu me detive aguardando a chegada de seu sêmen inundando minhas entranhas. Foi um gozo volumoso que me lavou por dentro enquanto nossos urros roucos eclodiam pelo ambiente. Braga sacou seu mastro amolecido e ficou apreciando a visão de seu leite escorrer do meu selo alargado pingando sobre o sofá. Suado e ofegante eu me dava por vencido ante a certeza de Geraldo que a emoção precisava estar acima da razão quando o assunto era o desejo que nos escraviza impondo-se acima de tudo.

2262 views

Contos Eróticos relacionados

Um Anjo em minha Vida

Permita que eu me apresento meu nome é Osvaldo sou um homem de meia idade 50 anos de idades minha esposa Maria tem  30 anos sou  vinte anos mais velho que ela  moramos em um sitio no  interior...

LER CONTO

O lado bom da vida (04)

É claro que nem todas as experiências foram suaves, gostosas e tranquilas, pois algumas vezes acabei caindo em uma roubada! A primeira vez que isso aconteceu foi num grupo de whatsapp indicado por...

LER CONTO

Chupei o Coroa – A vontade que muitos tem!!

Vou contar a história do início para entenderem como aconteceu. Sou casado, Somos adeptos ao swing, tivemos várias experiencias  sempre com casais, adoro ver um marido pauzudo metendo na minha...

LER CONTO

Um estranho no banheiro do mercado

Já tive muitas aventuras, mas nunca como a que irei contar a vocês.   Por questão de sigilo, todos os nomes deste conto, e dos próximos serão fictícios, porém, e para a nossa...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 4 + 1 = ?
ContosAdultos.Club - O seu site de Contos Eróticos
Se você gosta de ler contos eróticos ou contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.
© 2022 - Contos adultos