website page counter
Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de fetiche » Quer comer o meu cuzinho? Vem, eu quero te dar!

Quer comer o meu cuzinho? Vem, eu quero te dar!

Publicado em dezembro 20, 2022 por Leticia S.D

Era uma quarta-feira às 20 da noite, Carlinha tava na sua cama, trajada apenas numa camisolinha preta em seda em seu loiro corpo de ninfeta todo sedoso e cheiroso e com seu celular em mãos, fazendo uma ligação perigosa e ousada, mas certa do propósito:

 

– Oi, gato?

 

– Hã? Quem tá falando?

 

– Tá onde? (Carlinha)

 

– Em casa… quem é, hein?

 

– rsrsr, não tá reconhecendo minha voz? Nossa, como tu é distraído, rsrsrs… (Carlinha)

 

– Me desculpe, mas, quem é? Não conheceço nem mesmo esse número, fala logo, quem é…

– Relaxa, tu me conhece sim, pois sempre quando eu tô por perto de ti, tu não para de olhar pra mim, ora, rsrsr… (Carlinha)

 

– Sei… Fala teu nome então pra eu lembrar melhor…

 

– rsrsr, acho que se eu falar meu nome tu também não vai saber quem eu sou, rsrsr, mas essa fotinho aqui ó, vai resfrescar tua memória… (Carlinha)

Poucos segundos depois ele recebe no celular dele uma foto da Carlinha… quer dizer, na verdade não do rosto dela, mas da sua loira bunda toda empinadinha num shortinho jeans curtinho, mostrando as bochechas das suas nádegas… Ele então disse:

 

– Olha, garota, para de palhaçada, fala logo, quem é você e como descobriu meu número?… anda, fala!

 

– rsrsr, caralho, não tá reconhecendo essa bunda? Quando eu tô aí na tua casa tu não tira o olho dela, rsrsr… Sou eu, bobo, a amiga da tua filhinha, a Carla Beatriz… Lembra agora? (Carlinha)

 

– A loirinha?

 

– A própria, rsrsr… (Carlinha)

 

– Tu é maluca, menina? Eu tô na casa da minha sogra, minha esposa tá aqui comigo… que é que tu quer?

 

– rsrsr, bom, se eu te mandei a foto da minha bunda… advinha o que eu quero? rsrs… (Carlinha)

 

– Tu é safada, hein, menina?

 

– rsrsr, imagina, sou até tímida, rsrsr… na verdade a minha intensão era fazer uma brincadeirinha, tipo: se tu adivinhasse quem eu era só pela foto da minha bunda, já que tu vive olhando pra ela quando eu tô aí na tua casa, o prêmio seria justamente ela… nua, de quatro e toda aberta, de cuzinho piscando pra vc meter… mas enfim, você infelizmente perdeu, rsrsr… (Carlinha)

 

– Espera, calma… é sério mesmo? Você quer me dar sua bunda?

 

– Se fosse brincadeira tu acha que eu ia perder tempo te ligando e te mandando fotinho da minha bunda?… (Carlinha)

 

– Porque você quer isso?

 

– Primeiro porque eu adoro fuder… segundo que eu te acho bem gostoso… e terceiro que, de tanto te ver olhando pra minha bunda toda vez que eu tô na tua casa visitando tua filha, fiquei curiosa em saber o que realmente tu faria caso eu tivesse nua e de quatro na tua frente… (Carlinha)

 

– Você é bem putinha, hein?

 

– Olha como fala, afinal, sua esposa e sogra estão aí, certo? rsrsrs… (Carlinha)

 

– Eu tô longe delas… mas é arriscado falar contigo aqui, fala logo, quer mesmo dar essa tua bunda gostosa pra mim?

 

– Espera apressadinho, rsrs… me diz uma coisa…

 

– O quê?

 

– Teu pau tá duro? (Carlinha)

 

– Lógico…

 

– Me mostra… (Carlinha)

 

– Agora?

 

– Claro… anda, quero ver o pau que vai entrar no meu cuzinho… (Carlinha)

 

– Espera, tô indo pro banheiro.

 

Minutos depois ele me manda uma foto do pau dele duro diante da braguilha da sua calça aberta.

 

– Uau… delícia, hein? Meu cuzinho até tremeu aqui, rsrs… (Carlinha)

 

– Sua puta… me manda uma foto então dessa tua bunda nua, anda… quero ver esse cuzinho… já que ele vai ser meu, me mostra, anda.

 

– Nossa, rsrsr, antes não lembrava de mim, e agora tá todo taradinho? rsrsr… (Carlinha)

 

– Gosta de provocar, né, sua putinha? Tu tem cara mesmo de safada, sabia? Quando te vi a primeira vez te imaginei exatamente assim, bem safada, bem putinha.

 

– mmrr, e o que mais tu imaginava de mim, hein? Já tocou muita punheta me imaginando nua? Me comendo? Metendo em mim? Socando gostoso entre as minhas pernas bem arreganhadas? Ou detrás de mim, comigo de quatro, comendo a minha bunda, já que tu tanto espia ela… fala, cachorro, como que tu me imaginava quando me via na tua casa, de shortinho, de minissaia, de calça jeans.., quero saber, fala… (Carlinha)

 

– Caralho, como tu é safada… Sim, já me imaginei te comendo muito, principalmente essa tua delícia de bunda.

 

– rsrsr, eu sempre notei que tu ficava maluquinho babando pela minha bunda, rsrsr, e toda vez que eu notava tu olhando, eu imaginava que tu tava pensando nessas putarias comigo… eu nua e tu comendo meu rabo de quatro… metendo forte o pau no meu cuzinho cor de rosa… fudendo muito até deixar bem arrombadinho… Né, safado? Tem vontade de arrombar o meu cuzinho, hein? Meter bem gostoso bem no meio da minha bunda loira e socar muito, muito até me deixar cansadinha e com as preguinhas bem arregaçadinhas, né? (Carlinha)

 

– Noossaa, como tu é puta, menina… caralho, eu vou comer muito essa tua bunda gostosa, sua safada, é isso que tu quer, né?

 

– Posso te confessar uma coisa bem safada que aconteceu um dia quando eu tava na tua casa? (Carlinha)

 

– O quê?

 

– Teve um dia que eu saí do quarto da tua filha e fui no banheiro fazer xixi… tu tava bem ali perto na cozinha, tu me viu passar e até olhou pra minha bunda de minissaia, eu entrei no banheiro e deixei a porta só encostada… enquanto eu tava sentada no vaso fazendo meu xixi, com meus dedinhos abrindo a minha bucetinha pro xixi sair… eu fiquei toda excitada imaginando tu entrando de uma vez no banheiro, me pegando a força, mandando eu calar a boca e me estuprando. (Carlinha)

 

– Cachoorraaa!!!!

 

– rsrsrs, já imaginei tu fazendo cada coisa comigo e tu nem desconfiou, sabia? rsrsr. (Carlinha)

 

– Conta mais!

 

– Teve um dia que eu tava com um sortinho de malha, aparecendo as bochechas da minha bunda loirinha, todo enfiadinho… inclusive eu tava até sem calcinha nesse dia, e eu vi teus olhos descendo em mim e olhando, com certeza tu notou o tecido coladinho e moldando o formato da minha buceta… aliás, do meu bucetão, pois a minha buceta é bem grande pra uma garota da minha altura e pouca idade, rsrsr., tipo: eu tenho um bucetão rosado, todo carequinha, bem meladinho, do rachado vermelho, beiçudo e greludo… só não é virgem, rsrsrs… pois esse meu bucetão adora chupar rola grande e grossa… mas enfim, não quero falar da minha buceta, rsrsrs, porque o foco aqui é a minha bunda, a minha buceta é só um brinde pra depois de tu comer bem gostoso a minha bunda, afinal,você só olha pra ela… (Carlinha)

 

– Puta… vou te meter na bunda, na buceta, em você todinha… aaiii, caralho, meu pau tá muito duro aqui, rrrmmrr…

 

– aaii, que delícia, adoro um pau bem duro… principalmente todo dentro de mim… me machucando o cuzinho, socando, socando bem no meio do meu rabo loiro e sem parar… rrmmmrr… aaiii, tô de bucetinha aqui bem meladinha só de imaginar esse teu pau duro me fudendo o cu… (Carlinha)

 

– Sua cachorra, você é uma vadiazinha, sabia? Tô tocando uma aqui… fala mais, fala, fala mais putaria, fala?… vou gozar…

 

– rsrsrsr, nossa, como tu é apressadinho, hein? Para de bater punheta, seu safado, respeita tua mulher e tua sogra, tá na casa dela, rsrsrs… Para de bater e guarda essa porra quentinha e branquinha pro meu cu, viu?… pois adoro sentir meu cu cheio de leitinho de pica… guarda, não gasta… quero teu pau gozando todo enterradinho no meio da minha bunda, enchendo o meu cuzinho de muita porra, bem gostoso, viu? rsrsr… (Carlinha)

 

– Caralho, se tu for na cama essa puta, eu acho que vou te matar de tanto te comer, sua vadia.

 

– Vem aqui agora, então, vem? Vem que eu te mostro o quanto eu sou puta, vem?… vem comer o meu rabo, anda? Tô louquinha pra saber se tu se garante atrás de mim, me domando de quatro, comendo minha bundinha loira toda empinadinha pra ti, bem gostoso… Vem, filho da puta, vem meter o pau no meu cu, anda? (Carlinha)

 

– Manda uma foto dessa tua bunda gostosa nua, manda? Me mostra ela bem aberta, vai, quero ver teu cuzinho… deve ser uma delícia.

 

– Meu cuzinho é pequenininho, é rosadinho e tá piscando sem parar aqui, ansioso pra sentir a tua pica dentro dele… aliás, tô com um dedinho aqui enfiadinho nele, tem hora que ele aperta forte meu dedinho, mmmrr, vontade de apertar tua rola nele, sabia? Meu cu adora chupar rola, mamar bem forte e gostoso uma rola, rrmmmrr… tá tão gostoso meter o meu dedinho aqui, rrrmmmr, tá quentinho, macio, uma delícia… pena que o meu dedinho é finhinho… queria mesmo era uma rola bem grossa, pra deixar ele bem arregaçadinho… a tua rola, toda enfiada, vem, veeemmmrr… (Carlinha)

 

– aaii, caralho, meu pau tá doendo aqui, sua vadia, mmrrr, mostra vai, mostra essa bunda, me mostra o cu, quero ver logo, anda!!

 

– rsrsr, tarado, tu prefere tocar punheta olhando minha bunda numa foto? Deixa de ser bobo… eu quero te dar pessoalmente, ao vivo e a cores, de quatro, toda aberta e de cu piscando… Guarda teu pau, não derrama essa porra com punheta… deixa tudo pra quando for me comer de quatro… Mas eu quero agora, vem? Vem agora e eu te dou gostoso minha bunda, anda… (Carlinha)

 

– Agora não dá… queria muito ir te encontrar e te comer muito, mas agora não tem condição, depois de amanhã, sexta-feira eu te encontro, hoje não tem como, tô com a família da minha esposa aqui, te ligo outra hora, tá bem?

 

– Seu frouxo, rsrsr, acho que você não é de nada. (Carlinha)

 

– Olha, não me provoca, sua safada!

 

– Seu brocha!! (Carlinha)

– Puta, para com isso. Eu não posso sair daqui agora.

 

– Ai, que drooogaaa, esperar até sexta pra sentir teu pau no meu cuzinho? Que judiação. (Carlinha)

 

– É sério, gatinha, não tem como eu dar uma desculpa qualquer pra minha esposa agora e sair daqui nessa hora… eu tô de pau muito duro aqui, mas, porra caralho, me entende, agora não, sexta eu vou, com certeza, prometo!

 

– Tá bom… fazer o quê, né?… vou esperar… vou tocar uma siririca bem gostosa aqui na minha buceta e no meu cuzinho pra me aliviar um pouco e tentar dormir, é o jeito, mas promessa é dívida, viu? (Carlinha)

Carlinha não transou com ele como queria nessa noite, onde ela tava pegando fogo, principalmente fogo no seu rabo de ninfeta, nem nessa noite e nem na noite de quinta-feira, sendo que ela não é de passar tanto tempo sem dar uma, mas nessa espera até a noite de sexta ela recebeu muitas mensagens do pai de sua amiga, louco, se mostrando super a fim e ansioso pra comer ela, principalmente a bunda dela, onde ele ficou mandando fotos do pau dele duro, ansioso pra sentir o cuzinho rosadinho dela, e claro, sempre pedindo nudes pra Carlinha da sua bunda. Tarado, filho da puta, ele tava louquinho de vontade de comer o rabo da ninfetinha, da amiga da sua filha, que ele tanto a espia e a deseja de pau duro quando ela vai a sua casa.

A sexta-feira então chegou, Carlinha fez todo aquele preparo na sua bunda e no seu cuzinho, na espectativa de enfim dar seu rabo pro papai gostoso da sua amiga, onde ela tomou um caprichado banho bem gostoso, fez uma lavagem anal pra deixar bem higienizado o seu rosado e pequeno cuzinho, e por fim hidratou todo seu corpinho loirinho de ninfeta e colocou um vestidinho vermelho curtinho de tecido bem molinho e com um decote que salientava seus fartos peitos num sutiã bustiê igualmente vermelho, e por baixo não colocou calcinha nenhuma, afinal, quanto mais ela impressionasse ele com a sua delícia de bunda, mais gostosa ia ser a enrabada que ela ia tomar dele.

Quando então Carlinha recebe uma mensagem dele, falando que estava mandando o motorista dele buscar ela e a levar pra um hotel, no qual ele reservou um quarto e tal, onde lá ela iria esperar por ele, que chegaria exatamente às 17 horas, horário em que ele iria sair mais cedo do seu trabalho.

E já toda arrumada, cheirosa, pronta e preparada, em cima de saltos pretos, com meus loiros e lisos cabelos soltos, uma maquiagem leve e um batom da cor dos seus rosados lábios, eis que sua porta bateu, era o motorista dele, um moreno alto e forte, trajado em calça em linho preta, sapatos sociais e uma camisa de botões branca. Carlinha trancou seu apartamento e foi com ele, descendo lado a lado pelo elevador, o tempo todo olhando seu celular, esperando por mensagens do pai da amiga. Lá embaixo o motorista abriu a porta traseira do carro pra ela, que entrou se acomodando de coxas loiras cruzadas no banco traseiro e dali eles seguiram rumo ao hotel.

Bom, o certo é que o tempo foi passando, e Carlinha foi ficando incomodada, sozinha no quarto do hotel enquanto o pai da sua amiga se atrasava e sequer respondia suas mensagens… Quando eis que lá pro início da noite Carlinha recebeu uma ligação dele:

 

– Oi, gatinha, desculpa, mas, tô com uns problemas aqui de última hora no trabalho, mas acabo já já, espera um pouco, ok?

 

– Que horas que tu vem, então? (Carlinha)

 

– Daqui a pouco, tô resolvendo umas coisas aqui, mas logo logo tô livre, me espera, tá bem?

 

– Quero ir pra minha casa, não vou ficar nesse quarto de hotel te esperando, odeio esperar, se quiser me comer mesmo, vem me encontrar. (Carlinha)

 

– Ok, vou mandar o motorista voltar aí e te levar pro teu apartamento, mas por favor, não vai dormir, tá bem? Eu quero muito te comer, sua gostosa.

Minutos depois Carlinha estava no banco de trás do carro do pai da amiga, coxas loiras cruzadas em seu sexy vestidinho vermelho, braços cruzados e muito frustrada, ao voltante o motorista seguia rumo ao apartamento dela… o silêncio era constante, Carlinha se distraía com seu celular em mãos, falando com amigas e tal, inclusive com a filha do safado com quem ela pretendia fuder… Mas ela desligou, tava impaciente, chateada, muito irritada ao pensar na foda frustrada, e nisso deixou escapar um sonoro:

– Filho da puta, vai se fuder!!

 

O motorista olhou pra ela enquanto dirigia, e ela disse:

 

– Teu patrão é um filho da puta, sabia?

 

– rsrsrs, a maioria dos patrões é filho da puta mesmo.

 

– Odeio ficar esperando… principalmente por homem frouxo… que merda!! (Carlinha)

 

– … realmente, tem que ser muito frouxo mesmo.

Nisso Carlinha riu de cantinho de boca, olhando pro motorista, que a olhava pelo retrovisor, ao mesmo tempo olhando também pra rua a frente… e então ela perguntou:

– Tu já deixou alguma mulher esperando?

 

– Bom, que eu me lembre, não, rsrsrs…

– Sei… claro que tu não vai admitir, rsrsr… vocês são todos iguais, rsrsrs… (Carlinha)

 

– Não, nada disso… nem todo homem é frouxo que nem o meu patrão.

 

– Odeio homem que nega fogo, sabia? (Carlinha falou isso olhando pro motorista pelo retrovisor logo a frente, ao mesmo tempo em que descruzou suas coxas, ficando de pernas abertas, onde seu vestidinho vermelho subiu completamente pelas suas loiras coxas… o detalhe aqui foi que Carlinha tava sem calcinha, e diante disso o motorista ficou em silêncio, mirando pelo retrovisor a sua rosada, careca e inchada bucetinha, não dava pra ver direto, somente detalhes, mas o suficiente pra deixar ele excitado… Quando então, no primeiro sinal em que ele parou, ele virou completamente seu rosto pra ela no banco de trás, ou melhor, para entre as pernas arreganhadas dela, enquanto Carlinha ria pra ele, cínica e maliciosamente.)

Minutos depois o carro estava estacionado numa rua deserta pouco iluminada, ao meio fio, com o motorista sentado no banco traseiro, de calça aberta e Carlinha de vestidinho vermelho erguido e cavalgando montada de frente no colo dele, sentindo o cacete dele para baixo e para cima dentro da sua rosada bucetinha, conforme subia e descia quicando feito uma louca, se acabando de fuder e gozar, batendo sua loira bunda no colo dele ao cavalgar forte e ritmadamente no duro pau do motorista, socando, socando, socando, delícia, era disso que essa ninfeta fogosa tava precisando, uma rola que fizesse compensar a frustração do encontro furado… e além dela estar fudendo dentro de um carro, dando pra um cara que sequer passava pela sua cabeça, era no meio da rua, e isso deixou Carlinha ainda mais excitada, louca, tarada, numa sensação de que a qualquer momento pudesse ser flagrada… e o puto do motorista tava louco de tesão, com suas mãos na bunda loira dela se movimentando pra cima e pra baixo no colo dele, de cara nos peitões loiros dela chacoalhando, mordendo seus mamilos rosados e duros, os chupando numa mamada faminta… nossa, que tesão ela sentia, seus verdes olhos reviravam enquanto gozava e se tremia toda nesse galope ininterrupto.

Carlinha tava precisando com urgência de uma foda impulsiva assim, que ao menos matasse o fogo que sentia… mas ela queria mais… pois o motivo de ter marcado esse encontro frustrado com o filho da puta do pai da sua amiga foi de dar a sua bunda pra ele… sendo assim, ela aqui montada e rebolando no colo do motorista, apertando o pau dele com a sua molhada e gozada buceta cor de rosa, falou toda manhosa e ofegante diante dos olhos dele:

– Quer comer o meu cuzinho? Vem, eu quero te dar!!

E pra deixar o momento ainda mais picante e perigoso, safada da ninfeta abriu a porta do carro e saiu, chamando o motorista… e do lado de fora, em pé e de mãos na porta traseira do carro do pai da amiga, de vestido vermelho erguido e toda empinada, o motorista se aproximou dela por trás, cuspiu nos seus dedos e esfregou no cuzinho rosadinho e apertadinho de Carlinha e começou a esfregar a inchada cabeça da sua rola dura pra fora da braguilha aberta da sua calça, sentindo as preguinhas macias da danada piscando como se desse beijinhos na chapeleta do cacete ali cutucando, batendo na portinha dos fundos pra entrar, onde ele então foi empurrando bem devagar até a metade dentro do aconchegante, quentinho, macio e apertado cuzinho rosado da ninfeta, que de rosto por sobre o capô do carro, mãos na porta e toda arrebitada, gemia toda dengosa e arrepiada, até bambeando suas pernas com os espasmos de tesão que sofria nas suas nádegas, ventre e coxas, tesão em sentir aquela coisa dura, veiuda e grossa bem socada no meio da sua bunda loira, se mexendo aos poucos dentro do seu buraquinho anal.

Daí em diante ela empinou safado seu rabo loiro e deixou o sortudo motorista bombar a vontade atrás dela, socando pau no seu cuzinho bem gostoso, segurando ela pelas ancas e dando repetidas e ritmadas empurradas de rola no meio da delícia de bunda da manhosa Carlinha, que gemia baixinho pra não chamar a atenção de quem passava nos carros adiante, tomando gostoso no seu cuzinho como ela bem queria… e o motorista do pai da amiga dela cumprindo com o desejo dela, se empenhando com prazer, puxando ela pelas ancas e socando, socando, socando, fazendo a ninfeta delirar meio que cambaleando suas pernas e encostando de barriga na porta do carro enquanto gozava o seu cu no vai e vem da piroca se movendo mais e mais rápido, gemendo boquiaberta e com seus verdes olhinhos se revirando.

– aaiimmrr, iissoo, iiissoo, assiimmrr, assiimmrr, come meu cu, coomee, come meu cuu, aaii que delícia de rooolaa, mmmmrr, mais forte, caralho, vaaii, soca mais foortee, aaiimmrr, aaiimmrr, aaiiimmmrr, fode esse cu bem gostoso, filho da puta, fooodee…

Nossa, o pau dele tava tão guloso, tão nervoso e duro indo e vindo acelerado e sem sair de dentro, socando, socando, socando… que delícia… não demorou muito pro cuzinho rosadinho de Carlinha gozar mais uma vez nessa movimentação de rola bem enfiada, onde ela se tremia todinha enquanto a sua rosada buceta carequinha por entre suas pernas abertas se babava todinha, escorrendo suquinho entre suas loiras pernas conforme seu cu gozava recebendo rola constante… caralho, que currada impulsiva e deliciosa a ninfeta tava tomando do motorista do babaca do pai da minha amiga, no meio da rua e em pé… e ela só pensava enquanto gemia e era enrabada: “Ah, delícia, como é bom dar a bunda no meio da rua!!”... pois a sensação de ser flagrada deixava o anal ainda mais gostoso de provar, e ela queria isso antes de voltar pra sua casa.

E entre gemidos soluçados e espasmos explodindo o corpo de Carlinha, ela sussurrava:

– aaii delícia, iissoo, iissooo, não paaraa, não paaraa, bota pra arrombar, vaaiii, iissoo, assim, arromba, caralho, arromba esse cu, vaaiii, iissoo, assiimm, mais forte, poorraaa, rrraaaaiiimmmrr, aaii meu cuu, mmmmrr, coomee, come meu cu, comee, comee, rraammrr, rraammrr, como é bom tomá no cuuu, raammrr…

 

Ela abriu a porta na qual ela tava encostada e se enfiou dentro do carro, se pondo de quatro no banco traseiro e com sua bunda pra fora da porta aberta, onde do lado de fora e em pé o motorista continuava a domar ela pelas ancas e sapecando rola no meio do rabo loiro dela, e ainda mais veloz, chegando a bater virilha e a empurrar todo seu pau no cuzinho rosado dela num entra e sai, num mete e puxa constante e viciante, e a safada toda empinada de joelhos e mãos no assento do banco, gemendo mais que vagabunda, mais que uma puta de rua enquanto se tremia toda no vai e vem incansável da rola do motorista fudendo seu cu. E isso era tudo o que essa ninfeta safada e feitichista queria nessa noite era isso, um macho viril e tarado comendo seu rabo, socando pau no seu cuzinho loiro sem dó e sem descanso, socando intenso, reto, dando pra esse seu cuzinho o que ele tanto queria desde que eu saiu de casa pra se encontrar com o frouxo que vacilou com ela minutos antes, uma pica lhe currando bem gostoso.

Seus loiros e fartos peitos por baixo dela de quatro sendo sacudida, chacoalhavam afora do decote do seu vestidinho vermelho, e o motorista atrás dela virilhando sua bunda e socando pau no cu dela, todo empolgado por estar enrabando uma novinha tão tesuda assim, toda cheirosa, macia, sedosa e gostosa, dona de uma bunda maravilhosa e um cu tão macio e delicioso de sentir com o pau, e patricinha loirinha toda empinadinha dando a bundinha pra ele exigia até mais esforço dele, pedindo entre gemidos pra ele socar mais forte, mais forte, mais, mais, mais… as rosadas preguinhas do rabo loiro de Carlinha já estavam avermelhadas de tão arregaçadas pela grossura da dura piroca do motorista mandando ver sem parar… e ela gozou de novo, de rosto deitado no banco traseiro do carro, gemendo agoniada e do lado de fora os carros passavam vez e outra na rua, jogando seus faróis altos nele ali fora em pé e domando ela pelas ancas enquanto socava pau no cu dela sem parar… mas foda-se se ela tava sendo flagrada, a safada queria apenas tomar na sua bunda o mais gostoso possível.

De repente ele entrou pra dentro do carro e ficou de quatro por sobre as costas da Carlinha deitada de bruços no banco traseiro e com a sua bunda erguida, na qual ele batia com a sua virilha enquanto socava pau no cu rosado dela, e assim ele gemeu alto e se descontrolou a se tremer, puxando as ancas dela, de peitos nas costas dela, mordendo o ombro dela, de pau latejando todo enfiado e parado, cuspindo porra dentro… O filho da puta do motorista gozou tão forte que a Carlinha por baixo dele sentiu cada esguicho dentro do seu cu. E nisso ela pegou seu celular ali perto dela nesse banco traseiro e pediu pra ele tirar uma foto antes dele tirar o pau do seu cu fudido… ele fez, tirou a foto do pau dele enfiado no cu dela, e depois ela pediu pra ele tirar o pau e tirar outra mostrando a porra dele escorrendo pelo cu arrombado dela afora.

Chegando enfim no seu apartamento, Carlinha se despediu do motorista ainda no carro, pegando o contato dele, afinal, um safado que manda tão bem assim numa enrabada, mereve uma segunda vez, e claro que tarada como a Carlinha é, ela iria querer mais… Já lá em cima, dentro do seu apartamento e no seu quarto, a loirinha se livrou de toda a sua roupa e foi tomar um banho bem gostoso pra tirar do seu loiro corpo o cheiro e os resquícios do sexo recém provado na rua… e saindo do banho, no quarto, enquanto ela secava seu gostoso corpo nu e seus cabelos, eis que o seu celular em cima da cama chama, ela pegou e olhou, era ele, o pai da sua amiga… falando que estava lá embaixo no carro dele, na rua e dizendo que iria subir… e com o celular em mãos, ela rapidamente mandou pra ele as fotos que tinha tirado do pau do motorista dele enfiado na bunda dela, e acompanhada das fotos a seguinte mensagem:

 

– Hoje não! Estou ocupada!!

 FIM!!

Leia outros Contos de fetiche bem excitantes abaixo:

Professora negra gangbang

A longa noite do despertar de Carolina

9415 views

Contos Eróticos relacionados

Primeira fantasia do meu marido

Olá a todos meus queridos leitores,eu como havia dito no meu conto anterior (Sandra,a morena sedutora),eu havia deixado meu marido na época,o Helio,e retornado para minha cidade.Eu conseguira um...

LER CONTO

O Segredo de Aly

Quando Aly entrou na sala pela primeira vez, parecia que só eu a havia notado. Ela parecia um anjo caminhando entre as fileiras de carteiras, com sua pele tão clara quanto o seu cabelo loiro quase...

LER CONTO

Cunhada virgem deixou eu chupar seus peitos

Eu me chamo Carlos e minha namorada Vanessa, tenho 34 anos e ela 24. Vou contar como foi o dia em que chupei os peitos de minha cunhada virgem com a autorização de minha esposa. Vanessa e eu...

LER CONTO

Minha primeira fantasia e perdendo a virgindade do meu cuzinho

Olá meu nome é Ariel e venho contar pra vocês como foi usar fantasia com meu marido. Sou loira cabelo grande e enrolado tenho peitos pequenos porém lindos e uma bunda maravilhosa tenho 19 aninhos...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 2 + 4 = ?
ContosAdultos.Club - O seu site de Contos Eróticos
Se você gosta de ler contos eróticos ou contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.
© 2023 - Contos adultos