Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de fetiche » Poder e Prazer

Poder e Prazer

Publicado em julho 31, 2020 por Cristiano Silveira

M. (ou melhor, o Sr. M.) é o CEO de uma famosa multinacional, um homem cheio de poderes e responsabilidades, centenas de funcionários sob seu comando o tempo todo. Ele é conhecido nos ambientes sociais como sendo um cidadão modelo, bem-sucedido, com ótima situação financeira. Mas…

Mas ao chegar em casa depois de um longo dia de trabalho, assim que pendura o terno e desata o nó da gravata, uma coleira o espera. Isso mesmo! Uma coleira!
E segurando a guia, a mulher que ele apenas chama de “Minha Senhora”.
Ela é belíssima – ruiva, olhos verdes, 1,80m de altura, corpo perfeito, atlético – seios firmes, coxas grossas, macias. E MUITA vontade de castigar aquele escravo sem vergonha que acaba de se ajoelhar perante ela.

Continua depois da publicidade
 

– Vamos cachorrinho, venha se arrastando, de quatro, bem aqui para os meus pés
– Sim, Minha Senhora
– Mais rápido, vamos!

E ele obedece com imenso prazer, começa a se arrastar pelo chão como se realmente fosse um cachorro, aos pés de sua dona. Ela olha para baixo e pisa com força na cabeça daquele ser insignificante, sem dó nem piedade – o salto do scarpin pressionando e esfregando o rosto no chão. É hora de mostrar quem manda! Depois, ela põe a coleira no “vira-lata” e começa a arrastá-lo através da sala.

Continua depois da publicidade
 

– Vamos cachorrinho, siga sua Dona! Vamos!

Ela pega um chicote de couro com três pontas e começa a dar vários açoites, cada golpe cortando o ar com muita fúria sobre as costas, pernas e todo o corpo do escravo.

– Ahhhhhh! Eu vejo que você tá gostando muito dos castigos, hein! Esse pau duro não mente!!! Safado!!! Você me paga!!!! Vou preparar algo BEM interessante pra você!

Daí ela suspende o vira-latas pela coleira e começa a dar muitos tapas na cara dele, até ficar muito vermelha e ardida. Em seguida, arranhões no peito e costas, as unhas grandes parecem mais garras das aves de rapina. Ele grita MUITO – mas os gritos são de prazer, e quanto mais doloridos são os castigos, melhor fica! É assim que deve ser!

Na parede oposta da sala, há quatro correntes com prendedores para pernas e braços, a domme leva o cachorrinho para lá. Agora ele vai ficar exposto, mais vulnerável que nunca!

– Escravo safado!!!! Será que os seus pobres ovinhos aguentam o que eu vou fazer agora?
O sorriso maldoso no rosto dela expressa o grande prazer em fazer aquele homem sofrer e gritar e gostar dos castigos. E ele aceita tudo o que sua Dona mandar, tudo em nome da satisfação dela.

Antes que ele pense em abrir a boca pra dizer algo, vem o primeiro chute bem nos ovos – uma dor gigante sobe pro corpo todo. O sub grita, grita muito! Mas grita em vão, já que as paredes têm isolamento e ninguém ouve lá fora, ninguém virá pra salvá-lo. Ele está entregue às perversidades da bela ruiva.
Depois seguem- se mais chutes e socos, ela segura o saco e dá tapas em cada ovo, até ficarem muito roxos e inchados.
Com o chicote são golpes na cabeça do pau – parece até que vai rasgar no meio a cada nova porrada.

– Esse pinto tá duro demais, isso quer dizer que eu tô pegando leve contigo, é?
– Não Senhora…
– Vou te castigar MUITO até ficar mole!

Segurando os dois ovos, ela começa a espremer, apertar, puxar e socar, a dor fica mais e mais insuportável. E nisso a outra mão passa por debaixo da saia, a domme está sem calcinha e a buceta toda molhada – completamente excitada pela ação daquela noite. É hora de se masturbar gostoso, cada grito de dor deixa ela a ponto de gozar. Então não dá mais pra segurar, o gozo chega em ondas de prazer intenso, o corpo todo treme. Agora é ela quem grita, a satisfação é grande, não há como suportar!

– Meu pet!!! Que delícia te castigar!
– Obrigado Senhora!

Soltando as correntes, ele cai no chão, exausto. Não pode aguentar mais nada.
Aquela sessão foi uma grande prova para os seus limites.

– Abre as pernas, rápido! Agora!!!

A sola do sapato desce com violência sobre os ovos e pau já doloridos de tantos abusos. Depois vêm os saltos quase rasgando o saco, como se fossem facas – não adianta pedir por misericórdia, aquela mulher ataca com fúria nos olhos, ela não tem piedade!
Resultado: pequenas marcas vermelhas, feridas quase sangrando. Depois vêm mais chutes, a dor é forte e ele se contorce no canto da parede, a esperança inútil de escapar dos golpes.

Já cansada de tanto bater, senta num trono que está bem em frente

– Venha agradecer a sua Dona!!!!!!

O cachorrinho começa a andar de quatro, beija os pés de sua Senhora, feliz pela judiação intensa que sofreu. Ela abre as pernas e o escravo não tem outra escolha: começa a lamber e chupar aquela buceta molhada e cheirosa bem acima dele. Não demora muito, nova gozada – dessa vez muito mais intensa que antes!

Agora sim! Agora o dia do “Sr. M.” está completo! Submisso, escravizado, espancado e fazendo a sua Dona gozar gostoso. Isso é ser feliz!

11323 views

Contos relacionados

Podolatria no Telemarketing

Esse conto aconteceu na época que trabalhava em uma empresa de telemarketing do centro de São Paulo. Eu tinha entrado em uma empresa como atendente de telemarketing e lá existiam várias...

LER CONTO

Meu Primeiro Footjob. Me acabando com “L”

Olá amigos, é um prazer estar relatando à vocês meu primeiro conto. Se trata da primeira experiência que tive na prática do Footjob. Irei mencionar a mim como K e meu companheiro como L ...

LER CONTO

O Estagiario submisso

Olà,eu sou Rodrigo e vou relatar outra de minhas loucuras sexuais.... Era uma segunda feira e eu estava com muito tzão(era um daqueles dias que punheta nenhuma resolve) cheguei no trabalho e geral...

LER CONTO

A empregadinha negra gostosa

Com a pandemia, tive que largar meu emprego e virei professor particular, neste ano, comecei a ensinar uma garota, que morava distante da cidade, numa área bem afastada, seus pais normalmente não...

LER CONTO

MINHA ESPOSA ENLOUQUECEU. LEVOU UM MORADOR DE RUA PARA NOSSA CAMA, PARA FODER SEU CU

Beta acordou louca nesse dia! Queria de todo jeito trazer um morador de rua para nossa cama, para comer sua bunda. E do jeito que estava, suado e fedido. Que loucura do caralho. Essa eu jamais...

LER CONTO

Voyeur da filha

Eu estava perplexo, com as cenas que iam se desenrolando, a poucos metros de distância do local onde eu estava escondido. Carol minha filha tem apenas dezesseis anos,  sempre eu a vi como uma...

LER CONTO

Carol minha filha agora na suruba parte3

Eu descobri toda minha fraqueza perto daquele cara que percebeu o quanto eu era tão passivo fraco e covarde, então ele tomou conta da minha casa da minha filha se apossando de tudo que eu tinha na...

LER CONTO

Nunca desacredite dos rituais

Eu havia feito o ritual! Velas acesas, banho tomado..." eu te invoco succubus! Só por essa noite! Algo de momento! Nada duradouro... Deixe-me sentir o prazer de ter você! Deixe-me tentar te...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 4 + 5 = ?

Se você gosta de ler contos eróticos o contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.

© 2022 - Contos adultos