Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de incesto » Os pecados da carne

Os pecados da carne

Publicado em abril 15, 2021 por sinistro

ENTRE O CEU E O INFERNO A MUITO MAIS PECADOS QUE VOCE POSSA IMAGINAR.

Dez anos após acreditar, que exorcizara todos os demônios do seu passado, sóror Marli Regina retornou ao velho solar, onde nascera e habitara. Até ser levada por frei Inácio para um convento e seu pai encaminhado para uma prisão .

Continua depois da publicidade
 

Foram longos anos, em que muito penitente, lavou sua alma, espantando todos os demônios que assolavam sua alma e a vida pregressa que levara.
Ela retornava agora, para provar a si mesma, que não havia mais, nenhum resquício daquela Marli pecadora e incestuosa dentro dela, e que nenhum rancor, nenhuma magoa ficara, mesmo cheia de tremores voltara para perdoar, e ser perdoada, pelo homem que  quando ainda inocente ele violara, a quem ele a pervertera, induzira, e causara tanto mal, bem  verdade que   os demônios ainda pareciam assolar sua mente, e muitas noites ela tinha seus pesadelos atentando sua alma que somente eram afastados com muita penitencia, para que ela fugisse da  lasciva que muitas vezes teimava em invadir seu corpo.

Sóror Marli Regina, teria que enfrentar a maior batalha de sua vida, antes de se tornar madre superiora , encarar seu pai aquele que provocado por ela,  não resistiu aos seus encantos, e  por vontade dela a deflorou e a usou de todas as formas transformando-a em uma ninfomaníaca pervertida e insana, mas seria mesmo ele o culpado? Ele que passara sete anos atrás   das grades sem nunca procurar se defender sem nunca alegar inocência , assumindo toda culpa, de todos os fatos, sem que em nenhum momento a condenasse .

Continua depois da publicidade
 

Ao atravessar o  portão vislumbrou o velho casarão carcomido pelo tempo que aos poucos ia deteriorando,  e na soleira da grande porta de mogno, avistou , impassível estático Jabur o urso , sua careca reluzente a enorme barba branqueada pelo tempo, com uma calça rota gasta pelo tempo, uma camiseta regata que talvez um dia já fora branca deixava a mostra a quantidade de pelos que cobriam seu corpo o que lhe dava a alcunha de urso . no primeiro momento ele não a reconheceu, vestida naquele habito, pois desde que fora para prisão nunca mais soubera o paradeiro dela.

SO quando ela estava bem próxima, foi que ele a  reconheceu ,  , fitando a figura de sua filha, por um momento ele ficou estático,  seus olhos faiscaram, um turbilhão de pensamentos se passaram na sua mente.

Ela o fitou, percorrendo seus olhos  esverdeados  , por todo o corpo daquele senhor com mais de dois metros de altura, mais de cento e vinte quilos . suas vistas se turvaram, ela quase desfaleceu  , ao percebeu que ele estava tendo uma ereção  violenta, instantânea , somente por ver ela a sua frente , ele praticamente correu para dentro da casa se afastando, ela caminhava indo em direção até  ele, as malas já não estavam em suas mãos, ele continuava subindo de costas os degraus retrocedendo sem tirar os olhos dela, de frente para ela subindo as escadas ate o solar ela continuava seguindo-o lambia os lábios voluptuosa como se estivesse  alucinada , um riso sarcástico lhe escapava dos lábios, lagrimas escorriam dos seus olhos parecendo estar  possuída   por um demônio, aos poucos ela arrancava as peças do seu habito, que  estavam esparramadas pela escada que levava ao solar, entre soluços risos histéricos palavras obscenas   ela   já  totalmente nua implorava.

VOLTEI MEU MACHO, VOLTEI , VEM METER EM MIM VEM , VEM

SINTO O CHEIRO DO SEU PAU SINTO O CHEIRO DA SUA ROLA DO SEU CARALHO DO SEU CASSETE VEM, ME COMER VEM

O choro misturado com risos , dos olhos esverdeados escorriam lagrimas insanas. Suplicante ela de joelhos implorava pela verga do velho urso.

Jabur  torceu os bicos dos volumosos seios dela, um gemido de dor e de tesão escapou dos seus lábios   , com uma das mãos ele envolveu a vasta cabeleira dela ,  fazendo ela fitar  seus olhos, cuspiu em sua boca, introduziu dois dedos dentro  dela, e ficou entrando e saindo entre seus lábios,  afoita ela   rebuscou seu pau abrindo a braguilha dele .

Punhetou  aquela enormidade, lambeu a enorme cabeça arroxeada, cheirou aquela vara num frenesi intenso,  abocanhou primeiro a grande cabeçola,   mamou com deleite igual  uma bezerra, aquela rola engolindo aos poucos ele estocava com metidas lentas, mas  cada vez mais profundas ,e quando sentiu que ela engoliu tudo ficou estático ela segurou por longos segundos tudo aquilo na sua garganta até  lhe faltar o fôlego, deixou a pica escapar entre seus lábios e retornar começando a engolir tudo de novo, deixando uma baba pegajosa escorrer pelo queixo .

Com o pé ele acariciou sua vulva aveludada pela enormidade dos fartos  pentelhos que cobriam sua cona, um rio de seiva escorreu de suas entranhas sua buceta espumava formando borbulhas que umedeciam o pé dele. Urrou como um possesso despejando esguichos de porra que inundaram seu estomago escorrendo goela abaixo. Desferiu vários tapas no rosto dela e então gritou.

PUTA VADIA CADELA . PUTA SAFADA , MINHA CADELINHA, CADELA.

Ergueu ela com facilidade encaixou o mastro em sua buceta e fodeu ela em pé   que agarrada ao seu pescoço trançava as pernas em volta do seu dorso, chupava a língua  gemendo como uma cadela no cio totalmente insana.

Ele segurava com as duas mãos suas  nadegas , trazendo levando ela na pica. Ela gozava ensandecida os seus orgasmos eram incontáveis seguidos um atrás do outro, profundos, como se ela recebesse descargas elétricas pelo corpo que se arrepiava a todo momento num misto de luxuria e prazer indescritível , sentindo os mais intensos  gozos que ele estava lhe proporcionando.

Ele praticamente a jogou sobre a rústica mesa, continuou   fodendo ela, que toda arreganhada rebolava alucinada no cassete ,que entrava e saia da sua buceta   gemendo e suplicando
ME FODE ME FODE, FODE, FODEEEE
Ele urrou como um animal ferido desferiu   vários tapas em seu rosto e gozou copiosamente dentro dela que sentiu os esguichos de porra tocarem seu útero, insana ela gozava junto até  desfalecer e ficar molemente jogada sobre aquela mesa, as vistas estavam turvas pois quase perdera os sentidos
Mas rapidamente refeita, com um riso nos lábios ela docilmente murmurou
COME O MEU   CU VEM METE NO MEU RABO VELHO SAFADO,

Jabur o urso transpirava, por todos os poros do corpo. os pelos molhados, pelo suor, exalava um cheiro animalesco, que embriagava Marli Regina era o odor inesquecível que a dez anos ela não sentia , mas ela era capaz de jurar que reconheceria aquele cheiro entre mil outros sempre que seu olfato o sentisse.

Como se fosse um filme passando pela sua cabeça, sóror Marli Regina retornava as suas origens , quando ainda era aquela jovem que mal aflorava os seios, e já cavalgava com deleite na grossa e imensa pica do velho urso que ajoelhado sobre uma perna apoiava a outra quase junta a cabeça dela se preparando para   sodomiza lá , atendendo o pedido que partiu dela.

Deu três violentos tapas na bunda alva, que de quatro se oferecia, deixando marcas rosadas nas maravilhosas nádegas levou sua mão a boca dela que cuspiu nela e sentiu que ele lambuzava seu cu com a sua própria saliva .
pincelou o cassete nos sucos que escorriam da buceta misturados com a porra que ele mesmo depositara. transpôs sua mão esquerda entre o braço dela puxou ela pelo ombro com a direita começou a introduzir a cabeça do caralho naquele sitio que  a dez anos não era visitado, sóror Marli Regina deu um gemido de dor misturado com prazer, quando sentiu aquela enormidade arrombar seu esfíncter, mijou como uma cadela viciada sentindo seu reto sendo invadido pelo caralho que penetrava lentamente .

urrou alucinada ao sentir os grossos pentelhos se esfregar em sua bunda anunciando que a penetração era total, ele retesou os músculos apoiou – se, retirou quase a metade da verga voltou a penetrar e começou um galope forte com estocadas profundas rápidas seguidas irracionais, que levavam ela a um delírio insano gozando e gemendo sentindo-se arrombada dolorida mas tendo os orgasmos mais intensos de sua vida o ritmo era frenético ele metendo forte como um touro era rebolando no pau como a mais vil de todas as cadelas .
Dez anos de celibato sem nenhum contato sexual , onde ela se afastara de todas as tentações do mundo, não foram suficientes para afastar aqueles insanos desejos, que são os pecados da carne, que por instinto ainda povoavam sua mente e todas aquelas penitencias foram perdidas pois o desejo a tara e o prazer foram despertos ao sentirem o contato da pele que os unia naquele prazer doentio.

Agora ela tinha certeza, nunca fora soror Marli Regina, e sim uma puta incestuosa , masoquista que se privou por dez anos da luxuria, e que precisava mais do que nunca do velho Jabur urso, das fodas que somente ele poderia lhe proporcionar dos gozos que ele impunha a ela em copulas ensandecidas onde ela adorava, amava ser o objeto de prazer do seu sádico pai invadida pelo gozo animal que sentia alucinada gritou
DEZ ANOS PERDIDOS VEM ,VEM VAMOS RECUPERAR ESTE TEMPO  VEM ME  ARREGASSA  PAI…..

Parte superior do formulário

Parte inferior do formulário

17067 views

Contos relacionados

Virando puta de papai 2

Sou Fernando e fiz de minha filha Elaine puta submissa minha, agora vou relatar nosso segundo dia juntos, que acordei com café da manha ao lado da cama ela mamando meu pau pedindo leitinho da...

LER CONTO

os demonios da luxuria, parte1

Eu mais seis amigos, nos reunimos na minha chácara, todos os sábados para, jogarmos pôquer. Somos um grupo de viúvos, ou quase, dois  são divorciados,  somos muito entrosados , cinco jogam e...

LER CONTO

Filha dopando e abusando do próprio papai

Oi, meu nome é Jaque, tenho 21 anos, minha mãe morreu fazem cinco anos e atualmente moramos somente eu e meu pai em nossa casa, meu pai nunca teve outra namorada após a morte da minha mãe, mas...

LER CONTO

Dando pra meu irmão chapada

Olaaa,me chamo Melissa,Tenho 34 anos e venho relatar um ocorrido que aconteceu semana passada com meu irmão mais novo,sempre tive curiosidade de fumar maconha,e meu irmão mais novo é um maconheiro...

LER CONTO

Minha deliciosa afilhada – parte 1

Olá meus queridos leitores! Meu nome é Fernando e tenho 35 anos. Sou moreno, alto, corpo médio (nem gordo, nem magro), olhos e cabelos escuros. Não sou nenhum Brad Pitt mas tive várias mulheres...

LER CONTO

MEU IRMÃO, MEU GERENTE $$$$$$

Como contei anteriormente, meus irmão me iniciaram sexualmente.... O Mais velho me comendo, e o mais Novo descobrindo que eu tava dando pro mais velho... Tinha que dar para os dois. Nunca junto. ...

LER CONTO

Eu e minha irmã

Ola me chamo Bruna e vou contar uma historia real que aconteceu a alguns anos. Eu tenho 22 anos, sou morena, 1,65 de altura, seios grandes e fartos, bronzeada e tenho uma irmã mais nova. Seu nome é...

LER CONTO

Me Comprou com Dinheiro e Realizou Seu Sonho

Oi, meu nome é Nauana. A história que eu vou te contar hoje é real e eu sinto medo e tesão ao mesmo tempo por lembrar de tudo o que aconteceu e ainda está acontecendo na minha vida. Atualmente...

LER CONTO

1 - Comentário(s)

  • Palestra incesto 15/04/2021 18:24

    Papai incesto dotado

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 3 + 3 = ?

Se você gosta de ler contos eróticos o contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.

© 2022 - Contos adultos