website page counter
Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos eróticos de corno » NA REAL (02) relato verídico nomes trocados

NA REAL (02) relato verídico nomes trocados

Publicado em setembro 9, 2023 por JOÂO LUIZ

…. sequencia do NA REAL 01 …….

Então meu namoro com a Regina havia acabado, me encontrei com a prima diversas vezes, até que ela arrumou um corno pra ela. Regina também estava de novo corno, ela não ficava sem namoradinho.

Fui nesse período que minha bissexualidade aflorou de vez. Na pré-adolescência e adolescência, fiz algumas coisas, com um coleguinha Ubiratã da escola, que foi o primeiro, mesma idade, e poucos meses depois com meu colega Paulo, ela um ano mais, e já bem desenvolvido, foi bem ruim com o Paulo.  Então depois veio o namoro com Regina, e parei, não era mais atraído por isso. Mas então foi na ausência de namora, que esse sentimento voltou, inclusive chegou acontecer com um colega viajante, ele também gostava, e trocamos algumas vezes. Sempre que nos encontrávamos naquela cidade, a gente trocava.

Mudei de área de trabalho, perdi meu parceiro de troca troca, e logo logo arrumei uma namorada (Flavia), filha de uma cliente, a gente se conheceu na loja da mãe dela, depois por pura coincidência na praça da cidade, onde eu ficava depois do almoço fazendo hora pra voltar a visitar clientes, conversamos um tempão, rolou um clima e combinamos nos encontrar mais tarde. Foi na praça o segundo encontro, ela muito educada, querida, sorridente, achava linda também, dois anos mais nova que eu. Ela já tinha tido um namorado, por quase dois anos, chegou a confessar que sentia ainda saudade dele, que ele havia se mudado pra outra cidade super distante em outro estado, acompanhando o pai militar que havia sido transferido.

Acabamos conversando muito, fomos a um cafe, um point da cidade, tomar cafe, me apresentou amigas e amigos que ia até a mesa cumprimentar ela. No outro dia viajei pra outra cidade, combinamos que na próxima visita a cidade a gente ia com certeza se encontrar, fiquei de procurar ela. Foram longos 40 dias, até que voltei a cidade, passei na loja da mãe dela, deixei meu material pra ele examinar e pedi pra ele avisar a Flávia que eu tinha chegado na cidade. Nos encontramos na praça mesmo local do primeiro encontro, quando ela se aproximou, nos abraçamos e senti que ela me abraçava de corpo inteiro, adorei, ficamos poucos segundos abraçados.

Como eu tinha trabalho a fazer, combinamos nos encontrar a noite e que eu ficaria na cidade, era sexta feira, não precisava ir pra casa, ficaria lá e de lá, depois na segunda, seguiria meu roteiro de trabalho. “Hoje de noite, vc vai lá em casa me buscar pra sair” Flávia falou. Fui, e foi a noite dos horrores. Cidade média, sem muitos lugares pra ir, o conceito da cidade era de tranquilidade, segura, tanto que a gente podia ficar dentro do carro, estacionado e namorar, abraças, beijar, apalpar, etc,etc,etc. Assim estava com a Flavinha, estacionado em um dos lados da praça, quando fomos assaltados, bateram no vidro do carro, já mostrando a arma, fomos sequestrados em nosso carro, deitados no banco de trás, sem saber pra onde rodavam, talvez uns 30 ou 40 minutos, depois umas estrada de terra, até que num local super ermo, um casebre da madeira, fomos trancados em um quartinho, eles conversavam, quase tudo a gente ouvia, queriam dinheiro, discutiam voltar a cidade e abordar a mãe da Flavinha, eram três, vagabundos marginais, seguramente drogados.

Tinha um deles que pareciam ser o chefão, pq a ultima palavra era dele, então ouvimos um deles, “tô afim dela, super novinha, gostosinha” , e o chefão começou a rir, ” que bela ideia, eu também ” saíram da casa e ficaram conversando lá fora, então a gente não entendia nada. Poucos minutos depois, quando ouve um silêncio total antes, os três entraram no nosso cativeiro, eles tinham duas lanternas que iluminava tudo, o local ficava bem claro, viram até mim, examinara, a pulseira plástica que prendia minhas mãos, Flavinha estava , deitada encolhida na cama, com as mãos também presas pra trás com a pulseira plástica, foram direto nela, apertando seios, nádegas, um deles o mais violente, começou a rasgar a blusa da Flavinha deixou ele sem nada, pegaram e amassavam os seios dela, um deles chupava e mordeu pq ela gritou, Flavinha pedia tudo pra eles e chorava sem parar, um dele segurou a Flavinha pelos ombros e os outros dois, tiraram a calça leg que ela vestia, junto a calcinha, e logo começaram tirar a propria roupa, ficaram nus da cintura pra baixo, fui falar, queria gritar, recebi uma bofetada no rosto, que quase apaguei, fiquei super tonto, eles riam e comentava, “branquinha, bucetinha depilada, vamos ver o cuzinho dela” e virara ela de bunda pra cima, abrindo as nádegas, e colocando dedos nela, ela gritava chorava,  mas parecia que aquilo estimulava eles muito mais, eles ali, foram outra vez pre cima dela, um dele me puxou pelos cabelos, meio que me arrastou até a beira da cama, ” agora vc vai olhar, vamos comer a sua namoradinha ” já segurando ela , forçando as pernas o outro segurando outra perna e deixaram ela sem poder se mexer, um deles pulou pra cima da Flavinha eles largaram ela, que não tinha como escapar, um dele outra vez me puxando pelos cabelos, me bateu outra vez no rosto, ” é pra olhar, viado, olha tua namoradinha”, fui obrigado a olhar, tentava fechar os olhos, era outra bofetada, o cara um animal, esfregou devagar, rindo e estocou, super rápido, parecia com raiva, dai então a Flavinha meio que apagou, notei que ela depois do choque, já não reagia mais, estava mole sem se mexer.

Aquele primeiro, saiu de cima dela, ” não gozei, quero depois comer o cu da bonitinha”, o segundo subiu e foi com tudo também, rápido, forte, gozou em minutos, dai então o chefão, o cara um cavalo, aquela coisa dele nem ficava pra cima , mas estava duro, meio que caído, ele sacudia, subiu se ajeitando, ajeitou e Flavinha que acho que por instinto já estava se encolhendo outra vez, ” faz o veadinho olhar direitinho, pra ver como a namoradinha aguenta “, esfregou e tentou dar uma estocada forte, só que não deu certo, então ele segurando o pauzão, com a mão, ajudou a empurrar, o pau dele parecia meio mole, pq entortava, quando ele socava, socou algum tempinho, começou acelerar, e dai sim entrava com tudo, deu  um gemido alto, estava gozando, puxou o pauzão, todo melado, já bem mole dependurado.

 

Então o primeiro, “agora vcs seguram ela, vou comer o cu dela”, o chefão, “não,  não vamos embora deixa eles aqui”., o cara ” mas eu nem gozei, eu quero gozar no cu dela” o chefão, “já disse que não, deixa ela, então goza no cu do namorado dela, arromba ele” , o cara veio direto em mim, o chefão, “rápido, rápido, precisamos sair daqui”, o cara estava maluco, me empurrou eu com as mãos amarradas pra trás, meio que me deixou de quatro, soltou meu cinto baixou minha calça e cueca, com dois dedos me deu uma estocada que vi estrelas, logo em seguida, deu uma cuspida na mão e passou no meu cuzinho, senti encostar a cabeça e a estocada raivosa dele, não gritei, mas foi coisa de desmaiar de dor, ” eta cuzinho quentinho apertadinho, vai, vai, tô te arrombando gayzinho ” , socou, socou, felizmente logo gozou. Pulou ficou de pé, se arrumou e saiu, os outros dois já estava lá fora, ouvi eles saindo de carro. Levei muito tempo pra conseguir soltar minhas mãos, vesti minha calça e fui na Flavinha que parecia desacordada , encolhida na cama fedorenta.

Soltei as mãos dela, fiz ele se recobrar um pouco, ajudei ela a se vestir, saímos, sem nada enxergar, muito escuro, logo deu pra ver que estávamos perto a uma estrada, pelas luzes do carros e lá conseguimos carona pra cidade, a Flavinha não falava nada, eu protegia ela abraçando. Nos deixaram na esquina da casa dela. A mãe dela quase colapsou. Passei o resto da noite na casa da Flavinha, que apagou no quarto. A mão dela estava louca, queria matar todo mundo, consegui fazer ela se aclamar, queria fazer BO, convencia ela a quem sabe não fazer, pq e Flavinha ia ficar falada na cidade. Então no outro dia cedo, a mãe ligou pra ginecologista dela e levamos a Flavinha na casa dela. “Tá um pouco machucada, mas esse remédio vai ajudar, isso logo passa”. Consegui depois chegar no meu hotel, mas precisei dar queixa do roubo do meu carro. Ainda meu cu ardia, claro que eu não era mais virgem, mas aquele era um gigante aos que eu conhecia. Com um amigo no hotel, menti que estava com hemorroida, ele que também tinha, me deu o nome de uma pomada. Na segunda pela manhã, antes de sair passei na casa da Flavinha, subi no quarto dela, ela chorava quando meu viu, acalmei ela e fui trabalhar.

Nosso namoro continuou bastante tempo, mas era um namoro de dias por mês, era quando eu passava pela cidade dela. Passado um tempo, um colega meu, também viajante, que me viu com ela, no hotel, me chamou queria saber se era minha namorada, confirmei, ele demorou e então me contou que tinha visto ela com outro cara, num shopping pequeno que tinha na cidade. Sumi da vida dela, fiquei muito tempo sem visitar a mãe dela, que pra sorte minha, vendeu a lojinha.

Então, mesmo que tenha sido contra vontade dela, acabei sendo corno, sem culpa, por acidente, nunca contei pra ela que o cara tinha me arrombado…….

….segue NA REAL 03 ……

Leia outros Contos eróticos de corno bem excitantes abaixo:

Minha esposa e meu amigo planejaram uma suruba, Shika uma Ninfo

Minha namorada deu para EX na pandemia

9413 views

Contos Eróticos relacionados

Celene, enfim saciada até pelo marido I

Celene tinha se apaixonado por outro homem enquanto estava casada com Valter. Depois de muitas brigas e oposição de ambas as famílias, as duas contra Celene, eles se divorciaram e ela pode...

LER CONTO

A cozinheira carente

Com o advento da pandemia e do trabalho à distância, acabei por acostumar-me com o delivery de refeições prontas cuja rapidez e presteza atendiam às minhas expectativas. Acabei preferindo...

LER CONTO

Devorando a buceta da maezona

Devorando a buceta da maezona

LER CONTO
  • Enviado por: Admin
  • ADS

Chupando Boceta Da Priminha Sacana

Chupando Boceta Da Priminha Sacana

LER CONTO
  • Enviado por: Admin
  • ADS

Arrombando A Sobrinha Virgem

Arrombando A Sobrinha Virgem

LER CONTO
  • Enviado por: Admin
  • ADS

AJUDANDO O MARIDO A SER PROMOVIDO

AJUDANDO O MARIDO A SER PROMOVIDO. Ola, sou a Claudia, casada com o Fábio a 5 anos, tenho 25 anos e o Fábio 30 e temos uma filhinha de 4 anos e vou contar aqui uma história de traição para...

LER CONTO

DANDO A BUNDA DE LADINHO. CORNO FILMA TUDO.

Bom dia, queridos amigos. Olha meu sufoco aqui, de ladinho, recebendo um caralho grande e grosso no cuzinho. E meu corno filma e faz as fotos. Somos também um casal liberal e fazemos parte do site,...

LER CONTO

Noivo Tinha a Fantasia Mais quem se Realizou Foi Ela, depois de ser bem fodida…

Depois de vários contos aqui, sempre aparece um ou outro dizendo suas fantasias e desejos. O pior que sempre acontece de algumas dessas vezes nessas conversas rolar algo… Jorge entrou em...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 5 + 3 = ?
ContosAdultos.Club - O seu site de Contos Eróticos
Se você gosta de ler contos eróticos ou contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.
© 2024 - Contos adultos