Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de incesto » Minha filha é uma putinha | Parte 2

Minha filha é uma putinha | Parte 2

Publicado em setembro 15, 2019 por Sebastian

Olá, me chamo Sebastian, e minha filha chama-se Luana, tenho uma rola de 18cm, sou branco, alto, malhado, minha filha tem 1,65 cm de altura, é branca, e, assim como a mãe, tem seios médios e uma bunda grande, que chama a atenção por onde anda, para entender melhor a situação desse conto, leia a .

Comendo Minha Filha

Poucos minutos depois de eu chegar em casa, minha filha também entrou, para fazer uma cena dramática, surpreendê-la, por assim dizer, fiquei esperando no escuro e liguei a luz quando ela entrou, ela se surpreendeu, e tentou disfarçar:

– Oi, pai… o que o senhor está fazendo acordado?

– Onde você estava? – Eu disse, sério, mas eu estava mentindo, eu sabia exatamente onde ela estava e o que estava fazendo, mas queria ouvir isso dela.

– Eu estava com uns amigos, passeando por aí

– Passeando, é? E o que é isso no seu rosto? – O rosto dela tava sujo de porra, ali ela percebeu que não adiantava negar, já era óbvio

– O.k, eu tava transando com um cara

– É, sério? Com um cara? Ou com vários sendo toda arregaçada num beco por uma mixaria? – Ali ela se desesperou mais ainda, estava com a voz trêmula quando disse:

– Como sabe disso?

– Porque eu vi com meus próprios olhos, Luana! Vi você fodendo em um beco, pra toda a vizinhança ouvir, você acha isso normal?

– Isso não é da sua conta, é apenas minha vida profissional

– Profissional? Ah, então você admite que estava ganhando dinheiro com isso

– Sim, e muito! Além disso, o que andei fazendo não importa, não atrapalhou em nada a minha vida, sei separar muito bem o meu trabalho da minha vida particular

– Bem, então não vai se importar de dar pra mim, não é? Não se preocupe, eu pago

– Mas o senhor é o meu pai!

– Não tinha acabado de dizer que sabia diferenciar sua vida profissional da particular? Ou será que é só uma putinha com uma desculpa pra dar pra qualquer um?

– O.k, mas vai custar o dobro

– Porque eu sou o seu pai?

– Não, porque nesse horário, a oferta de tais serviços diminui, naturalmente, o serviço irá ficar mais caro, chama-se lei da utilidade marginal, o senhor quem me ensinou isso, pai. – Tirei da carteira 400 reais e coloquei na mesa, coloquei a minha pomba pra fora e encarei ela com um sorriso

– Vamos começar? – Ela veio caminhando lentamente, retribuindo o meu sorriso, ajoelhou-se, segurou firme no meu pau e começou a masturbá-lo, colocou na boca a cabecinha, e lambia levianamente, de repente, começou a colocar ele todo na boca, usando ela como se fosse uma vagina, eu segurei atrás da cabeça dela e comecei a meter, acho que ela havia começado a se engasgar, e por isso me empurrou

– Você é bruto, hein, pai?

– Calada, putinha, você ainda não viu nada – Levantei-a e a carreguei pelo meus braços até o quarto de hóspedes, apesar de minha esposa e meu filho estarem em casa, não tinha com o que me preocupar, pois sabia que eles não ouviriam nada dali, joguei-a na cama, me despi enquanto ela me olhava, quando percebi que ela não estava fazendo nada, eu disse:

– Tá esperando o quê? Fica de 4, vadia – Ela obedeceu, abaixei o short e a calcinha que ela estava usando, e enfiei dois dedos dentro da buceta dela, esfreguei eles dentro daquela xana e depois tirei, sujo de porra, e mostrei pra ela, falando:

– Tá vendo? Essa é a prova de que você é uma putinha, que só vive dando esse rabo, tentando apagar esse fogo no cu que você tem, estou errado?

– Não, não está

– Então você deve tá louca pra dar pra mim, não é?

– Sim, por favor, me come logo, não aguento ficar sem dar – Enfiei minha rola no cu dela, ela reclamou:

– Não, no cu não! Dói muito!

– Silêncio, falou que queria dar, agora aguenta – Eu comia o rabo dela sem dó, tava sensacional aquilo, fiquei alguns minutos fodendo o cu dela, tirei meu pau e falei:

– Agora você vai cavalgar, sua puta – Ela se levantou, tirou o short e a calcinha que estavam presos a seus pés, e também tirou a blusa, agora ela estava completamente nua na minha frente, eu me deitei na cama e ela veio de joelhos, até ficar entre o meu pênis, pegou ele e enfiou na buceta e começou a cavalgar, ela rebolava como ninguém, parece que essa era uma área que ela entendia muito bem, rs, ela também quicava no meu pau, que delícia, mandei ela parar:

– Agora, engula minha porra – Ela saiu de cima do meu pau, afastou-se um pouco, de joelhos, caiu de boca no meu pau, chupando como se a sua vida dependesse disso, eu gozei na boca da minha filha, que visão, ver a boca daquela putinha cheia da minha porra.

Clique aqui para ler a parte 1 desse conto de incesto

4100 views

Contos relacionados

Tesão por minha mãe (real)

Oi, Sou Guga. Venho através desse novo texto detalhar e esclarecer para vocês entenderem melhor a situação que rodeia a mim. Nesse conto seguirei a história do primeiro, ou melhor irei detalhar...

LER CONTO

Meu sobrinho é diferente e transei com ele

É ferias escolares, época de descanso para maioria. Claro! Faz muito tempo que terminei meus estudos e hoje me dedico a minha família. Minha filha Violeta de 18 anos e meu marido Eduardo que...

LER CONTO

Não resisti e comi minha filha adotiva

Vou contar abaixo minha história, não foi um incesto, mas minha consciência pesa como se fosse, além de acabar traindo minha esposa e desrespeitando meu amigo. Oi, me chamo Rafael, meu nome de...

LER CONTO

Eu e minhas primas gostosas

Enviado por: Dinho Bom dia a todos (as) que gostam de ler contos reais a respeito de experiencias vividas pelos diversos tipos de pessoas. Mas vamos ao que interessa! A pouco tempo descobrir um...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 3 + 2 = ?

Se você gosta de ler contos eróticos o contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.

© 2019 - Contos adultos