Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de incesto » Minha deliciosa afilhada – parte 1

Minha deliciosa afilhada – parte 1

Publicado em setembro 7, 2020 por Fernando Sousa

Olá meus queridos leitores! Meu nome é Fernando e tenho 35 anos. Sou moreno, alto, corpo médio (nem gordo, nem magro), olhos e cabelos escuros. Não sou nenhum Brad Pitt mas tive várias mulheres ao longo da vida.

Continua depois da publicidade

Na minha adolescência conheci Mônica. Aos poucos a gente foi se conhecendo e posso dizer que Mônica e eu nos tornamos o mais próximo possível do que pode-se chamar de amizade entre um homem e uma mulher: éramos muito próximos, companheiros, mas nunca rolou atração sexual entre a gente.

Mônica teve três filhos, duas meninas e um menino. Era muito católica e acabei sendo padrinho de uma de suas filhas: Sophia.

Continua depois da publicidade

Alguns anos depois de batizar Sophia, Mônica entrou para uma igreja evangélica. Embora estivesse em outra religião, ela fazia questão de manter o apadrinhado. Queria que eu a chamasse de comadre e insistia que Sophia viesse pedir a bênção a mim. Acabou se tornando muito apegada à igreja e levava Sophia e seus outros filhos para o mesmo caminho.

Os anos passaram e hoje Sophia é uma garota linda: cabelos loiros escuros, olhos verdes, pele clara, um rosto bem angelical. Era um pouco tímida e acanhada. Dois três irmãos era a que menos dava trabalho para mãe e ia bem na escola. Sentia orgulho de ser seu padrinho. Sempre a tratei com respeito e carinho e mantínhamos uma relação bastante amigável.

Em um “belo” dia, ao estacionar meu carro na rua e ir caminhando para o trabalho, fui atropelado por um motociclista. De sorte não foi nada muito grave, mas passei três dias internado no hospital.

Ao sair do hospital ainda estava um pouco debilitado. Um dos meus ombros estava doendo e se recuperando, fato que me dificultava fazer algumas atividades domésticas.

Para me ajudar, Sophia pediu à sua mãe que a deixasse vir à minha casa uma vez na semana para me ajudar com as tarefas do lar, já que eu era solteiro e morava só.

– Ótima idéia, Sophia! Vá lá ajudar seu padrinho, ele tá precisando e vai gostar muito da tua ajuda – disse a mãe dela.

Ficou combinado dela vir à minha casa no sábado para me ajudar. A casa era um pouco grande, tinha duas suítes, um quarto de hóspedes, sala, cozinha, escritório, um banheiro social bem grande, varanda, jardim e piscina. No primeiro sábado ela veio e fez uma faxina geral, lavou minhas roupas e passou, fez o almoço. Deixou tudo arrumado, a casa ficou um brinco. Almoçamos juntos e por volta das três da tarde ela voltou para sua casa. Antes de ir lhe dei um abraço, um beijo no rosto, agradeci e foi embora.

Ao lhe abraçar, por um breve momento senti seus seios encostando no meu corpo, e aquela sensação inédita me deixou brevemente excitado.

Na semana seguinte ela veio novamente, às oito horas já estava em casa. Só que os produtos de limpeza tinham acabado e eu havia esquecido de comprar. Disse a ela que iria ao supermercado e, como era sábado, poderia demorar e passar bastante tempo na fila.

Tinha um supermercado perto de casa e, miraculosamente, não tinha quase ninguém. Em quinze minutos comprei tudo e voltei.

Cheguei em casa e, para minha surpresa, ela estava só de calcinha e sutiã dançando funk na sala, onde tinha um espelho bem grande. Ela rebolava a bundinha, ia até o chão e ficava se olhando no espelho. Mexia o quadril como quem tá sentando numa pica. Aquela cena me deixou de queixo caído. Estava muito sensual, nunca imaginei que minha afilhada tímida e evangélica dançasse funk.

Quando percebeu que eu estava ali, parou imediatamente, desligou o som e saiu correndo para o quarto, envergonhada. Colocou seu vestido e veio falar comigo:

– Desculpa padrinho, não pensei que fosse voltar agora.

– Tudo bem, Sophia, não precisa pedir desculpa, tá? Pode ficar a vontade. Ah, e saiba que você dança muito bem, viu?

Ela ficou corada e sorriu.

– O senhor não fala nada pra mamãe, tá bom? Ela não vai gostar de saber que eu tava dançando funk aqui.

– Pode ficar tranquila, minha querida. Não vou dizer nada a ela. Até porque, se eu digo, certamente ela não vai mais deixar você vir aqui e vou acabar perdendo minha ajuda dos sábados.

O dia foi passando e não falamos mais nada, cada um ficou na sua. Depois que ela foi embora à tarde, relembrei da cena dela dançado funk. Nos meus pensamentos ela dançava em câmera lenta. Por debaixo daqueles vestidos folgados e sem graça que ela usava, existia um corpo delicioso: seios medianos e durinhos, uma bunda bem generosa, pernas grossas, parecia ter uma xaninha bem apetitosa. Minha afilhada estava se tornando uma linda mulher. Não me contive e, pela primeira vez, bati uma longa punheta pensado nela. Eu vou dizer uma coisa pra vocês: o capeta atenta!!

Na terceira semana, meu ombro já estava bem melhor. Habituei-me à minha diarista gratuita dos sábados e perguntei pelo whatsapp se ela podia continuar vindo. Ela disse:

– Claro que sim! Se eu não for vou ter que fazer as coisas aqui em casa de qualquer jeito. Sua casa é bem legal, e posso ter um pouco da sua companhia.

Ela nem sonhava como aquilo me deixava animado.

No sábado ela veio e arrumou a casa como das outras vezes. Só que dessa vez fiquei observando-a mais: passava pela sala sem propósito algum, ia várias vezes na cozinha só para abrir e geladeira e ter uma desculpa para vê-la de perto ou puxar qualquer assunto banal. E me surpreendia como ela fazia tudo com zelo e cuidado.

Depois do almoço, já no meio da tarde, ela ficou deitada na rede da varanda, olhando para o jardim, pensativa. E eu fiquei dentro de casa só admirando aquele anjo bem na minha frente. Fiquei secando-a com meus olhos e pensei em fazer uma massagem naquele corpo delicado e sexy. Eu já disse pra vocês que o capeta atenta??

Aproximei-me e disse:

– Você parece um pouco cansada, Sophia. Vem cá que eu vou fazer uma massagem pra você relaxar um pouco.

– O senhor sabe fazer massagem?

– Acho que não me saio mal. Vem que você vai descobrir.

Pedi que sentasse no sofá. Ela ficou sentada de lado e eu também me sentei de lado por trás dela, de modo que as minhas pernas davam uma volta em seu corpo. Iniciei a massagem pelos seus ombros, descendo aos poucos pelas costas com movimentos sutis.

– Hum, que relaxante – ela soltou.

Levei a minha mão até o seu pescoço e braços; sua pele era como uma seda, e quanto mais eu a massageava, mais ela suspirava.

– Seu namorado não ia gostar nada de me ver assim com você – provoquei.

– Eu não tenho namorado padrinho, minha mãe não deixa. Eu ainda sou BV.

– O que é BV? – indaguei.

Ela deu uma risada e disse:

– O senhor não sabe o que é BV??

– Não faço idéia.

Ela virou a cabeça pra traz e disse baixinho:

– Boca virgem.

Não tinha namorado e nunca tinha beijado na boca.  A pureza em forma de pessoa estava em minhas mãos agora. Era virgem em todos os sentidos e aquilo fez explodir minha cabeça.

Ela começou a dar mais suspiros com a massagem que eu fazia e instiguei:

– Tá gostando da massagem, Sophia?

– Tá ótima, o senhor tem mãos muito boas.

– Obrigado, mas a massagem fica melhor com um óleo de amêndoas que eu tenho. Vou no meu quarto buscar.

Fui rapidamente ao quarto e peguei um óleo aromático especial para massagem. Era vermelho, e o cheiro era uma mistura de jasmim com canela.

Voltei para sala e falei:

– Pra eu poder passar o óleo nas suas costas é melhor você tirar o vestido.

– Não, padrinho, tenho vergonha – ela falou meio sem jeito.

– Não precisa ter vergonha, é só pra eu passar o óleo nas suas costas.

Depois de hesitar um pouco ela falou:

– Tá bom, mas fecha os olhos. Vou baixar meu vestido e vou deitar aqui de bruços.

Fechei os olhos e, quando falou para eu abrir, já estava deitada e com a parte de cima do vestido baixada, deixou a parte de baixo ainda.

Sua costa era branquinha, não tinha nenhuma marca, apenas um sinal próximo ao pescoço. Estava usando um sutiã preto e minha vontade era de tirá-lo em breve. Derramei um pouco de óleo costas e comecei a espalhar. Fazia movimentos bem suaves e relaxantes.

– A massagem agora tá melhor – ela sussurrou.

– Tá gostando? Vou fazer nas suas pernas também, ok?

– Ok.

– Vou tirar seu vestido pra facilitar, tá bom?

– Tá bom, mas não vai ficar olhando pra minha bunda, viu?

– Pode deixar – disse sorrindo por dentro.

Tirei o vestido dela bem devagar, e a vista era maravilhosa: tinha uma bundinha bem redondinha e dava pra perceber que tinha grandes lábios bem salientes por debaixo daquela calcinha amarela. O que eu queria fazer naquele momento? Arrancar aquela calcinha ferozmente, mas me concentrei na massagem novamente.

Passei óleo em toda sua perna e pés. Enquanto massageava sua coxa, sorrateiramente passava minha mão por sua bunda, para ver sua reação. Ela não disse nada e permaneceu imóvel. Voltei para os pés dela e fiz uma massagem caprichada.

– O senhor é um ótimo massagista, meu padrinho, tá muito bom.

– Que bom que você tá gostando. Agora vira e deixa eu massagear um pouco sua barriga e o lado da frente das suas pernas.

– Eu tenho cócegas na barriga, melhor não.

– Vou massagear só suas pernas então. Vira pra eu continuar.

Ela virou e a vista era melhor ainda. Queria percorrer minha língua por todo aquele corpo, mas era cedo ainda.

Passei o óleo na parte da frente das suas pernas continuei os movimentos. Levei minha mão displicentemente perto da sua xaninha, quase que acidentalmente. Deu pra perceber que ela não se depilava, provavelmente por causa da sua religião, mas aquilo não era nenhum problema pra mim. Passei minha mão novamente pela região de forma mais demorada e ela rapidamente afastou minha mão e disse:

– Aí não!

Voltei a passear minha mão pelas suas pernas, dessa vez por dentro das suas coxas. Dava pra notar que ela tava gostando, pois dava uns gemidinhos de leve. Outra vez passei minha mão por cima da sua calcinha, ela deixou ficar alguns segundos a mais, mas tirou novamente, dessa vez sem dizer nada. Depois de dar mais uma volta pelas suas coxas, posei minha mão sobre sua bucetinha e comecei a fazer uns movimentos bem delicados. Dessa vez ela não tirou minha mão do lugar.

– Nossa, o que é isso? Que delícia! Aaaah…

– Você nunca vez isso? Nunca se masturbou? – perguntei incrédulo.

– A gente não faz essa coisa feia, o pastor diz que é pecado.

Não se masturba mas gosta de dançar funk, pensei comigo. Continuei alisando sua buceta, que começou a ficar molhadinha. Tentei colocar minha mão dentro da sua calcinha. Ela tirou minha mão mas pude sentir os pelinhos molhados. Fui aumentando o ritmo aos poucos, ela abriu suas pernas e não parava de gemer; aquilo me deixava com muito tesão. Em pouco tempo sua calcinha estava toda encharcada de melzinho. Começou a se contorcer e os gemidos baixos estavam se transformando em pequenos gritos, até que ela soltou três gritos bem fortes e parou de se mexer.

Estava bem ofegante. Sophia ficou de olhos fechados por algum tempo, respirando fundo, aproveitando aquele momento. Estava curtindo seu primeiro orgasmo.

Abriu os olhos, levantou e disse:

– É melhor eu ir embora.

Já estava começando a escurecer. Ela colocou seu vestido, se arrumou e fui embora sem me dizer nada.

Fiquei ali parado e pensando: Puta que pariu, o que foi que eu fiz? Será que ela vai falar pra sua mãe? Se ela dissesse, eu tava fudido, Mônica ia ficar puta da cara comigo e com certeza não ia deixar nem eu chegar perto de Sophia.

Tirei esse pensamento da minha cabeça e fiquei ali relembrando aquele momento mágico. Que delícia de ninfeta. Minha mão ainda estava toda molhada, aproveitei e bati uma bem dada pensando nela.

No dia seguinte não nos falamos. A semana ia se passando e nada de Sophia falar comigo. Não me mandou nenhuma mensagem. Também fiquei na minha. Será que ficou chateada? Será que ainda viria no próximo sábado?

(continua)

9235 views

Contos relacionados

O dia que comi a cunhada gorda

Outra vez eu relatei como eu trepei com minha "sogrona". Desta vez venho a relatar como tirei o cabaçinho da minha cunhada. Minha cunhada tem 20 anos, 160m altura, uns 100kg, um par de seios que...

LER CONTO

Comi minha sobrinha safada no sofá da sala

Meu nome é Francisco, tenho 42 anos, a história que eu vou contar a seguir é do dia que eu comi minha sobrinha gostosa de apenas 19 anos de idade. Todas pessoas da minha família são...

LER CONTO

Minha mãe me ajudou a comer minha irmã

ESTA HISTÓRIA QUE VOU RELATAR ACONTECEU A 8 MESES ATRÁS, ANTES DE CONTAR COMO MINHA MÃE ME AJUDOU A COMER A MINHA IRMÃ VOU FALAR DA MINHA REAÇÃO COM MINHA IRMÃ. TEMOS 8 ANOS DIFERENÇA MAS...

LER CONTO

Meu sogro me comeu dentro do carro

Meu nome é Larissa, tenho 25 anos e hoje vou contar a história do dia em que meu sogro me comeu dentro do carro parado na beira da BR. Certo dia eu estava na parada de ônibus quando de repente...

LER CONTO

CAPÍTULO 2 – O SONHO VERDADEIRO… ABUSANDO DA KAROL ENQUANTO ELA “DORMIA”

Karol é minha prima que é dois anos mais velha que eu, na época devia ter uns 17 anos e eu 15... Karol era a típica camarão, não era muito bonita (apesar dos olhos verdes), mas tinha (e ainda...

LER CONTO

Familia incestuosa (irma mais velha)

Olá vou relatar aqui algo que aconteceu a pouco tempo entre eu e minha irma mais velha, não vou falar nossos nomes aqui porque temos um relacionamento incestuoso até hoje, mas enfim vamos lá,...

LER CONTO

2 - Comentário(s)

  • Leonardo 14/09/2020 13:20

    Olá, gostaria de conversar sem preconceitos e julgamentos com mulheres que curtem, desejam ou praticam incesto, conversar de forma respeitosa, expor nossos desejos mais secretos. meu e-mail

  • juan Pablo Gomes Lescano 09/09/2020 12:08

    Excelente. Eu amei. Tenho uma única afiliada. Sou louco por ela. Ela também é evangélica.

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 1 + 3 = ?

Se você gosta de ler contos eróticos o contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.

© 2020 - Contos adultos