Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos eróticos verídicos » Fui arrombada pelos meus advogados no escritório deles depois do Julgamento.

Fui arrombada pelos meus advogados no escritório deles depois do Julgamento.

Publicado em abril 15, 2021 por Vanessa

Bom, inicialmente, meu nome é Vanessa, sou uma ruiva de olhos verdes, peitos grandes e siliconados, magra, cintura fina, coxas grossas e uma bunda grande, redonda e bem durinha.

Fui casada dos meus 18 até meus 22 anos, fora os anos que a gente tinha namorado. Para vocês terem ideia, ele tinha sido o único homem com quem eu tinha fodido, até a data da minha separação. Acabei pedindo o divórcio depois que meu marido resolveu me trair com uma secretária de 18 anos que trabalhava em nossa empresa.

Continua depois da publicidade

Depois da separação, resolvi virar uma bela de uma puta. Comecei a fazer todas as putarias que vocês imaginarem, até coisas que eu só vi em filmes, resolvi imitar, como diz uma amiga minha, “Você está sentando em mais rolas que uma atriz pornô amiga”

Então, como vocês vão ver ao longo do próximo relatos, fiz muitas putarias mesmo. Portanto, vou contar a primeira grande putaria que eu fiz, que inclusive aconteceu logo no mesmo dia que saiu o meu divórcio.

Quando descobri que ele me traiu, nem pensei duas vezes, e já pedi a separação. É claro que não foi apenas por isso, mas foi o motivo principal. Além das crises de ciúmes que ele tinha comigo, por ser muito gostosa. Então, como fiquei com muita raiva, resolvi escolher como meu advogado, um negão, lindo, gostosão, que era nosso vizinho no prédio. Era um cara que vivia trocando olhares comigo, confesso que sempre achei ele um tesão de homem, mas nunca trairia o meu marido.

Continua depois da publicidade

Como ele vivia brigando comigo, dizendo que eu ficava me mostrando para o negão de biquini na piscina, resolvi falar com ele para fazer o meu processo de separação. Confesso que no mesmo dia que entrei no escritório e comecei a trocar uns olhares com ele, já tive vontade de pular naquele negão.

Enfim, conforme a gente ia conversando, eu via que ele não tirava os olhos dos meus peitões, claro, eu também estava com um decote bem generoso, já que estava separa e queria mostrar meu corpão. Repetidas vezes eu o via olhando meus peitões, e percebi que gostava dessa sensação. Comecei a me debruçar sobre a mesa, com os peitões quase pulando da blusa e ele viu que fiz de propósito.

Depois disso, ele começou a rir, e olhava descaradamente para meus peitões. Chegou uma hora que ele me olhou e disse o seguinte:

– Vanessa, tem uma geladeira ali, por que você não pega uma bebida para nós? Já que você está gostando tanto de mostrar os peitões para mim, desfila essa bundona pelo escritório.

Eu toda putona, só dei uma risadinha, levantei-me, virei a bundona na direção dele, e sai rebolando toda safada, dei uma agachada, deixando minha bunda empinada na direção dele, como naquelas cenas de filme pornô, onde a garota mostra o fio dental atolado na bunda. Então, peguei uma amarula que tinha na geladeira, voltei rebolando bem safada enquanto ele só sorria vendo a cena. Cheguei bem perto dele, quase com os peitões na cara dele, servi e voltei para minha cadeira. Ele ainda sorrindo só falou:

– Sorte a sua que a gente está no meu escritório em com muita gente lá fora, se não, eu teria arrancado esse vestido agora mesmo em Vanessa.

Aí, eu toda cadela respondi assim para ele:

– Se você ganhar a minha causa, faço questão de vir aqui novamente, e cobrar essa sua promessa…

Tomei um gole daquela amarula, toda sexy, e ele só me respondeu:

– É mesmo ruiva? Quero ver se vai cumprir essa promessa então!

Só dei uma risadinha e ficou por isso mesmo. Nossa, quando cheguei em casa, eu estava com a buceta pingando, mas completamente melada! Minha vontade, era ter ficado pelada na mesa dele e pedindo para ele meter em mim sem dó!

Enfim, fiquei uns 2 meses falando com ele só pelo WhatsApp, até chegar o dia do julgamento. Assim que acabou o julgamento, o juiz deu causa ganha para nós, e na mesma hora ele já me olhou com aquela cara de safado. E claro, eu o respondi com a minha cara de putona.

Assim que saímos, ele já chegou do meu lado, praticamente pegando na minha cintura e dizendo no meu ouvido:

– Espero que não tenha esquecido da sua promessa…

– Está querendo essa ruiva pelada no teu escritório para te servir uma bebida é?

– Sim, e sei muito que você está louca para ficar pelada lá no meu escritório (falou isso já com a mão na minha bunda) mas meu sócio deve estar lá agora também, então ele pode aparecer e ver você pelada na sala sabe…

Nessa hora, acho que ele falou isso achando que eu daria para trás, ou testando até onde eu estava disposta a trepar com ele e disse:

– Bom, já que é assim, pede pra ele dispensar a secretária de vocês, assim eu posso servir vocês dois com mais privacidade (assim que terminei de falar isso, apertei o pau dele por cima da calça. Soltei o pau dele e falei mais) Só vou até minha casa, colocar uma roupa mais confortável.

Fui até minha casa, escolhi uma lingerie vermelha, que ficava toda atolada no meio da minha bundona, e com os peitões quase pulando para fora. Joguei um vestido por cima e fui para o escritório dele. Isso, era umas 16:00 horas.

Assim que cheguei, já estava meio vazio o escritório, mas a secretária dele disse que ele já estava me esperando. Ela pegou as coisas dela e saiu. Acho que o advogado, dispensou ela mais cedo, para a gente não ser incomodado.

Entrei na sala, e ele estava apenas com uma cueca branca, sentado no sofá do escritório com um copo de whisky na mão. Nossa, eu bati o olho, o pau dele estava meia bomba, mas deu pra ver que era uma rola grande e grossa. Assim que ele percebeu que ele deu uma secada na rola dele, ele riu e disse:

– Olha só, a ruiva gostosa está louca pelo meu pauzão preto em Vanessa?

Ele se levantou, soltou o copo e veio na minha direção, chegando bem próximo, pegando na minha cintura, puxou para perto dele e começou a me beijar. Nossa, que tesão, era o segundo homem que eu tinha beijado na vida. Fiquei toda molhada na mesma hora. Então, ele parou de me beijar, olhou para mim e disse:

– Não era bem isso que combinamos em Vanessa…

Eu me afastei um pouco dele, tirei o vestido ficando só com a lingerie, que mal escondia alguma coisa, fui até o sofá, fiquei toda arreganhada para ele, mostrando bem a buceta e disse:

– Você disse que me deixaria pelada… não vai cumprir a promessa?

Nossa, ele veio com tudo para cima de mim, me beijando com gosto, segurando meus peitões, apertando-os, deslizando com a mão pelas minhas coxas esfregando o dedo na minha bucetinha enquanto eu gemia igual uma louca.

Então, ele me virou de costas, soltou a parte de cima da lingerie, deixando meus peitões para fora. Ele me encoxou, dava para sentir aquele pau grosso no meio da minha bunda, enquanto ele apertava meus peitões, os bicos deles, e lambia meu pescoço ao mesmo tempo.

Nessa mesma hora, eu escuto a porta abrindo, era o outro dono do escritório de advocacia, que tomou um suto quando me viu quase pelada e o negão com o pau duro quase furando a cueca encostado na minha bunda. Aí ele soltou meus peitos, sentou-se no sofá, e falou pro outro cara:

– Cara, lembra que eu te falei que ia trazer uma ruiva puta para o escritório? Essa é a Vanessa. Vai lá puta, cumprimenta ele (terminou de falar isso e me deu um tapão na bunda)

Me senti uma bela de uma vagabunda nessa hora, praticamente pelada com dois machos desconhecidos na sala, um deles me batendo e me chamando de puta e eu adorando isso tudo… Sai rebolando pela sala, cheguei perto do cara e fui direto dando um beijo na boca.

O cara nem perdeu tempo, já foi com as duas mãos na minha bundona. Apertando, passando a mão e passando o dedo pelo meu rego até que chegou no meu cu. Ele já forçou o dedo pro lado, e deu uma cutucada no meu cuzinho, e eu na mesma hora soltei um gemido. Nessa mesma hora, ele falou pro negão:

– Escuto o gemido negão? Já se ligou né? A ruiva está precisando de alguma coisa nessa bundona em! Ajuda ela aqui negão!

O negão se levantou, tirou a cueca botando aquele pauzão preto e grosso pra fora chegou me encoxando e disse:

– Tu nem sabe cara! Essa putinha ruiva só teve um macho na vida! Eu e você vamos ser o segundo e terceiro a foder ela…

O outro cara olhou nos meus olhos, pegou no meu peitão e disse:

– Nossa Ruivinha, então agora você vai ser a nossa putinha (falou isso apertando o bico do meu peitão) Agora putinha, se ajoelha, vamos dar o que tu precisa.

Me ajoelhei no meio dos dois, eles ficaram pelados e começaram a bater com as rolas na minha cara. Nossa, fui uma puta humilhação, mas o tesão de ser a puta deles tava demais. Nessa hora, o negão pegou o pau, encostou na minha boca e mandou eu chupar.

Peguei naquela rola e comecei a mamar ela como se fosse a última rola do mundo. Chupava com vontade! Babando na rola, pressionando-a com os lábios, nossa, eu estava adorando. Nisso, o outro cara me pegava pelos cabelos e mandava eu mamar o pau dele. Fiquei fazendo esse rodízio de rola até que o negão me levanta, arranca o resto da minha lingerie, me deixando pelada e me leva até o sofá.

Me coloca praticamente d4, com a bundona toda arrebitada. Vem por traz de mim, e começa a esfregar o pau na minha buceta, só pra me fazer gemer e pedir pra ele meter. Ele pegou a cabeçona daquele pau preto, botou só ela na minha buceta, tirou, me fez soltar um gemido e disse:

– Vai ruiva! Pede pro negão, pede o que tu quer! Fala que tu quer meu pauzão nessa bucetinha

Meu tesão era tanto que só respondi:

– Vai negão, arromba minha bucetinha! Fode essa ruiva que tanto tu secou lá no prédio…

Só escutei ele falar “que puta gostosa” e socou aquele pau na minha buceta. Me tirando um grito com gemido. Era muito maior que do meu ex-marido, entrou me alargando toda. Nem tive tempo de gritar, quando o outro cara veio, pegou no meu cabelo e forçou minha boca no pau dele e falou:

– Cala a boca e chupa minha rola sua puta! Tu queria dois paus! Agora toma! Vai negão, castiga essa cadela…

O Negão segurou na minha cintura e foi metendo sem dó, até que a pica enorme dele começou a entrar bem de boa. Desse momento em diante, os dois me foderam de tudo que é jeito naquele escritório. D4 no sofá, no chão, me jogaram pelada na mesa e meteram em mim na mesa também, até me foderam apoiada na janela, olhando para a rua e tomando pau na buceta.

Depois de horas sendo fodida pelo dois, me jogaram na mesa do negão, aí, o amigo dele veio por cima de mim, mirou com o pau nos meus peitões e começou a gozar neles. Já o negão, pegou, colocou o pau na minha cara e me encheu de porra! Sem brincadeira, foram uns 6 jatos de porra! Fez quase uma máscara de porra na minha cara. Eu nem conseguia abrir os olhos. Ficaram os dois me olhando, pelada na mesa e toda cheia de porra.

Sentaram-se no sofá bebendo um pouco só me olhando. Quando comecei a tirar a porra dos olhos, já bem cansada, já que nunca tinha feito nada assim. Lavei meu rosto, olhei para minhas coisas, aí o negão disse:

– Ei ruiva, pensa que vai aonde? Essa foi a primeira rodada! Ainda nem arrombei esse teu cu.

Achei que ele tava brincando, pensei que eles não iam aguentar foder mais, virei minha bunda para os dois e disse:

– Tão esperando o que, quero vocês aqui dentro (falei isso puxando as bandas da bunda e piscando meu cu)

O outro cara jogou o copo no chão, e veio com tudo na minha direção só falando:

– Vem negão, vamo arromba essa puta agora!!!

Ele me jogou no chão mesmo, me mandou ficar d4, arrebitando a bunda. Cuspiu no meu cu e falou:

– Negão, vou comer o cu dela antes, depois tu deixar ela bem arrombada! Pra ela sempre querer ser nossa putinha ruiva!

Ajeitou o pau no meu cu, e meteu. PQP, que grito que eu dei! Ele deu um tapão na minha bunda, mandando eu calara a boca, que ele o meu cu agora era dele. Ele fodeu meu cu por uns 20 minutos no chão, até que levantou, tirou do meu rabo, e me levou até a mesa. Mandou eu me debruçar. Claro que obedeci. Ele encaixou o pau no meu cu e me fodeu por mais um tempo até quando senti ele me apertando forte. Tirou o pau do meu cu, veio na minha boca, enfiou o pau nela e gozou tudo na minha boca. Nesse momento do pau dele gozar na minha boca e me enchendo de leite, senti as mãos do negão na minha bunda, cuspindo no meu cu e começou a enfiar aquele monstro no meu cu.

Nessa hora, quase me afoguei com a porra, pq o pau do negão era muito grande e muito grosso, pois eu queria gritar. Mas não teve jeito. Engoli a porra toda e só sentia aquele mostrou me arrombando por quase meia hora. Só então, eu percebi que eu tava tão arrombada, que sentia ele batendo com as bolas no meu rego, tava enfiando quase as bolas em mim quando ele segurou bem firme na minha cintura, soltou o corpo grande dele em cima de mim e comecei a sentir os jatos do pau dele enchendo meu cuzinho arrombado de leite.

Assim que ele saiu de cima, tirando o pau do meu cu, ele ficou tão arrombado, que ficou pingando porra do meu cu no chão dele. Eu tava tão cansada, que fiquei ali, arrombada nessa posição, debruçada na mesa por alguns minutos, e os dois rindo.

Então, resolvi levantar, pedi onde era o banheiro. Tomei um banho rápido. Peguei minhas coisas e me despedi deles dizendo que essa seria a primeira de muitas transas que eu teria com eles. E claro, os dois fizeram questão de dizer que a partir daquele momento, eu era a vadia ruiva deles.

Bom, essa foi o primeiro relato de várias transas que eu tive. Ainda tenho muitas outras para contar. Se alguém quiser conversar comigo vou deixar meu e-mail aqui:

[email protected]

23069 views

Contos relacionados

Meu primeiro conto – A madura negra

Boa tarde a todos ! Meu nome é Rodrigo , tenho 36 anos , mineiro e casado atualmente. O que aconteceu foi real e recente. Sempre tive vontade de conhecer uma mulher madura e ao mesmo tempo uma...

LER CONTO

Traí meu namorado

(Versão dela) Este fato foi descrito por ela em um outro site, como ela me mandou e autorizou estou postando aqui. O fato aconteceu nos ultimos 7 meses de 2016, pra mim foi um ano dificil cheio de...

LER CONTO

Minha Amiga e Sua Namorada – Parte I

Olá a todos. Me chamo Marcelo. A história que eu vou contar aconteceu quando eu estava no terceiro ano do ensino médio. Tinha os meus 17 anos, cerca de 1,68m, era bem magrinho, cabelos longos...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 5 + 1 = ?

Se você gosta de ler contos eróticos o contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.

© 2021 - Contos adultos