website page counter
Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de fetiche » Barbaries – relatos de guerra

Barbaries – relatos de guerra

Publicado em abril 7, 2022 por sinistro

Hafsia despertou, no meio da noite aos prantos, assustada, pois estava tendo mais um pesadelo, dos muitos que assolavam sua mente, a chuva era intensa os trovões pareciam lembrar o estrondo de bombas, seu corpo estava tremulo ela acendeu um cigarro e viajou em suas lembranças.

Os horrores da guerra já iam distantes, quinze anos tinham se passado. Más as lembranças eram nítidas, como se tivessem sido ontem e o número do seu prontuário no  braço esquerdo, não deixavam ela jamais esquecer as atrocidades que passara nos campos de concentração.

Radicada no Acre, junto com seu esposo o professor Gabor, um húngaro ,que lecionava na cidade , a antiga prisioneira de guerra, vivia uma vida modesta, morando numa chácara a quinze quilômetros da cidade, tentando esquecer seu sofrido passado, mesmo que muitas vezes acordava, e aquelas lembranças assolavam sua mente a deixando inquieta, estranhamente excitada ao ponto de se sentir totalmente molhada, mas ela guardava a sete chaves todos os horrores e segredos que passara, mesmo que muitas vezes suas lembranças vinham a tona como um filme passando ante seus olhos e por mais que tentasse era impossível esquecer as marcas que ficaram dentro dela .

O ronco do motor do carro, chegando na propriedade, a tranquilizou pois era uma noite chuvosa, a estrada de terra não era propicia para trafegar, mas finalmente Gabor estava de volta, e para surpresa dela, ele tinha companhia, um senhor de feições nórdicas, que quando ela cruzou o olhar com ele, quase que Hafsia desfaleceu , como aquilo fora possível ela estava frente a frente com seu algoz, o cruel general Klaus medico da famigerada gestapo , que tanto a torturou naquele campo onde ele fazia pesquisas sobre as mentes e comportamentos humanos, tento um prazer mórbido em ingerir drogas em suas cobaias as deixando totalmente viciadas e dependentes , para sentir a reação delas e assim ele conseguia desfrutar de seus corpos e dominar suas mentes as convencendo com muita persuasão a fazerem suas vontades, pois obedecer suas ordens era a única maneira de tentar sobreviver.

Nem percebeu a fala do seu esposo, explicando que o carro daquele senhor ,ficara encalhado na curva do ribeirão, e com a forte chuva que caia era impossível prestar socorro, sendo então a única saída oferecer hospitalidade para o senhor Stevison um suíço que tinha terras algumas milhas a frente.

Ela praticamente não entendera nada, mas atordoada foi fazer um desjejum para ambos enquanto eles conversavam e bebiam na sala de estar .
Hafsia fitava aquele homem, e um misto de ódio e tesão percorria seu corpo, algo que ela não conseguia explicar pois se em seus olhos havia asco e aversão por ele, mas seu corpo estava todo arrepiado e seus mamilos entumecidos , seus fluidos umedeciam sua calcinha que estava totalmente ensopada.

Passava da meia noite, tanto o professor Gabor como o senhor Stevison davam mostras de estarem levemente embriagados, quando ela atendendo ao pedido do marido se aproximou trazendo outra garrafa de vinho ,quando subitamente Hafsia desferiu uma garrafada certeira na cabeça do senhor Stevisom fazendo ele sucumbir estirado no assoalho .

Ela já tinha preparado tudo e com desenvoltura o sentou na cadeira manietando-o com cordas de varais nos pés e braços que ela os prendeu nas suas costas

O QUE E ISTO VOCE FICOU LOUCA?

Proferiu o professou, um sonoro cale a boca, ela gritou enquanto retirou sua calcinha introduzindo-a na boca do homem, e envolveu com fita crepe, deixando ele amordaçado, depois de sentir que ele estava completamente dominado, foi que ela começou a falar para o professor Gabor, que aquele homem era o seu carrasco o algoz que a violentou e torturou, por quase dois anos quando ela estava prisioneira.

O professor pedia calma pois ela tinha que ter certeza que aquele era o homem, pois muito tempo já se passara , se realmente fosse ele , então chamariam as autoridades para entrega-lo , pois abominava a ideia de fazer justiça com as próprias mãos. O professor se gabava de ser um homem justo, que abominava violência pois nunca ferira nem mesmo um pássaro .

Ela parecia possessa e esbravejou que concordava com ele, pois aquele maldito teria que pagar todos os seus crimes, ser julgados por eles , más que ela só o entregaria as autoridades após ele confessar todas as barbáries que ele a fizera passar o seu sofrimento sua luta para permanecer viva e a mulher que ele a tinha transformado.

O senhor Stevison tinha voltado a si e seu olhar era de pânico tentando se desvencilhar das amarras .

— CONFESSE, VOCE É O DOUTOR KLAUS, GENERAL DA GESTAPO, SEU FILHO DA PUTA, VOCE ME TRANSFORMOU NAQUILO NÃO FOI ?

Ela o acusava ele encolhido com a boca amordaçada negava sacudindo a cabeça veementemente.

A chuva aumentara de intensidade e com certeza não iria passar deixando aquela noite ainda mais tétrica e sinistra com seus relâmpagos e trovões .
Então ela retirou sua mordaça e esfregou a sua calcinha úmida pela saliva dele no seu nariz proferindo lembrou do meu cheiro? maldito sentiu o meu sabor?

–Senhora ele balbuciou deve estar havendo um engano sou suíço e moro aqui a treze anos e podem verificar tenho terras e vendo madeira para exportação nunca estive na guerra pois meu país era neutro podem pedir todas as informações as autoridades , senhora está me confundindo eu juro.

O professor Gabor ficou constrangido diante daquele homem que jurava inocência e até mesmo se apiedou dele, daquele olhar pedindo misericórdia, pairando dúvidas sobre o comportamento de sua esposa que estava insana parecendo mesmo não estar bem mentalmente .

Hafsia irredutível bradava verme você me usou maldito fez de mim o que bem quis me viciando você aos poucos me drogava todos os dias, deixando eu completamente viciada e em troca da droga eu aprendi forçadamente a gostar de tudo aquilo a te obedecer , você queria me ver gozar, falava que meu rosto ficava lindo quando eu gozava, e se eu não fizesse suas vontades você me negava a minha  picada de heroína, que cada vez você aumentava mais , pois me deixou dependente da droga totalmente viciada, e fazia eu fumar ópio para eu me sentir bem, e ficar delirando totalmente excitada por um prazer mórbido me induzia a sentir, um desejo incomum me entregando totalmente a você e a todos que você ordenava, com o tempo não sei como eu aprendi a gostar de tudo aquilo .

Eu me entregava como uma vil prostituta, e você dizia que eu era sua mais bela criação, puramente para seu prazer, filho da puta, e eu cada vez mais aceitando suas vontades, obediente e dependente de você,  do meu vicio, eu fazia tudo que você queria maldito , ouve aquela orgia em que me fez deitar com sete soldados para um show que seus amigos assistiam e disse que eu gozei do jeito que você queria que fui muito bem , você se lembra?, maldito canalha.

Foram dois anos de luta internada numa clinica em Londres para me curar do vicio das malditas drogas que me impôs estou limpa agora não sinto falta delas, mas não estou completamente curada, as drogas não me fazem falta, más ainda sinto vontade de foder , foder como você sempre fodia comigo .

Você ainda quer foder comigo meu macho quer me levar em orgias e bacanais de novo, quer? eu ainda quero isto tudo de novo , sinto falta do teu pau eu ainda lembro como você metia tão gostoso em mim .
O professor Gabor estava incrédulo com o que ouvia da boca de sua esposa imaginando ela em todas aquelas situações, e sem nem perceber estava tendo uma ereção incomum ouvindo ela se expressar de tal maneira, uma onda de ciúme e inveja começou a invadir sua alma.

Você é louca mulher eu nunca te fodi nunca, nunca te toquei, ele gritou a plenos pulmões .

Seu monstro, você me exibia naquele salões, onde havia outras mulheres todas se entregando como vadias, para salvar suas vidas, também dominadas por mentes doentias iguais a sua, todas manipuladas por vocês imundos, eu era sua favorita, pois cantava dançava e rebolava me despindo da maneira que você me treinava, para satisfazer teu ego tuas vontades pois eu era tua criação você me inventara monstro  monster  monster, confesse seu monstro.
Confesse você me torturou me obrigou me induziu você me drogou e me prostituiu abusou de mim seu canalha se aproveitou das minhas fraquezas.
Porque fez isto comigo? seu puto, porque você me enfeitiçou? ,porque ?

aquele poder todo sobre mim , maldito , como foi que você conseguiu me envolver de tal maneira.

Nunca ,nunca jamais eu seria capar de tal coisa eu sou um ser humano bom . eu sou bom sou normal , louca louca , ele balbuciou.

Fala maldito fala como você me chamava qual era o nome que você me deu como foi que me convenceu ,pois eu aprendi a gostar daquilo porque? fala porque ? eu gostava tanto .

Eu não sei nunca soube não fui eu demente , louca, senhora acredite não fui eu juro.

você me chamava de hund eu era a hund sua cachorra não era .
O senhor Stevisom, suava que escorria por todos seus poros, o professor Gabor tentava acalmar, convencer sua esposa a chamar as autoridades quando o dia amanhecesse , mas ela irônica dizia que aquela estrada ficaria intransitável por vários dias e ela precisava de uma confissão , e possessa ela gritava confesse, confesse canalha , insana Hafsia ordenou ao professor Gabor
dispa as calças dele, tira, deixe eu ver o pau dele, mostra a rola dele pra mim .
O que ? você está louca . Ele bradou, faça o que eu estou te pedindo vamos, faça vamos seu covarde, me ajude.

Ele maquinalmente como um robô a obedeceu, incrédulo ele encontrou entre as vestes do homem, uma luger nove mm, arma que fora usada na guerra pelo exército alemão, ela pouco se importou com isto pois estava com olhar fixo no pau do senhor Stevison, lambendo a língua, parecendo estar em êxtase, com a respiração ofegante , também ficou nua ali na frente deles, e num alemão fluente dizia MEIN MANN vou te chupar, deixa eu te chupar , a ereção dele foi violenta instantânea espantosa, ela de joelhos sentiu o cheiro do macho, e pensou comsigo mesma que reconheceria aquele cheiro entre outros mil odores, mamou a cabeça do pau, babando , olhando nos olhos dele apertando os próprios bicos dos seios, gemendo como se fosse uma cadela no cio, parecia mesmo que ela estava latindo , então ela esfregou sua buceta com a sua mão, a seiva escorreu entre seus dedos, ela então levou eles até os lábios dele, que urrou como um condenado, e lambeu e sorveu os líquidos que escorriam, lagrimas caíram dos seus olhos, chorou e gritou histérico.

Gargalhando possesso, numa loucura insana, completamente possuído talvez por mil demônios, ele gritou hure , nutte, nutte, hure e implorou senta nele cadela senta no meu pau vadia , senta minha hund senta no meu pau ,PUTA senta gostoso, vagabunda, vagabunda, ela envolveu seus braços no pescoço dele, e sentou de súbito de frente para ele sentindo o pau entrar de uma vez na sua buceta molhada que escorria seus líquidos rebolou e grunhiu idêntica a uma cadelinha e ele gritava minha hund minha hund vagabunda, puta, puta vagabunda quanto tempo, quanto tempo cadela .

Ela sentiu o gozo dele ,que esguichava seguidas golfadas de porra lavando seu útero, e tremendo ela tinha orgasmos seguidos, gozando igual uma cadela , o professor Gabor estava pasmo, pois nunca imaginara Hafsia ser capaz de tanta bestialidade.

Perplexo ele gozara em sua calça, sem nem ao menos se tocar só de ver as expressões que estavam estampadas no rosto de Hafsia ,que estava em outro patamar, delirando chorosa proferindo impropérios, rebolando os quadris sentindo ondas de prazeres envolvendo seu corpo, como Gabor nunca a vira antes.

Como um robô ele se dirigiu ao local onde guardara a arma , e voltou com ela na mão caminhou como se estivesse em transe fitou o rosto do coronel Klaus que estava com os olhos fechados tendo um gozo supremo um êxtase profundo, , colocou a luger na testa dele e deu um único disparo o estampido ecoou os miolos do coronel Klaus voaram para longe, Hafsia completamente em estado alfa, ainda tinha estertores de gozos e seus orgasmos transbordavam por todos os seus poros quando o professor a retirou de cima do cadáver que permanecia com o pau dentro dela ,Gabor de olhos arregalados proferia em seus ouvidos
acabou meu amor acabou  esquece  este  monstro que tanto mal te fez , ele não merecia viver, acabou.

Este e um conto de ficção , obra puramente imaginada pelo autor , nada sendo real portanto.

Leia outros Contos de fetiche bem excitantes abaixo:

Fudendo gostoso com a mulher do meu tio!

Ensinando safadeza a uma ninfeta

6189 views

Contos Eróticos relacionados

Minha vizinha me levou a ser rapariga do asfalto

Eu tenho 40 anos mas ainda sou bem conservada e minha vizinha tem 38 e muito bonita... Ela me chamou para irmos fazer ponto em uma avenida que os garotos e garotas de programa costumam ganhar dinheiro...

LER CONTO

A primeira vez do Cadeirante Gay – Parte 2

Aqui estou novamente para dar continuidade aquela aventura que aconteceu dentro do ônibus de viagem. Se você perdeu o início desta história vale a pena ler o primeiro conto baseado em fatos reais....

LER CONTO

Fiz cocô na roupa e dei para o coroa

Oi amores,me chamo Aline e esse é meu segundo conto no site,tenho 19 anos,sou morena 1,68 bumbum grande durinhos e seios médio. Moro com minha irmã mais velha e me formei no ensino...

LER CONTO

Comendo a Putinha do Condomínio na Sauna

Olá a todos. Me chamo Marcelo, tenho 21 anos, mas na época em que essa história aconteceu eu tinha 17. Eu havia acabado de me mudar, ia morar com o meu pai no Rio de Janeiro. Nós morávamos em um...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 5 + 1 = ?
ContosAdultos.Club - O seu site de Contos Eróticos
Se você gosta de ler contos eróticos ou contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.
© 2023 - Contos adultos