website page counter
Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de incesto » Anjo ou demónio

Anjo ou demónio

Publicado em outubro 6, 2022 por sinistro

Nunca em sã consciência eu poderia imaginar tudo o que vem acontecendo na minha vida, me separei a cinco  anos atrás  ,  fui morar numa chácara a quinze minutos da cidade, virou rotina todos os fins de semana minha filha vir ficar comigo.

transformei um dos quartos numa suíte Letícia ficou muito lisonjeada de ter um local só dela. Posso jurar que nunca antes eu tive qualquer desejo sexual por ela, que completara dezesseis  anos .

Graças a este mundo virtual ela tem conhecimentos admiráveis. Que chegam a me espantar com seu jeito cheio de sabedoria, falando abertamente sobre todas as coisas, porem lelé sempre desconversava quando   indagada sobre se tinha algum um namoradinho , eu me espantava que ela com aquela idade não nutria desejos como muitas garotas os tem com bem menos idade que ela.

Leticia jurava que nunca fora tocada , por nenhum garoto, dizia que detestava estes moleques da sua idade,  Isto me despertou muita curiosidade , pois ela era uma menina de mente aberta  algo não encaixava   .

Seus cabelos longos amendoados seus olhos castanhos  misteriosos atrás das lentes de grau de óculos que davam a ela um ar intelectual , seios  exuberantes ,seu corpo esguio de pernas longas falsamente magras,  sua pele alva como algodão lelé tinha muita beleza .

Tudo isto  notei naquele noite em que antes de se recolher para ir dormir, ela como sempre veio me dar selinhos , eu estava sentado vendo TV quando ela se sentou na minha perna, envolveu  meu pescoço  percebi que não eram simplesmente selinhos eram beijinhos mais demorados, senti algo estranho dentro de mim  notei que ela me beijava de olhos fechados.

Eu poderia ter afastado ela   dar uma bronca pelo jeito atrevido  que estava se comportando, mas algo  fugiu do normal, uma  estranha sensação , se apossou de mim, então  comecei a corresponder aquele beijo , suguei seus  lábios levemente testando suas reações , ela  ficou com a respiração acelerada montou sobre meu colo seus peitinhos durinhos se esfregavam no meu tórax  se   apertando contra meu corpo envolvendo meu pescoço fortemente com seus braços.

Uma ereção instantânea, fez com que meu pau ficasse como um ferro em brasa, com certeza ela percebeu pois estava sentada sobre ele, impensadamente de4scontrolado , e forcei minha língua  entre seus lábios ela abriu sua boquinha , chupou minha língua dando languidos gemidinhos abafados, eu procurava o céu da sua boca com a ponta da língua ela tentava enroscar a dela ,parecendo estar em transe eu afagava seus cabelos enquanto era ela agora  me oferecia sua linguinha  que serpenteava dentro da minha boca.

Levantei sua blusa acariciei  seus seios que despontavam  como duas peras  macios sedosos , ela deu um rouco gemido quando eu os afaguei , a virei de lado a abracei  segurei ela como um bebe em meus braços e a carreguei  para a  cama.

Deitei ela carinhosamente entre os lençóis, retirei sua blusa deixando a mostra seus peitinhos brancos de aureolas rosadas , vi os salientes biquinhos nunca antes tocados endurecidos, pontudos coloquei o peitinho dela todinho dentro da minha boca, suguei eles que ficaram marcados, mamei aqueles biquinhos virgem . Ela se contorcia seu corpo estava todinho arrepiado sua boca estava entre aberta , respirava ofegante com dificuldades agarrada a mim.

Eu mantinha parte do meu corpo fora da cama deixando ela desfrutar somente do meu tórax e rosto ao seu alcance, as minhas pernas fora da cama , meu pau se esfregava na lateral do coxão , o que já me provocara um prazer  intenso. Confesso que estava amedrontado com tudo aquilo mas eu já tinha avançado demais então tremulo com a voz embargada eu indaguei.

–Leticia é isto mesmo que você quer.

—  SIM , SIM É ISTO MESMO QUE EU QUERO, ISTO E MUITO MAIS.

Aquela resposta espantou todos os temores  que eu ainda tinha , como um predador  ataquei minha presa.

Tirei minha camisa  deixei ela percorrer com seus dedos meu peito peludo , Lele com os olhos fechados e  voz chorosa pedia.

ME BEIJA ME BEIJA .

Ela delirava chupando minha língua, com uma habilidade espantosa para alguém que nunca havia beijado antes, eu estava despertando os instintos sexuais de uma fêmea no cio na minha cria .

Carinhosamente tirei seu short, deixando-a  somente com uma minúscula calcinha azul claro que realçava a brancura do seu corpo nu, eu lambia seu pescoço a deixando arrepiada , com a língua molhada eu passava nos seus ouvidos deixando suas orelhas encharcadas de saliva ela sentia uma tremenda excitação , dava gemidos chorosos ,  a cada toque nas zonas erógenas  do seu corpo.

Desci meu rosto lambendo sua barriga, ela se contorcia , rebolava puramente por instinto. Deu um grito estridente quando cuspi  no seu  umbigo , fiquei fazendo movimentos circulares nele, a língua chafurdada na minha própria  saliva, estimulando ela cada vez mais, uma mancha em sua calcinha demonstrava que de suas entranhas já escorriam seus fluidos , eu somente a puxei de lado , provei o mais sublime de todos os elixires do mundo o néctar que escorria dela era adocicado,  eu sorvia ruidosamente lambuzando o queixo  boca, entrando até  mesmo pelas  narinas, ela estava tendo seu primeiro real e verdadeiro orgasmo, que percorreu seu corpo provocando algo como descargas elétricas por ele, que convulsava como se estivesse sofrendo um ataque epilético seu rosto contraia a cada espasmo de gozo que sentia.

Ela perdeu o controle sobre seu corpo, seus quadris rebolavam como se tivessem vida própria, sua língua serpenteava entre seus lábios , seus gemidos chorosos eram insanos, de quem estava sentindo um êxtase  profundo .

Ela chorava copiosamente como se estivesse levando uma surra ,  soluçante minha filhinha gozava e chorava de prazer ao ser tocada, eu sabia que naquela menina nascia  naquele momento um vulcão de prazer e luxuria.

Letícia continuava com as pernas abertas, eu admirava sua pequena gruta rosada seu pequeno grelo que intumescido despontava pontudo tal qual um botão de rosa, pulsar  tremulo  se movimentando involuntário com movimentos rotatórios sendo capaz de enfeitiçar quem curtisse este momento, confesso que aquela visão me levava a um delírio de insanidade.

Meu anjo tinha a respiração ofegante seu coração estava acelerado, débeis gemidos soluçantes escapavam dos seus lábios, lagrimas teimavam em escorrer  dos seus olhos mas seu choro, seus gemidos  era lascivo luxurioso ,idêntico ao  ganido de uma cadelinha no cio.

Com seu braço esquerdo ela tampava os olhos, pudica e sensual , sua outra mão estava sobre minha cabeça e seus dedos enrolados nos meus cabelos , doce como um anjo aquele demônio levava minha cabeça entre suas pernas  conduzia minha língua para sua pequena racha murmurando impropérios.

CHUPA , CHUPA PAIZINHO , CHUPA VAI CHUPA NO GRELINHO MAMA MAMA NO MEU GRELINHO.

Alucinado cai de boca serpenteando minha língua, querendo invadir suas entranhas, suguei ruidosamente seus fluidos, que emanavam como um néctar nunca antes provado seu gosto era algo indescritível mas eu poderia jurar que seu sabor seria inconfundível para mim por toda a eternidade.

Mordisquei seu grelinho pontudo fazendo com que ela se contorcesse com espasmos de gozos .  Só então ousei colocar meu dedo na entrada daquela bocetinha, mesmo lubrificada pelos seus líquidos vaginais  , eu tinha dificuldades em penetrar seu canal pois eu estava rompendo as paredes virgens dele, toquei com suavidade aquela membrana que impedia  prosseguir.

fazia contato com seu lacre tocava   seu cabacinho , com cuidado  fui retirando meu dedo para não romper sua virgindade , ela gozava copiosamente, seu corpo estava todo arrepiado , ela suava por todos os poros do corpo, seus cabelos estavam umedecidos .

Igual uma loba no cio. Lele  murmurava  palavras indefinidas , parecia estar em transe como se alguma entidade tomasse seu corpo .

Alucinada ela choramingava com sua voz entrecortada.

ME COME ,AGORA  ME COME, VAI ME FODE , ME FODE.

AINDA  hoje eu não sei como conseguia me controlar,  retardava cada vez mais a hora de entrar nela , desfrutando aqueles inusitados momentos como se  estivesse no paraiso.

Sua bocetinha se contraia , parecia que mamava meu dedo,  mastigando  ele como se fosse  uma boquinha faminta.

Fui tentando colocar dois dedos dentro dela , fitei aquele rostinho lindo contraído num misto de dor e prazer.

Movimentei meus dois dedos preparando a entrada da sua grutinha , que aos poucos ia cedendo ficando cada vez mais  larga .

Ora eu a masturbava , ora eu a chupava deixando-a alucinada .

Meu pau pulsava como se tivesse vida própria, aos poucos a preparava, sem mostrar ele para ela temendo que ela se assustasse com o tamanho pois sou bem dotado.

Meus dedos chafurdavam nos sucos que escorriam dela , eu senti que era o momento de penetrá-la ,coloquei  dois travesseiros em baixo da sua bundinha pois queria fitar aquele rostinho se contraindo se desmanchando de prazer e dor ao mesmo tempo sentindo sua bucetinha sendo arrombada.

Meu pau pingava minha pré porra quando esfreguei ele na sua rachinha melada misturando nossas lubrificações , aquela cadelinha de pernas abertas ansiava por ser desvirginada.

Ela se contorcia gemia fazendo beicinho  , quando eu coloquei a cabeça do pau na entrada da sua bocetinha, receoso eu não forçava a penetração com medo de machuca-la.

Mas a sensação de calor que exalava  era como se uma brasa viva estivesse  queimando meu pau , eu tinha a nítida impressão que sua bocetinha mamava na minha rola tentando engolir ela.

Então eu forcei lentamente , senti que aos poucos  ia invadindo aquela grutinha pois metade da cabeça do meu pau já penetrara ela que tinha o rosto contraído sentindo o arrombamento dolorido de suas entranhas, lagrimas escorriam dos seus olhos , ela soluçava dando languidos gemidos, mas não era um choro de desespero agoniado  , era sim  um choro luxurioso prazeroso  de quem estava  adorando chorar  e gemer num  cassete  , eu  não enxergava minha filhinha sendo deflorada e sim uma putinha pedindo para ser arrombada. A cabeça do meu pau já estava dentro dela que tinha as pernas enroscadas nas minhas coxas ,eu curtia aquele momento como o mais sublime de toda minha vida , cada milímetro dentro dela era uma sensação indescritível que somente quem já provou pode descrever.

senti que meu pau tocava sua membrana , fiquei mais uma vez parado pois seu rosto contraído demonstrava dor , pacientemente eu esperei ela relaxar , Leticia   balançava a cabeça de um lado para o outro, parecendo alucinada, temi  que ela não iria  suportar aquela invasão que estava rompendo seu lacre , mas fiquei alucinado quando dando fogosos gemidos ela me puxou  fincando seus calcanhares no meu dorso , aos gritos implorava.

ENFIA , ENFIA,TUDO TUDO,  VAI ME ARROMBA.

Insano eu empurrei com força senti meu pau arder quando encontrou aquele  obstáculo, forcei  rompendo  seu hímen  , ela gozou insana misturando dor e prazer ao mesmo tempo, seus quadris se movimentavam meu pau pulsava dentro dela , continuei empurrando entrando dentro dela,  até sentir meus pentelhos se esfregando nos seus  pelinhos acobreados. Eu estava completamente dentro dela , fiquei extático parado sem mexer um musculo si quer   deixando somente  a rola pulsar dentro dela, sem fazer nenhum movimento, gozei copiosamente dando esguichadas seguidas , lotando sua bucetinha com minha porra, me sentindo um deus desfrutando os prazeres do Olímpio .

Retirei lentamente o pau deixando somente a cabeça dentro , o cassete pingava seus sucos misturados com minha porra num tom rosado, provocado pelo sangue do seu cabacinho rompido.

Voltei a penetrar ela agora um pouco mais rápido, sentindo sua bucetinha encaixar no meu pau, comecei a meter  entrando e saindo  cada vez maus rápido ,  meu saco batia na sua bundinha como se  estivesse dando palmadas nela, não pude me conter  comecei a estocar forte  cada vez mais forte mais fundo,  agora insano  desejava entrar no fundo de sua alma.

Dei um grito animalesco quando gozei novamente , Letícia se  prostrou de tanto sentir prazer,  eu sentia sua bocetinha, igual uma boquinha ainda mamar no meu pau que ia ficando meia bomba, olhei embevecido, minha doce lelé, que me olhava risonha toda meladinha ,aos poucos desfalecendo, adormecendo num sono profundo.

Nunca em sã consciência eu poderia imaginar tudo o que vem acontecendo na minha vida, me separei a cinco  anos atrás  ,  fui morar numa chácara a quinze minutos da cidade, virou rotina todos os fins de semana minha filha vir ficar comigo.

transformei um dos quartos numa suíte Letícia ficou muito lisonjeada de ter um local só dela. Posso jurar que nunca antes eu tive qualquer desejo sexual por ela, que completara dezesseis  anos .

Graças a este mundo virtual ela tem conhecimentos admiráveis. Que chegam a me espantar com seu jeito cheio de sabedoria, falando abertamente sobre todas as coisas, porem lelé sempre desconversava quando   indagada sobre se tinha algum um namoradinho , eu me espantava que ela com aquela idade não nutria desejos como muitas garotas os tem com bem menos idade que ela.

Leticia jurava que nunca fora tocada , por nenhum garoto, dizia que detestava estes moleques da sua idade,  Isto me despertou muita curiosidade , pois ela era uma menina de mente aberta  algo não encaixava   .

Seus cabelos longos amendoados seus olhos castanhos  misteriosos atrás das lentes de grau de óculos que davam a ela um ar intelectual , seios  exuberantes ,seu corpo esguio de pernas longas falsamente magras,  sua pele alva como algodão lelé tinha muita beleza .

Tudo isto  notei naquele noite em que antes de se recolher para ir dormir, ela como sempre veio me dar selinhos , eu estava sentado vendo TV quando ela se sentou na minha perna, envolveu  meu pescoço  percebi que não eram simplesmente selinhos eram beijinhos mais demorados, senti algo estranho dentro de mim  notei que ela me beijava de olhos fechados.

Eu poderia ter afastado ela   dar uma bronca pelo jeito atrevido  que estava se comportando, mas algo  fugiu do normal, uma  estranha sensação , se apossou de mim, então  comecei a corresponder aquele beijo , suguei seus  lábios levemente testando suas reações , ela  ficou com a respiração acelerada montou sobre meu colo seus peitinhos durinhos se esfregavam no meu tórax  se   apertando contra meu corpo envolvendo meu pescoço fortemente com seus braços.

Uma ereção instantânea, fez com que meu pau ficasse como um ferro em brasa, com certeza ela percebeu pois estava sentada sobre ele, impensadamente de4scontrolado , e forcei minha língua  entre seus lábios ela abriu sua boquinha , chupou minha língua dando languidos gemidinhos abafados, eu procurava o céu da sua boca com a ponta da língua ela tentava enroscar a dela ,parecendo estar em transe eu afagava seus cabelos enquanto era ela agora  me oferecia sua linguinha  que serpenteava dentro da minha boca.

Levantei sua blusa acariciei  seus seios que despontavam  como duas peras  macios sedosos , ela deu um rouco gemido quando eu os afaguei , a virei de lado a abracei  segurei ela como um bebe em meus braços e a carreguei  para a  cama.

Deitei ela carinhosamente entre os lençóis, retirei sua blusa deixando a mostra seus peitinhos brancos de aureolas rosadas , vi os salientes biquinhos nunca antes tocados endurecidos, pontudos coloquei o peitinho dela todinho dentro da minha boca, suguei eles que ficaram marcados, mamei aqueles biquinhos virgem . Ela se contorcia seu corpo estava todinho arrepiado sua boca estava entre aberta , respirava ofegante com dificuldades agarrada a mim.

Eu mantinha parte do meu corpo fora da cama deixando ela desfrutar somente do meu tórax e rosto ao seu alcance, as minhas pernas fora da cama , meu pau se esfregava na lateral do coxão , o que já me provocara um prazer  intenso. Confesso que estava amedrontado com tudo aquilo mas eu já tinha avançado demais então tremulo com a voz embargada eu indaguei.

–Leticia é isto mesmo que você quer.

—  SIM , SIM É ISTO MESMO QUE EU QUERO, ISTO E MUITO MAIS.

Aquela resposta espantou todos os temores  que eu ainda tinha , como um predador  ataquei minha presa.

Tirei minha camisa  deixei ela percorrer com seus dedos meu peito peludo , Lele com os olhos fechados e  voz chorosa pedia.

ME BEIJA ME BEIJA .

Ela delirava chupando minha língua, com uma habilidade espantosa para alguém que nunca havia beijado antes, eu estava despertando os instintos sexuais de uma fêmea no cio na minha cria .

Carinhosamente tirei seu short, deixando-a  somente com uma minúscula calcinha azul claro que realçava a brancura do seu corpo nu, eu lambia seu pescoço a deixando arrepiada , com a língua molhada eu passava nos seus ouvidos deixando suas orelhas encharcadas de saliva ela sentia uma tremenda excitação , dava gemidos chorosos ,  a cada toque nas zonas erógenas  do seu corpo.

Desci meu rosto lambendo sua barriga, ela se contorcia , rebolava puramente por instinto. Deu um grito estridente quando cuspi  no seu  umbigo , fiquei fazendo movimentos circulares nele, a língua chafurdada na minha própria  saliva, estimulando ela cada vez mais, uma mancha em sua calcinha demonstrava que de suas entranhas já escorriam seus fluidos , eu somente a puxei de lado , provei o mais sublime de todos os elixires do mundo o néctar que escorria dela era adocicado,  eu sorvia ruidosamente lambuzando o queixo  boca, entrando até  mesmo pelas  narinas, ela estava tendo seu primeiro real e verdadeiro orgasmo, que percorreu seu corpo provocando algo como descargas elétricas por ele, que convulsava como se estivesse sofrendo um ataque epilético seu rosto contraia a cada espasmo de gozo que sentia.

Ela perdeu o controle sobre seu corpo, seus quadris rebolavam como se tivessem vida própria, sua língua serpenteava entre seus lábios , seus gemidos chorosos eram insanos, de quem estava sentindo um êxtase  profundo .

Ela chorava copiosamente como se estivesse levando uma surra ,  soluçante minha filhinha gozava e chorava de prazer ao ser tocada, eu sabia que naquela menina nascia  naquele momento um vulcão de prazer e luxuria.

Letícia continuava com as pernas abertas, eu admirava sua pequena gruta rosada seu pequeno grelo que intumescido despontava pontudo tal qual um botão de rosa, pulsar  tremulo  se movimentando involuntário com movimentos rotatórios sendo capaz de enfeitiçar quem curtisse este momento, confesso que aquela visão me levava a um delírio de insanidade.

Meu anjo tinha a respiração ofegante seu coração estava acelerado, débeis gemidos soluçantes escapavam dos seus lábios, lagrimas teimavam em escorrer  dos seus olhos mas seu choro, seus gemidos  era lascivo luxurioso ,idêntico ao  ganido de uma cadelinha no cio.

Com seu braço esquerdo ela tampava os olhos, pudica e sensual , sua outra mão estava sobre minha cabeça e seus dedos enrolados nos meus cabelos , doce como um anjo aquele demônio levava minha cabeça entre suas pernas  conduzia minha língua para sua pequena racha murmurando impropérios.

CHUPA , CHUPA PAIZINHO , CHUPA VAI CHUPA NO GRELINHO MAMA MAMA NO MEU GRELINHO.

Alucinado cai de boca serpenteando minha língua, querendo invadir suas entranhas, suguei ruidosamente seus fluidos, que emanavam como um néctar nunca antes provado seu gosto era algo indescritível mas eu poderia jurar que seu sabor seria inconfundível para mim por toda a eternidade.

Mordisquei seu grelinho pontudo fazendo com que ela se contorcesse com espasmos de gozos .  Só então ousei colocar meu dedo na entrada daquela bocetinha, mesmo lubrificada pelos seus líquidos vaginais  , eu tinha dificuldades em penetrar seu canal pois eu estava rompendo as paredes virgens dele, toquei com suavidade aquela membrana que impedia  prosseguir.

fazia contato com seu lacre tocava   seu cabacinho , com cuidado  fui retirando meu dedo para não romper sua virgindade , ela gozava copiosamente, seu corpo estava todo arrepiado , ela suava por todos os poros do corpo, seus cabelos estavam umedecidos .

Igual uma loba no cio. Lele  murmurava  palavras indefinidas , parecia estar em transe como se alguma entidade tomasse seu corpo .

Alucinada ela choramingava com sua voz entrecortada.

ME COME ,AGORA  ME COME, VAI ME FODE , ME FODE.

AINDA  hoje eu não sei como conseguia me controlar,  retardava cada vez mais a hora de entrar nela , desfrutando aqueles inusitados momentos como se  estivesse no paraiso.

Sua bocetinha se contraia , parecia que mamava meu dedo,  mastigando  ele como se fosse  uma boquinha faminta.

Fui tentando colocar dois dedos dentro dela , fitei aquele rostinho lindo contraído num misto de dor e prazer.

Movimentei meus dois dedos preparando a entrada da sua grutinha , que aos poucos ia cedendo ficando cada vez mais  larga .

Ora eu a masturbava , ora eu a chupava deixando-a alucinada .

Meu pau pulsava como se tivesse vida própria, aos poucos a preparava, sem mostrar ele para ela temendo que ela se assustasse com o tamanho pois sou bem dotado.

Meus dedos chafurdavam nos sucos que escorriam dela , eu senti que era o momento de penetrá-la ,coloquei  dois travesseiros em baixo da sua bundinha pois queria fitar aquele rostinho se contraindo se desmanchando de prazer e dor ao mesmo tempo sentindo sua bucetinha sendo arrombada.

Meu pau pingava minha pré porra quando esfreguei ele na sua rachinha melada misturando nossas lubrificações , aquela cadelinha de pernas abertas ansiava por ser desvirginada.

Ela se contorcia gemia fazendo beicinho  , quando eu coloquei a cabeça do pau na entrada da sua bocetinha, receoso eu não forçava a penetração com medo de machuca-la.

Mas a sensação de calor que exalava  era como se uma brasa viva estivesse  queimando meu pau , eu tinha a nítida impressão que sua bocetinha mamava na minha rola tentando engolir ela.

Então eu forcei lentamente , senti que aos poucos  ia invadindo aquela grutinha pois metade da cabeça do meu pau já penetrara ela que tinha o rosto contraído sentindo o arrombamento dolorido de suas entranhas, lagrimas escorriam dos seus olhos , ela soluçava dando languidos gemidos, mas não era um choro de desespero agoniado  , era sim  um choro luxurioso prazeroso  de quem estava  adorando chorar  e gemer num  cassete  , eu  não enxergava minha filhinha sendo deflorada e sim uma putinha pedindo para ser arrombada. A cabeça do meu pau já estava dentro dela que tinha as pernas enroscadas nas minhas coxas ,eu curtia aquele momento como o mais sublime de toda minha vida , cada milímetro dentro dela era uma sensação indescritível que somente quem já provou pode descrever.

senti que meu pau tocava sua membrana , fiquei mais uma vez parado pois seu rosto contraído demonstrava dor , pacientemente eu esperei ela relaxar , Leticia   balançava a cabeça de um lado para o outro, parecendo alucinada, temi  que ela não iria  suportar aquela invasão que estava rompendo seu lacre , mas fiquei alucinado quando dando fogosos gemidos ela me puxou  fincando seus calcanhares no meu dorso , aos gritos implorava.

ENFIA , ENFIA,TUDO TUDO,  VAI ME ARROMBA.

Insano eu empurrei com força senti meu pau arder quando encontrou aquele  obstáculo, forcei  rompendo  seu hímen  , ela gozou insana misturando dor e prazer ao mesmo tempo, seus quadris se movimentavam meu pau pulsava dentro dela , continuei empurrando entrando dentro dela,  até sentir meus pentelhos se esfregando nos seus  pelinhos acobreados. Eu estava completamente dentro dela , fiquei extático parado sem mexer um musculo si quer   deixando somente  a rola pulsar dentro dela, sem fazer nenhum movimento, gozei copiosamente dando esguichadas seguidas , lotando sua bucetinha com minha porra, me sentindo um deus desfrutando os prazeres do Olímpio .

Retirei lentamente o pau deixando somente a cabeça dentro , o cassete pingava seus sucos misturados com minha porra num tom rosado, provocado pelo sangue do seu cabacinho rompido.

Voltei a penetrar ela agora um pouco mais rápido, sentindo sua bucetinha encaixar no meu pau, comecei a meter  entrando e saindo  cada vez maus rápido ,  meu saco batia na sua bundinha como se  estivesse dando palmadas nela, não pude me conter  comecei a estocar forte  cada vez mais forte mais fundo,  agora insano  desejava entrar no fundo de sua alma.

Dei um grito animalesco quando gozei novamente , Letícia se  prostrou de tanto sentir prazer,  eu sentia sua bocetinha, igual uma boquinha ainda mamar no meu pau que ia ficando meia bomba, olhei embevecido, minha doce lelé, que me olhava risonha toda meladinha ,aos poucos desfalecendo, adormecendo num sono profundo.

0

Leia outros Contos de incesto bem excitantes abaixo:

Tal pai e tal filha parte1

Como ou não a minha mãe?

7146 views

Contos Eróticos relacionados

LEVAVA MINHA SOGRA ATÉ NO MOTEL…

Me chamo Reinaldo, estava com 27 anos quando aconteceu o que vou escrever neste conto. Por herança recebi do meu pai  uma bela casa e uma empresa de agronegócios que me dava uma boa renda por mês....

LER CONTO

Minha primeira gozada foi na boca da minha irmã

Ola pessoal sou o Novinho, me desculpem algum erro e a falta de detalhes faz muito tempo que aconteceu... Bom na época eu e minha irmã éramos bem novos ela sendo mais velha que eu e eu sendo o...

LER CONTO

Perdi a virgindade com meu primo

De: Gabriele Olá,meu nome é Gabriele, e vou contar como foi que perdi a virgindade com meu primo.Tenho 15 anos, na época que perdi a virgindade com meu primo eu era novinha ainda. Apesar da...

LER CONTO

Sendo feliz com minha irmã

O primeiro ano da pandemia no Brasil não foi fácil pra ninguém, mais não podemos negar que também trouxe muitas oportunidades para todos, os que souberam aproveitar as boas oportunidades tenho...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 2 + 4 = ?
ContosAdultos.Club - O seu site de Contos Eróticos
Se você gosta de ler contos eróticos ou contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.
© 2023 - Contos adultos