Bem Vindo, visitante! [ Entrar | Cadastro ]
Contos adultos » Contos de fetiche » Agredida e violentada por três

Agredida e violentada por três

Publicado em junho 11, 2020 por Sibila Markis

Estava a caminho de casa, apenas uns 10 mim de caminhada até chegada, completamente sozinha, eu seguia meu caminho exatamente no meio da rua na faixa amarela, andava e mexia nas pontas dos cabelos, com uma das mãos, com a outra segurava uma bolsinha de mão e quanto mais eu andava mais eu puxava os cabelos…

Um medo me assombrava, parecia que não estava sozinha e a impressão que tinha, era que havia alguém me observando, me seguindo, olhava pra trás e num via nada, pros lados e nada, mas sentia uma presença macabra, assustadora que me obrigava andar cada vez mais rápido.

Continua depois da publicidade

Estava quase correndo, tive medo de não ter pernas pra completar a caminhada e chegar à casa bem.

Ai meu deus!! Por que que eu não esperei uma carona para ir embora? Que arrependimento! meu bairro era tranquilo, mas nunca se sabe, uma mocinha de 18 anos andando sozinha pela rua deserta é muito arriscado, ainda mais eu, uma baixinha e delicada.

Uma pequena como eu, sozinha, indefesa e totalmente vulnerável a um tarado qualquer. Não que eu não gostasse de um taradinho gostoso, mas entre querer o tarado e não querer o tarado é muito diferente.

Continua depois da publicidade

Definitivamente eu não estava disposta a ser agarrada por nenhum homem que eu não desejasse muito. Credo!!! Que pensamentos horrorosos!! Achei melhor parar de pensar absurdos, pois acredito que o pensamento tem força pra atrair coisas, sejam elas boas ou não e naquele momento eu só pensava merda.

Veio na minha direção um automóvel grande, parecido com uma van, com os faróis acesos muito forte incidindo diretamente em meus olhos, saí do meio da rua pra não ser atropelada ao, mesmo tempo que desviava o olhar da luz ofuscante.

Quando o automóvel se aproximou, reduziu a velocidade, mas não me importei, apenas segui o meu caminho, afinal a impressão de estar sendo seguida era por alguém que andava a pé, e aquele veículo poderia me servir de socorro se fosse o caso.

Porém, o que eu não esperava é que desse transporte, que num tenho conhecimento do qual seria, saíram dois indivíduos muito grandes, muito altos, extremamente fortes, enormes e me agarraram, tentei gritar, mas tive a boca tapada, tentei espernear, mas fui erguida do chão, esmagada e sufocada com tanta força que perdi o ar, as forças, os sentidos.

Quando recuperei a lucidez, estava sozinha num ambiente amplo e estranho tipo um galpão muito limpo, muito iluminado, e com cheiro ruim, ardido, não observei se haviam janelas, mas havia uma porta grande de entrada e fazia muito frio, muito frio.

Estava apavoradíssima, em pânico total, meu coração disparado, a respiração ofegante e tremia sem parar, de medo de frio.

Fui amarada nua numa cama pela metade, sei lá, semelhante a uma maca de ginecologista, e meus braços e pernas completamente abertos, amarrados em estacas ao lado, estava toda exposta, arreganhada, e amordaçada.

Ouvi alguns ruídos vindos da porta que se abriu, eles estavam vindo em minha direção, meu desespero foi total, queria gritar, mas a boca estava tapada com uma fita colada a minha pele, então comecei a me contorcer, cheguei a machucar meus tornozelos e pulsos, por onde estava amarrada, como tentei me libertar!! em vão…estava completamente presa, não havia oque fazer, apenas esperar pelo que aconteceria…

Num era humano, era um ser parecido com humano, mas não era, tinha uma cor amarela amarronzada, eram altos, fortes, enormes, não tinham pelos pelo corpo, a pele áspera com manchas marrom, os rostos diabólicos, bocas enormes e dentes pontiagudos, buracos no lugar do nariz, olhos verdes, e o cheiro me ardia nariz a ponto de atrapalhar minha respiração e não há palavras pra expressar meu pavor nesse momento….O que eles iam fazer comigo?

Chegaram bem perto, um de um lado e dois do outro e me olharam com aqueles olhos que pareciam dois pontos luminosos, eu com a boca lacrada e olhando apavorada para aqueles seres enormes e nus se aproximando cada vez mais de mim.

Começaram a me passar as mãos umedecidas, frias e tinham ventosas pegajosas, que por onde passavam pareciam chupar minha pele, fizeram isso por alguns minutos, pareciam procurar por algo em mim, quando olhei para os meus seios, minha barriga e tudo mais, vi que meu corpo estava coberto por marcas de chupões.

Quando um dos brutamontes enfiou uma daquelas patas grudentas na minha buceta, que parecia ser chupada pelas mãos que exploravam cada detalhe, pequenos lábios, grelo, até que aqueles dedos úmidos, enormes encontraram a entrada da minha vagina, a excitação do bicho asqueroso foi grande, e os outros ficaram eriçados, daí o desgraçado enfiou o dedo gosmento na minha grutinha.

Comunicavam-se através de chiados e sons estalados agudos, pareciam estar discutindo, os três queriam enfiar-me os malditos dedos babentos na minha xaninha.

Que pesadelo que estava vivendo!!!…queria sair dali, queria morrer até, mas não queria ser tocada por aquelas criaturas dos infernos que pareciam saber exatamente oque faziam na minha xota, eu sentia medo, frio, muito frio.

As mãos pegajosas daqueles malditos bichos iam se alternando na minha buceta, que com suas ventosas úmidas chupavam minha xota toda, aquilo estava me deixando excitada, por mais que eu recusasse sentir algum tipo de sensação prazerosa nas mãos daqueles que estavam me violando.

Não se contentaram em apenas me alisar com as mãos, me lamberam inteirinha, dos pés ao pescoço, os três fizeram isso, suas línguas eram achatadas e longas, ásperas e faziam isso delicadamente, enquanto revezavam as mãos na minha xota.

De repente um deles começou a fazer um barulho estranho e uma coisa começou a sair de dentro dele, de seu ventre, eu num queria nem olhar, mas estava desconfiada que aquilo era o pênis…meu deus!!! Aquela pequena sensação de alívio durante o tempo que só me exploraram com as mãos ou me lambiam começou a se transformar em pânico outra vez.

Que medo dele resolver me enfiar aquilo que eu num queria nem ver!! mas que de tão grande e estranho, não escapou do meu olhar me causando ainda mais ojeriza, era um coisa meio espiralada, grossa, e com a ponta arredondada e de cor esverdeado escuro, que odor horroroso!!!

Começaram a se comunicar de novo como se brigassem, ficaram agressivos e um empurrava o outro, foi tenso e aquele que já estava com aquela coisa verde enorme toda pra fora do corpo, veio entre minhas pernas abriu minha xota e introduziu aquele troço mais estranho e frio, aquilo foi me invadindo, me rasgando, machucando, me preenchendo todinha por dentro, doeu.

O bicho ficou imóvel, mas o troço grosso babento mexia sem parar dentro de mim, aí ele começou a fazer uns barulhos assustadores, os outros ficaram muito mais agitados.

Agora era outro que estava com aquele troço fedorento e grosso todinho pra fora, se aproximou de mim arrancou a mordaça em minha boca e nessa hora eu gritei e me debati desesperadamente sem parar com todas as minhas forças, levei muitos tapas na cara, quanto mais eu gritava, mais apanhava, o sangue escorria de minha boca pelo meu rosto, meus olhos já estavam inchados de tanto chorar, e implorar pra que ele parassem de fazer aquilo comigo.

Não adiantava gritar, gritei até ficar rouca, sem voz, até perder as forças, aí o bicho mais horroroso que já vi, meteu aquela coisa enorme na minha boca, desci o dente!! apanhei ainda mais, e enquanto um bichão daqueles me destroçava a buceta o outro me entuchava goela abaixo aquela pica estranha e gigantesca me causando ânsias.

O terceiro indivíduo fedorento e com o seu membro todo exposto, ficou agitado e muito agressivo vendo os outros dois em êxtase me violentando daquele jeito, e começou a me puxar como se quisesse tomar uma carcaça de seus predadores, meus pulsos e tornozelos, por onde estava amarrada, ficaram cortados, e o sangue escorria, os animais rosnavam entre si, eu inteiramente apavorada e sem força aceitei meu destino e rezei pra que aquilo acabasse rápido.

Mas não tinha nem começado ainda.

O pior estava por vir, o terceiro asqueroso me soltou os braços e as pernas e me puxou com força tentando me tirar daquele que me penetrava e que rosnava feito cão bravo mas que me segurava firmemente e não tirava o membro de dentro de mim de jeito nenhum.

A maneira como me puxavam era muito violenta e dolorosa, mas o jeito que aquela coisa grossa mexia dentro de mim era excepcional, eu lutava contra as latejadas na buceta, não aceitava sentir tesão naquilo que mexia dentro.

Até que conseguiram se entender e me tiraram de cima daquela cama estranha, e o repugnante que me invadia tirou aquela coisa enorme verde de mim com um pouco de sangue do interior de minha xoxota, aquele que me fodia a boca se deitou no chão, fui colocada sentada sobre ele, que grunhiu quando enterrou seu membro na minha buceta me rasgando ainda mais, estava dolorida, mas inchada, molhada e latejando. Que ódio!!Eu chorava de raiva, por estar com tesão e não ter mais forças pra relutar.

O bichão que estava agressivo me socou a pica espiralada e grossa na boca e o outro. Que vontade de morrer!!!

O desgraçado me empurrou por cima daquele que estava dentro da minha xota me colocando de quatro e começou a enfiar no meu cuzinho virgem que num tinha dado nem por meu namorado e que naquele momento sentia uma dor desgraçada, porque o bicho medonho estava me currando e eu não tinha como fugir, aquela coisa esverdeada e grossa estava arregaçando vagarosamente meu cuzinho.

Me deu vontade de morrer com aqueles três monstros…

Um me fodia a boca até a garganta me fazendo vomitar, outro embaixo de mim com seu membro todinho enfiado dentro da minha buceta e o outro me enrabava de quatro.

Estranho como picas mexiam dentro de mim, os bichos não se mexiam, ficavam imóveis, mas bufavam e grunhiam agitados, eu pedindo a morte de raiva porque minha buceta estava quase gozando sem a minha vontade.

E de repente eu acordei com o coração disparado, respiração ofegante e a buceta latejando praticamente gozando…

Tive um pesadelo!!! Que alívio!!! Meti a mão no grelo e acabei o serviço. Esfreguei com vigor toda a xerequinha até gozar alucinadamente e sentir aquelas contrações perfeitas e deliciosas na minha bucetinha linda gostosa que amo de paixão realiza sem o meu controle.

Acabei e voltei a dormir feito um anjo.

Nunca, nunca mais fico na net vendo vídeo hentai até de madrugada.

9771 views

Contos relacionados

Enrabando meu marido

Olá a todos vocês meus queridos leitores,eu no meu conto número três,que está no meu livro,eu comento sobre como eu comi o cuzinho do meu primeiro marido,que era um cara muito safado,e desde...

LER CONTO

Silvia e a vingança do judeu II

Enviado por: Helga O que vou contar agora aconteceu muito tempo atrás. Nossa família tinha se transferido para o Quenia, na Africa, assim que a segunda Guerra Mundial estourou. Éramos luteranos...

LER CONTO

Minha prima safada

Vou contar pra vocês sobre o dia em que transei com a minha prima gostosa! Ela se chama Karol, tem cerca de 1,65 de altura e um corpo esculpido por Deus, uma cintura fininha, uma bunda enorme...

LER CONTO

Comi o cu das minhas duas primas juntas

Foi a maior experiência sexual . Agora relato a vocês com detalhe Minhas duas primas moravam em uma cidade vizinha próxima a minha 30 minutos apenas Duas irmãs loiras uma estatura de 1,70...

LER CONTO

O sonho

Certo noite eu e minha esposa estavamos vendo TV e tomando umas cervejinhas quando ela comentou que teve um sonho muito louco, pedi pra que ele contasse e ela meio que sem graça e receio, aceitou...

LER CONTO

Voyeurismo: Uma gozada exemplar

   Do seu membro rijo escorria uma gota transparente de excitação, iluminando a ponta rosada e grossa. Era assim que Arthur ficava – duro como pedra – ao ver sua amada regozijando-se em...

LER CONTO

0 - Comentário(s)

Este Conto ainda não recebeu comentários

Deixe seu comentário

2000 caracteres restantes

Responda: 4 + 2 = ?

Se você gosta de ler contos eróticos o contos adultos é o site perfeito para você. Aqui você vai ler contos sexuais reais, e o melhor de tudo é que o site é atualizado diariamente.

© 2020 - Contos adultos